DEVE-SE PUBLICAR TUDO? E DIVULGAR TUDO QUE SE PUBLICA?


DEVE-SE PUBLICAR TUDO?

E DIVULGAR TUDO QUE SE PUBLICA?

 

Por: Cintra e Castilho

 

            Consideramos extraordinário o exemplo de Yvonne A. Pereira que, tendo recebido mediunicamente o livro “Memórias de um Suicida”, engavetou-o porque tinha dúvidas quanto ao conteúdo da obra. Somente depois de mais de 20 anos é que o entregou à editora, após revisão espiritual de Leon Denis.

            Hoje, porém, é fácil observar que muitos médiuns não procedem da mesma maneira, enviando apressadamente para publicação tudo que recebem do plano espiritual.

            Daí um grande número de obras que não merecem ter sido publicadas por divulgarem violência, sensualidade, assuntos escabrosos, explicações anti-doutrinárias e temas excessivamente repetidos. Ou apresentam linguagem confusa e até contradições. Além disso há um número crescente de instituições assistenciais espíritas editando livros com o objetivo único de obter recursos financeiros sem avaliar devidamente o conteúdo de tais obras, o que, a nosso ver, contraria a finalidade superior do livro espírita, pois segundo Emmanuel ö livro espírita já é caridade em si mesmo”.

            Diante desta situação, julgamos oportuno consultar a opinião de Allan Kardec, que tratou o problema em dois na Revista Espírita: “Deve-se publicar tudo quanto dizem os espíritos?” (nov./1859) e “Exame das comunicações que nos enviam”(mai./1863), os quais recomendamos aos médiuns psicógrafos, escritores, editores e redatores de jornais espíritas.

            Após uma leitura atenta dos dois artigos, destacamos, com algumas adaptações, as seguintes observações, denominando-as de critérios para análise de matéria destinada a publicação.

1 – Não aceitar cegamente textos mediúnicos sem um controle severo. Publicar sem exame, ou sem corretivo tudo quanto vem dos espíritos, seria dar prova de pouco discernimento;

2 – Ao lado de comunicações francamente más, outras há que são simplesmente triviais ou ridículas. Tais publicações têm inconveniente de induzir em erro pessoas que não estejam em condições de aprofundar-se e de discernir entre o verdadeiro e o falso;

3 – Há comunicações que podem prejudicar gravemente a causa que pretende defender, em escala muito maior que os grosseiros ataques e as injúrias de certos adversários;

4 – A importância que, pela divulgação, é dada às comunicações de espíritos inferiores os atrai, os excita e os encoraja;

5 – Os bons espíritos ensinam mais ou menos a mesma coisa por toda a parte, porque em toda parte há os mesmos vícios a reformar e as mesmas virtudes a pregar. Por isso, há centenas de

lugares onde se obtém coisas semelhantes, e que é poderoso de interesse local pode ser banalidade para a massa;

6 – Uma coisa pode ser excelente em si mesma, muito boa para servir de instrução pessoal, mas o que deve ser entregue ao público exige condições especiais. Convém, portanto, rejeitar tudo quanto, pela sua condição particular, só interessa àquele a quem se destina. E também tudo quanto é vulgar no estilo e nas idéias, ou pueril pelo assunto;

7 – Mesmo a pessoa mais competente pode enganar-se: tudo está em enganar-se o menos possível. Há espíritos que se comprazem em alimentar em certos médiuns, a ilusão de que não estão sujeitos a enganos. Por isso, nunca seria demais recomendar a estes não confiar em seu
próprio julgamento. Nesse sentido, os grupos são importantes pela multiplicidade de opiniões que neles podem ser colhidas. Aquele que, nesse caso, recusasse a opinião da maioria, julgando-se mais esclarecido que todos, provaria superabundantemente a má influência sob a qual se acha;

8 – Ao lado de alguns bons pensamentos encontra-se, por vezes, idéias excêntricas, traços inequívocos da mais profunda ignorância. Nesta espécie de trabalho mediúnico é que maisevidentes são os sinais da obsessão, dos quais um dos mais freqüentes é ainjunção da parte do espírito de os fazer imprimir;

9 – Nenhuma precaução é excessiva para evitar publicações lamentáveis. Em tais casos, mas vale pecar por excesso de prudência, no interesse da causa;

10 – Publicando comunicações dignas de interesse, faz-se uma coisa útil. Publicando as que são fracas, insignificantes ou más, faz-se mal em vez de bem;

11 – Uma consideração não menos importante é a da oportunidade. Comunicações há cuja publicação é intempestiva e, por isso mesmo, prejudicial. Cada coisa deve vir a seu tempo;

12 – Não se trata de desencorajar as publicações. Longe disso. Mas mostrar a necessidade de rigorosa seleção do material. Aplicando estes princípios às comunicações a ele enviadas até maio de1863, Kardec classificou-as, obtendo as seguintes conclusões:

a)     Em 3.600, mais de 3.000 eram de moralidade ireprochável;

      b)     Desse número, menos de 300 poderiam ser publicadas (menos de 10%);

c)     Apenas 100 apresentavam-se de mérito inconteste. Quanto aos originais produzidos por encarnados , em cerca de 30, Kardec encontrou 5 ou 6 de real valor. Conclusão de Kardec: “no mundo invisível como na terra, não faltam escritores, mas os bons são raros.” Estes  critérios de Kardec, propostos para análise de viabilidade de publicações espíritas, são
perfeitamente aplicáveis aos divulgadores no exame das obras já editadas.

Na verdade, o livro espírita deve ser examinado em diferentes níveis, sendo a passagem para o nível seguinte condicionada à aprovação nos anteriores, até chegar ao leitor. Pode-se citar os seguintes níveis principais:

a)     Autor encarnado ou espírito e médium (Autocrítica)

            b)     Editor (incluindo-se as revisões gramaticais e gráficas)

c)     Distribuidor

            d)     Divulgador

Esta sequência, entretanto, nem sempre é observada em uma, algumas ou, lamentavelmente, em nenhuma das etapas. Mas como a nossa doutrina proporciona ampla liberdade à criatura, lembremos o dito do Mestre: “A cada um segundo a sua própria consciência”.

Nestas etapas em cadeia, a tarefa do divulgador reveste-se de especial importância, na medida em que representa a última oportunidade de se evitar a difusão de obras clara ou potencialmente prejudiciais aos postulados doutrinários básicos. Estamos conscientes de que o problema apresenta aspecto delicado. Mais uma razão para enfrenta-lo com serenidade, sim, mas com determinação. Do contrário, Kardec não teria tido o cuidado de passar à posteridade suas observações, conclusões e recomendações. É preciso haver um conjunto de critérios seletivos para aquilo que circula no âmbito de um movimento de porte e das responsabilidades do espiritismo. Não nos cabe impedir de que os textos inaceitáveis sejam lidos, mesmo porque cada um assume a responsabilidade pelo que faz ou permita que faça.

Entendemos, contudo, que é dever e direito do espírita consciente rejeitar a obra que lhe pareça inadequada, sem necessidade de nenhum comitê de censura e emitir listas
condenatórias.

                       Por isso conclamamos os idealistas da área de divulgação do livro espírita a não ignorarem esta questão.
 

(transcrito do Jornal Macaé Espírita, edição de julho/agosto de 1992, página 3)


Exibições: 3509

Responder esta

Respostas a este tópico

No princípio éramos absolutamente iguais em essência e não em identidade.

No princípio éramos absolutamente iguais em essência e não em identidade.

Se no princípio, éramos absolutamente iguais, porq nos tornamos tão imensamente desiguais? O q é q, no princípio, surge e destrói aquela perfeita igualdade original? Pois, se é a diferente identidade q faz que as criaturas se tornem desiguais, é sem qq dúvida o próprio Criador q nos faz ser desiguais pois, segundo vc afirma e reafirma repetidas vezes, é Deus q nos dá identidades desiguais.

Sim. Isso mesmo.

Logo, é exatamente Deus que nos faz todos desiguais; está aí a explicação para o porq uns são calmos, pacientes, pacíficos, bom-caráter, honestos, e outros são nervosos, impacientes, violentos, mau-caráter, desonestos, criminosos etc. Sinceramente, não sei como fazer para não chegar a essa conclusão: que todos são o que são, porq a vida, essa escola do bem e do mal que Deus lhes dá, os faz como são. Se o amigo puder explicar....

Muito simples. Deus não fez bons ou maus. Ele nos fez filhos à sua imagem e semelhança.  Ser bom ou mal, calmo, paciente, pacifico, bom-caráter, honestos ou nervosos impacientes, violentos, mau-caráter, desonestos, criminosos e etc, são extremos de relatividade que não pertencem ao Reino Divino. Tudo isso são produtos do ego e não de Deus.

Mas, se tudo isso, todas essas qualidades negativas q as criaturas de Deus possuem são produzidas pelo ego, e o criador/produtor do ego é o próprio Deus, como devemos entender isso?  

Deveremos entender que não haveria maneira de existirmos se não tivéssemos um ego. Portanto Deus nos deu o ego não para nos tornarmos egoístas mas para termos um ponto de referência do "eu" e poder dizer "eu sou".  Equilibrar o ego para não se tornar egoísta e sofrer as consequências disso, cabe, agora, à cada criatura, pois do contrário seríamos autômatos se Deus fizesse isso por nós.

Mas, se Deus nos deu um ego, não para nos tornarmos egoístas, porq é q devido ao ego nos tornamos egoístas?!

Porque essa é uma tendência natural do ego.

Se é uma tendência natural do ego nos tornar egoístas, porq temos de sofrer por termos nos tornado egoístas, se isso dependeu dessa tendência natural que Deus deu ao ego, e não de escolha nossa??

Pelo contrário. O fato de nos entregarmos à essa tendência é que nos fez egoístas. Pelo contrário, jamais teríamos sofrido as consequências dessa escolha, ou seja, os sofrimentos.

Intacta, portanto, permanece a inocência de Deus em relação aos nossos sofrimentos. Mais uma vez, sua tentativa de culpar à Deus pelos nossos sofrimentos falhou.

Responder à discussão

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Ridículo silêncio

                                                             RIDÍCULO SILÊNCIO

Há muitas espécies de provação para a dignidade pessoal e numerosos gêneros de defesa.
Há feridas que atingem a honorabilidade de família, golpes que vibram sobre a realização individual, calúnias que envolvem o nome, acusações gratuitas, comentários desairosos à…

É sempre tempo de receber visitas (por Jane Maiolo)

É sempre tempo de receber visitas

Por Jane Maiolo

Pois, se nem ainda podeis as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras?” (1) Lucas 12:26

 …

Em geral o Espiritismo não trabalha com datas predefinidas para acontecimentos.

Em geral o Espiritismo não trabalha com datas predefinidas para acontecimentos.

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Desde que o mundo é mundo o homem busca, por meio das previsões, antecipar-se…

Reflexões sobre ações e críticas

            Você já se perguntou o que é a verdade? Jesus ao ser indagado por P Pilatos, na descrição do Evangelho segundo João, capítulo XVIII, respondeu com o maior silêncio que a humanidade já ouviu. Tenho me perguntado por que Ele adotou tal postura?   

            Neste…

Espiritualidade em comportamento de crise (por Jane Maiolo)

Espiritualidade em comportamento de crise

Por Jane Maiolo

 

Então disseram os fariseus entre si: vede que nada é proveitoso! Eis…

Últimas atividades

Elias Vieira Araujo curtiram o perfil de Elias Vieira Araujo
3 horas atrás
Posts no blog por ANA MARIA TEODORO MASSUCI
7 horas atrás
edina aparecida da silva curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
9 horas atrás
edina aparecida da silva curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
9 horas atrás
edina aparecida da silva curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
9 horas atrás
ARI DE SOUSA LIMA curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
9 horas atrás
ARI DE SOUSA LIMA curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
ARI DE SOUSA LIMA curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiram o evento “Mediunidade e Obsessão”, com Eliomar Borgo Cypriano de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o evento “Mediunidade e Obsessão”, com Eliomar Borgo Cypriano de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Joao Iudes Nodari respondeu à discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
"Se não buscarmos alternativas filosóficas e teológicas de conhecimento e evolução e teorias de sabedoria mais refinadas de nossos princípios crísticos repetiremos os fatos acorridos e certamente o…"
12 horas atrás
SIMONE CRISTINA PEIXOTO curtiram a discussão O que fazer diante da perda, pela morte, de alguém querido? de Amigo Espírita
12 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

Badge

Carregando...

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço