Reflexões para o trabalhador espírita.

Sds fraternas

Beto Costa FEEAKMINAS

1 O Evangelho e o Futuro

“O Evangelho e o Futuro”

 

“O Céu e a Terra passarão, mas as minhas palavras não passarão.

(Mateus, 24:35)

 

 

“As palavras de Jesus não passarão, porque serão verdadeiras em todos os tempos. Será eterno o seu código de moral, porque consagra as condições do bem que conduz o homem ao seu destino eterno. Mas, terão as suas palavras chegado até nós puras de toda ganga e de falsas interpretações? Apreenderam-lhes o espirito todas as seitas cristãs? Nenhuma as terá desviado do verdadeiro sentido, em conseqüência dos preconceitos e da ignorância das leis da Natureza? Nenhuma as transformou em instrumento de dominação para servir às suas ambições e aos seus interesses materiais, em degrau, não para se elevar ao céu, mas para elevar-se na Terra? Terão todas adotado como regra de proceder a prática das virtudes, prática da qual fez Jesus condição expressa de salvação? Estarão todas isentas das apóstrofes que ele dirigiu aos fariseus de seu tempo? Todas, finalmente, serão, assim em teoria, como na prática, expressão pura da sua doutrina?

Sendo uma só, e única, a Verdade não pode achar-se contida em afirmações contrárias e Jesus não pretendeu imprimir duplo sentido às suas palavras. Se, pois, as diferentes seitas se contradizem; se umas consideram verdadeiro o que outras condenam como heresias, impossível é que todas estejam com a verdade. Se todas houverem apreendido o sentido verdadeiro do ensino evangélico, todas se teriam encontrado no mesmo terreno e não existiriam seitas.

O que não passará é o verdadeiro sentido das palavras de Jesus; o que passará é o que os homens construíram sobre o sentido falso que deram a essas mesmas palavras.

Tendo por missão transmitir aos homens o pensamento de Deus, somente a sua doutrina, em toda a pureza, pode exprimir este pensamento. Por isso foi que Ele disse: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada.”

(Allan Kardec, A Gênese, cap. XXVII, item 26)

 

“Raças e povos ainda existem que o (Jesus) desconhecem, porém, não ignoram a lei de amor da sua doutrina, porque todos os homens receberam, nas mais remotas plagas do orbe, as irradiações do seu espirito misericordioso, através das palavras inspiradas dos seus mensageiros.

O Evangelho do Divino Mestre ainda encontrará, por algum tempo, a resistência das trevas. A má-fé, a ignorância, a simonia, o império da força conspirarão contra Ele, mas tempo virá em que a sua ascendência será reconhecida. Nos dias de flagelo e de provações coletivas, é para a sua luz eterna que a humanidade se voltará, tomada de esperança. Então, novamente se ouvirão as palavras benditas do Sermão da Montanha, e através das planícies, dos montes e dos vales, o homem conhecerá o caminho, a verdade e a vida.”

 

(Emmanuel, Francisco Cândido Xavier, "Emmanuel", cap. II, O Evangelho e o Futuro).

 

O Espiritismo não cria a renovação social; a madureza da Humanidade é que fará desta renovação uma necessidade. Pelo seu poder moralizador, por suas tendência progressistas, pela amplitude de suas vistas, pela generalidade das questões que abrange, o Espiritismo é mais apto, do que qualquer outra doutrina, a secundar o movimento de regeneração; por isso, é ele contemporâneo desse movimento. Surgiu na hora em que podia ser de utilidade, visto que também para ele os tempos são chegados. Se viera mais cedo, teria esbarrado em obstáculos insuperáveis; houvera inevitavelmente sucumbido, porque, satisfeitos com o que tinham, os homens ainda não sentiriam falta do que lhes traz. Hoje, nascido com as idéias que fermentam, encontra preparado o terreno para recebê-lo. Os espíritos cansados da dúvida e da incerteza, horrorizados com o abismo que se lhes abre à frente, o acolhem como âncora de salvação e consolação suprema.”

 

(Allan Kardec, A Gênese, cap. XXVIII, item 25)

2.   o Verdadeiro Espírita

 

a) Os Bons Espíritas

 

“Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.”

 

(Allan Kardec, Evangelho Segundo o Espiritismo, Sede Perfeitos, cap. 17, item 4)

 

 

b) O Homem de Bem

 

“O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem.

Deposita fé em Deus, na Sua vontade, na Sua justiça e na Sua sabedoria. Sabe que sem a Sua permissão nada acontece e se lhe submete à vontade em todas as coisas.

Tem fé no futuro. Razão porque coloca os bens espirituais acima dos bens temporais.

Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar.

Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribuí o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça.

Encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. Seu primeiro impulso é para pensar nos outros, antes de pensar em si, é para cuidar dos interesse dos outros antes do seu próprio interesse. O egoísta, ao contrário, calcula os proventos e as perdas decorrentes de toda a ação generosa.

O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus.

Respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam.

Em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade, tendo como certo que aquele que prejudica a outrem com palavras malévolas, que fere com o seu orgulho e o seu desprezo a suscetibilidade de alguém, que não recua à idéia de causar um sofrimento, uma contrariedade, ainda que ligeira, quando a pode evitar, falta ao dever de amar o próximo e não merece a clemência do Senhor.

Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de Jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado.

É indulgente para as fraquezas alheias, porque sabe que também necessita de indulgência e tem presente esta sentença do Cristo: “Atire-lhe a primeira pedra aquele que se achar sem pecado.”

Nunca se compraz em rebuscar os defeitos alheios, nem ainda em evidenciá-lo. Se a isso se vê obrigado, procura sempre o bem que possa atenuar o mal.

Estuda suas próprias imperfeições e trabalha incessantemente em combatê-las. Todos os esforços emprega para poder dizer, no dia seguinte, que alguma coisa traz em si de melhor do que na véspera.

Não procura dar valor ao seu espirito, nem aos seus talentos, a expensas de outrem; aproveita, ao revés, todas as ocasiões para fazer ressaltar o que seja proveitoso aos outros.

Não se envaidece da sua riqueza, nem de suas vantagens pessoais, por saber que tudo o que lhe foi dado pode ser-lhe tirado.

Usa, mas não abusa dos bens que lhe são concedidos, porque sabe que é um depósito de que terá de prestar contas e que o mais prejudicial emprego que lhe pode dar é o de aplica-lo à satisfação de suas paixões.

Se a ordem social colocou sobre seu mando outros homens, trata-os com bondade e benevolência, porque são seus iguais perante Deus; usa da sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com o seu orgulho. Evita tudo quanto lhes possa tornar mais penosa a posição subalterna em que se encontram.

O subordinado, de sua parte, compreende os deveres da posição que ocupa e se empenha em cumpri-los conscienciosamente. (Cap. XVII, n-09)

Finalmente, o homem de bem respeita todos os direitos que aos seus semelhantes dão as leis da Natureza, como quer que sejam respeitados os seus.

Não ficam assim enumeradas todas as qualidades que distinguem o homem de bem; mas aquele que se esforce por possuir as que acabamos de mencionar, no caminho se acha que a todas as demais conduz.”

 

(Allan Kardec, Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVII, item 3)

Exibições: 1624

Respostas a este tópico

o espirita verdadeiro e aquele que tem a certeza que nada sabe mas se esforça para adquirir conhecimentos atraves do estudo constante das  leis divina e procura praticar no seu dia dia, o perdão , a benevolencia,e o mais importante de todos o amor ão proximo pois tem a certeza que necessita de ser amado tanto quanto os outros,faz o bem pelo bem sem esperar nada em troca, comete erros sim mas segue em frente pois sabe que tudo e passageiro e logo voltara para casa de onde saiu para estudar e levara consigo tudo que aprendeu que nosso divino mestre possa estar não só na mente mas no coração de todos ai sim seremos homem de bem . abraços

É só seguir a receita.

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Por que apenas em setembro?

Por que apenas em setembro? 

 

O tema suicídio sempre me chamou atenção, tanto que, no ano de 2011, junto com dois amigos…

Últimas atividades

Elciene Maria Tigre Galindo está participando do evento de Carlos Pretti - SCEE
Miniatura

“Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa em Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas

17 novembro 2019 de 9 a 10:15
Palestra no próximo domingo 17 de novembro de 2019, de 09 às 10h. da manhã na Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas, com a presença do médium e expositor espírita Anderson Costa de Itabatã distrito da cidade de Mucuri-BA, com o tema “Razão e Sensibilidade”. Anderson é natural de Londrina-PR. Ele é bacharel em Ciências Contábeis, espírita desde 1990 e é trabalhador do…Ver mais...
10 horas atrás
Elciene Maria Tigre Galindo curtiram o evento “Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Posts no blog por os pae

Estranhas miscelâneas nos ambientes espíritas (Jorge Hessen)

Jorge Hessenjorgehessen@gmail.comBrasília-DF Com a evolução do pensamento filosófico da Doutrina nos tornamos mais capazes nas análises críticas do movimento espírita,  sem comprometer a pedra angular do edifício kardeciano, representada pelas Obras Básicas, mas poucos leem Kardec. O assunto é recorrente. Infelizmente, como sói…Ver mais...
15 horas atrás
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog O Arrependimento se dá em Vida ou Depois da Morte? de PATRIZIA GARDONA
17 horas atrás
Conceição Valadares curtiram o evento “Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa de Carlos Pretti - SCEE
20 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o evento “Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa de Carlos Pretti - SCEE
ontem
Carla Porto Fabres curtiram a discussão Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich de Amigo Espírita
ontem
Carla Porto Fabres comentou a postagem no blog Talismãs e Amuletos, e o que kardec diz sobre a força desses objetos? de PATRIZIA GARDONA
"Belo texto!!! apenas uma pequena correção, o mês de publicação desta matéria na Revista Espírita é setembro de 1858, e não novembro como consta no texto acima! "Dentre as muitas…"
ontem
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA
ontem
Carlos Pretti - SCEE postou um evento
Miniatura

“Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa em Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas

17 novembro 2019 de 9 a 10:15
Palestra no próximo domingo 17 de novembro de 2019, de 09 às 10h. da manhã na Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas, com a presença do médium e expositor espírita Anderson Costa de Itabatã distrito da cidade de Mucuri-BA, com o tema “Razão e Sensibilidade”. Anderson é natural de Londrina-PR. Ele é bacharel em Ciências Contábeis, espírita desde 1990 e é trabalhador do…Ver mais...
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Ante a Calúnia de PATRIZIA GARDONA
ontem
Marcelo Dovigues e Carlos Pretti - SCEE agora são amigos
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Diga-me como Você se Exibe e Eu lhe Direi Qual é o seu Vazio de PATRIZIA GARDONA
quarta-feira
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog É uma Tolice aguardar a Dor Cobrar a Conta que o Amor pode Pagar. de PATRIZIA GARDONA
quarta-feira
Raul Barroquelo respondeu à discussão Kardec sofre... de Wellington Balbo no grupo Artigos Espíritas
"        "EU SOU O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA, NINGUÉM VAI AO PAI SENÃO POR MIM" - João, 14:6. É fundamental a afirmação de Jesus, a qual foi anotada por João no seu…"
terça-feira
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA
terça-feira
Joao Iudes Nodari curtiram a discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
terça-feira
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Escultores de Almas – Iniciação Mediúnica de PATRIZIA GARDONA
terça-feira
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog O INFERNO E OS DEMÔNIOS - Esclarecimentos por Léon Denis de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
terça-feira
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog O Futuro (somente) a Deus Pertence? de PATRIZIA GARDONA
terça-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço