Quanto ao aspecto evolutivo da Doutrina Espírita, acho que o que está fazendo falta é a FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA, que trará:

  • Uniformidade na divulgação da doutrina.

  • Menos palestrantes despreparados.

  • Menos divisões internas.

  • Um critério cientifico de progresso dos livros de Kardec através de teses de Mestrado e Doutorado.

  • Um ambiente fechado para debater novos progressos, antes de vir a público.

  • Diminui as relações pessoais e torna mais logico e cientifico a escolha de ideia ou palestrante.

  • Hoje há muitos argumentos baseados apenas na autoridade de determinado médium ou espirito.



Assim após um curso regular, reconhecido pelo MEC, de 5 anos, onde o aluno toma contato com todas as Doutrinas Filosóficas fará:

  • 3 anos de pós graduação

  • 3 anos de Mestrado

  • 3 anos de Doutorado. ( nesta fase é que está apto a agregar novos descobrimentos numa especialidade que escolheu, porem muitos deixam isto para o pós-doutorado, até aqui apenas reproduzem o que já foi descoberto)



Hoje, na Ciência, somente após  estes 11 anos de especialização, geralmente de tempo integral, é que o pesquisador tem condições de de agregar novos conhecimentos sobre uma área, muito especifica, e geralmente não o faz sozinho sempre é acompanhado por uma equipe multidisciplinar. A maioria apenas repete experiencias já feitas para agregar uma novidade no pós-doutorado.

Nós espiritas nos ufanamos de repetir :

"É preferível rejeitar dez verdades que aceitar uma mentira."

Porém, a Ciência é muito mais restritiva. Caso você apresente, nestes 11 anos de dedicação integral, uma única frase ou formula, na sua monografia, que não está em acordo com o edifício teórico experimental , você será reprovado e não terá condições de agregar uma inovação.

Um médico que cursar a faculdade de filosofia espírita poderá defender tese sobre questões de fronteira a nível de mestrado dentro apenas de sua especialidade como:

  • Engenharia Genética e o espírito.

  • Pacientes em coma.

  • Doenças e Carma.

  • Transplante



Mario Fontes

Reconhece-se o verdadeiro Espírita
pela sua transformação moral,
e pelos esforços que faz para
domar suas más inclinações.
 
(Allan Kardec, ESE., XVII, 4)

  • A Faculdade de Medicina não faz o bom profissional de Medicina.

  • A Faculdade de Engenharia não faz o verdadeiro bom Engenheiro.

  • A Faculdade de Direito não faz o bom profissional de Direito.

  • A roupa, melhor, o hábito não faz o monge.

Analogamente:

A Faculdade de Filosofia Espírita não fará o verdadeiro Espírita.

Muitos, diria cerca de 80% optam por uma faculdade ou profissão por diferentes razões:

  • Os pais ou outro familiar queriam e influenciaram.

  • Ouviu dizer que era facil arrumar emprego nesta area, e que pagavam bem.

  • É o curso da moda e dá Status, sendo facil impressionar o sexo oposto.

  • Resolver algum problema pessoal.

  • Não conseguiu arrumar nada melhor e não aguentava mais fazer cursinho.

  • Curiosidade ( uma vez satisfeita abandonam).

  • O Brasil se sobressaiu no setor e tem mais chances.

Conheço muitos médicos, advogados e engenheiros que se tornaram empresarios da alimentação ou se tornaram políticos e ganham muita mais desta forma, e não conseguem mais retornar a sua profissão que se formaram.

Afirmo que após 30 anos de formado, pouquissimos dos meus colegas continuam trabalhando na area, por diversos motivos, sem contudo terem deixado de serem influenciados para sempre, pela sua titulação de Engenharia, no seu modo de pensar e agir.

Assim vale mesmo vale a pena a Faculdade de Filosofia Espírita, pelas mesmas razões que valem para qualquer outra Faculdade.

Exibições: 13346

Responder esta

Respostas a este tópico

Caro,
1- Pode ser,mas voce afirma gratuitamente sem nenhum fundamento.
2- A palavra Dogma utilizada na época de Kardec não tem o mesmo significado epistemológico de hoje. JÁ ESCREVI ISTO 10 VEZES.
3´- Há muitas interpretações além da de Kopenhagen que fez o primeiro enunciado da dupla fenda, mas questão que voce tenta desviar é A FÍSICA NÃO EXPLICA TUDO E NEM POR ISTO É INÚTIL COMO VOCE PROPAGA.
4-Foram os fatos espíritas que se apresentaram primeiro e depois a teoria explicativa de forma indutiva característica do MÉTODO TEÓRICO EXPERIMENTAL( JÁ LHE FALEI ISTO ANTES)
5-Preguiça de copia e colar num tradutor. HUMMMMMMMM?????
6-Porque todo conhecimento moderno é assim o fato de estar incompleto não significa que seja inútil.O ESPIRITISMO NÃO ESTÁ COMPLETO.

Amigo Mario Fontes,

        Meu querido, nada que aqui coloco é sem fundamento; vamos aqui nos ater apenas à questão do "livre-arbítrio". Esta resposta ficou muito longa porq nela coloquei trechos de textos que já postei anteriormente aqui.Se vc não se recorda, lembro que mesmo o apóstolo Paulo, que levou a Boa Nova a muitas regiões do mundo então conhecido, afirmou que o livre-arbítrio é uma fantasia ao dizer que “é o Sr que opera em nós, o pensar, o querer e o fazer!”. Se isso não basta, se Paulo não merece credibilidade, Jesus tb fez ver a mesma coisa qdo disse “ninguém vem a mim, se o Pai que me enviou não o mandar a mim”! Se isso ainda não basta, provemos, de outra maneira, que o livre-arbítrio nada mais é do que uma ilusão, pois de onde se originam as escolhas que fazemos? De nossos desejos, de nossa vontade, certo? E de onde se originam os desejos e a vontade? Dos pensamentos elaborados por nossa mente ao observar, avaliar, conceituar o mundo ao nosso derredor, concorda? No entanto, meu amigo, absolutamente nenhum pensamento é verdadeiramente nosso, pois nenhum tem origem em nós mesmos, em nossa mente, em nosso íntimo. Todos eles se originam de algo que ocorre fora de nós (não fora de nós, corpo material, mas fora de nós, corpo espiritual), como eventos, fenômenos, ações e reações. 

 

       Como todos “podemos comprovar”, nem os pensamentos, nem os desejos, nem as vontades e, consequentemente, nem as decisões e as escolhas, são verdadeiramente nossas! Não temos controle ou comando sobre nossos pensamentos e, consequentemente, nem sobre nossa mente, que é ela que elabora e, finalmente, dá forma aos pensamentos. São os pensamentos, a mente, que nos comandam, e não nós a eles e, por isso, fazemos tantas escolhas erradas, mesmo que não queiramos fazer, ou porq nossos pensamentos, tantas vezes desatentos, nos levam a crer que estejam corretas.

 

      Como Jesus (deduz-se de suas palavras), Paulo e outros sábios fazem ver, a psicologia, o estudo, o raciocínio profundo e a pesquisa, também nos mostram que as decisões que fazemos (e as fazemos o tempo todo) não são, verdadeiramente, nossas; que apenas acreditamos que sejam, devido aos condicionamentos que a vida nos impõe desde que abrimos os olhos para ela.

 

      Vamos raciocinar como manda a doutrina. Qualquer ponto que o amigo estranhe ou que esteja confuso, por favor, me informe para que o torne mais claro. Vamos lá: como se formam os pensamentos? Já existem, desde sempre, em nós? Formam-se em nossa mente, espontaneamente, sem motivo? Por nossa vontade? Nós escolhemos os pensamentos que queremos ter, que temos? Fomos nós que escolhemos os pensamentos que neste exato instante povoam nossa mente? Nós mesmos fazemos que nasçam, ou surjam, em nossa cabeça esses pensamentos que temos, que, de repente, sem que os esperemos, surgem e que, mesmo a favor ou contra nossa vontade, permanecem ou vão-se embora, nos perturbam ou nos inspiram, que nos fazem tristes ou alegres, pensamentos de todas as espécies, bons ou maus; puros ou indecentes; de agir de modo solidário ou egoísta,  humilde ou orgulhoso; afinal, qualquer pensamento que seja relativo a qualquer virtude ou a qualquer defeito moral, ou a qualquer coisa que seja? Somos nós que os fazemos?

 

     Os pensamentos têm origem, "nunca "em nós, mas em algo que está fora ou além de nós (além de nós, espíritos; não além de nós, corpo material), em nosso exterior, pois em vibrações de ações ou eventos produzidos fora de nós, exteriormente a nós.

 

      Essas ações/vibrações, que, portanto, não dependem de nós, mas da vida exterior (de formas, imagens, luzes e sombras; de um ruído, um perfume, de um sabor, de uma textura macia ou áspera de uma superfície que tocamos, de uma ação boa ou a má que presenciamos ou recordamos, de palavras que estamos ouvindo ou lendo etc etc), são captadas por nossos canais de ligação com o mundo, os sentidos objetivos (luz/sombra, sons, odores, sabores, sensações táteis etc), ou além dos sentidos para aqueles que possuem sensibilidades mais apuradas, os paranormais.

 

      Essas vibrações, provenientes das ações, ou eventos exteriores, são, pelo nosso sistema neurológico, encaminhadas ao cérebro, que as interpreta (ações exteriores dão lugar a reações interiores; ação = evento exterior; reação = interpretação ou elaboração do processo interior, que dará nascimento ao pensamento como o percebemos); associando-os ou não (associação de ideias) com o que já está arquivado em nossa memória (resultante de idêntico processo anterior), dão origem ao pensamento; este leva ao desejo de possuir, ou não possuir, ser ou não ser, sentir ou não sentir, aproximar-se ou afastar-se daquele evento (ou coisa, objeto etc), ou de eventos semelhantes àqueles percebidos pelos sentidos.

 

      Desse desejo, mais intenso ou menos intenso, nasce a vontade, também, e consequentemente, mais intensa ou menos intensa, de concretizá-lo, isto é, desejo de ter, ser, sentir ou de não ter, não ser, não sentir aquilo que, elaborado através dessas ações e reações, fez nascer o pensamento; da vontade nasce a decisão de ter, ser, sentir, possuir, se aproximar, ou a decisão oposta de não possuir, não ser, não sentir, fugir, e, da vontade, a decisão correspondente que nada mais é que a escolha que, então erradamente, acreditamos e afirmamos que é nossa.

 

      Resumindo: esse processo tem a seguinte sequencia: vibrações de ações exteriores -> captadas pelos sentidos objetivos-> são levadas pelo sistema neurológico ao cérebro-> ai interpretadas e associadas, ou não, com o que já existe na memória-> formam pensamentos-> que dão lugar aos desejos -> que dão lugar à vontade-> que dá lugar à decisão-> que dá lugar à escolha.

 

      Assim, por essa linha de raciocínio e pesquisas, nem pensamentos, nem sentimentos, nem desejos, nem vontades, nem decisões e consequentemente, nem as escolhas, são verdadeiramente nossos.

 

      Assim, Paulo disse, entre outras coisas que se relacionam com este assunto: “É o Sr que opera em nós o pensar, o desejar e o obrar”. E, ainda: “como se tivésseis algum pensamento como se fosse de vós mesmos, pois todos os pensamentos vêm de Deus!”. E mais, para que não estranhemos que sofremos mesmo que as más obras não sejam nossas, pois q não derivam de pensamentos verdadeiramente nossos, Paulo disse: “Não é por vossas obras que sereis salvos, mas pela graça de Deus...!” (Há mais argumentos a respeito).

 

      Como disse acima, Jesus mesmo fez ver a mesma coisa qdo ensinou que as escolhas não nossas ao dizer: “ninguém vem a mim, se o pai que me enviou não o mandar a mim!”, isto é, nem para seguir ou não seguir os ensinamentos de Jesus, a escolha é nossa.  

 

      Me perdoe se ficou meio confuso; por favor, aponte onde não ficou claro para q procuremos tornar mais clara esta explicação.

     

..............

Responder à discussão

RSS

ASSOCIE-SE E COLABORE

Últimas atividades

Ícone do perfilMurilo, Sílvia Barbosa Carneiro, Jurema Serra Pereira e mais 3 pessoas entraram em REDE AMIGO ESPÍRITA
17 minutos atrás
Ícone do perfil via Twitter
II Encontro Fraternidade sem Fronteiras: https://t.co/qaadd6JJRe via @YouTube
Twitter38 minutos atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
II Encontro Fraternidade sem Fronteiras: https://t.co/mChMZqOawP via @YouTube
Twitter44 minutos atrás · Responder · Retweet
Antônio Campos Vieira e Carlos Pretti - SCEE agora são amigos
1 hora atrás
Ícone do perfil via Twitter
Comecei uma transmissão ao vivo em @YouTube: https://t.co/OKudCuZt4x
Twitter1 hora atrás · Responder · Retweet
Luiz Claudio Cunha Souza curtiram o evento “Política e Espiritismo”, com Fábio Ribeiro Pires de Carlos Pretti - SCEE
1 hora atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Elizete Lima Morgado
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Onofre Rosa Alexandre
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Jaqueline Marques
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Maria de Fátima Lançanova Machad
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Waldehir Bezerra de Almeida
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Regina Máris
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Letícia Paredes Subtil
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Marla Sakamoto
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Wilson
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de WILSON GLADSTON LUIZ DE FRANÇA
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de DAVIDR REIMER
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Márcio Rodrigues Godinho Neto
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de jarbas domingues do amaral
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Verusca Becker Merten
4 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2018   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço