A Questão das Esmolas 

Guaraci de Lima Silveira

  

                        Sempre que caminhamos pelas ruas em busca dos nossos afazeres, um quadro se apresenta: a mendicância. São irmãos que ali se encontram em grande desterro espiritual suplicando caridade. É comum levarmos as mãos aos bolsos ou bolsas, tirarmos uma cédula ou moeda de pequeno valor e depositar naquelas mãos um mínimo que, quem sabe, pode ajudá-los em mais um momento de suas existências. Assim, os dias se sucedem e, comumente aqueles irmãos e irmãs são encontrados nas mesmas ruas, esquinas, praças... Muitas vezes crianças maltrapilhas, mal cuidadas e expostas a todos os tipos de perigos.  E isto vale reflexões.

                        Inicialmente devemos olhá-los como se olha para irmãos em processo evolutivo, temporariamente vivendo aquele tipo de experiência. Certa feita um amigo me disse que decidiu sair à noite e ofertar aos moradores de rua fatias de pães e bolos acompanhados de chocolate ou suco. Numa das abordagens a um senhor que tentava conciliar o sono, foi recebido de forma calorosa. Aquele homem somente aceitaria a ajuda se antes dessem as mãos e fizessem juntos uma prece de agradecimento. Foi um momento sublime, disse meu amigo. A história daquele senhor o emocionou. Foi abandonado pelos filhos, despojado dos seus bens e tido como pessoa não grata ao convívio familiar no qual vivia.

                        Evidente que não cabe aqui um estudo sobre aquele caso em particular e sim uma olhada mais demorada em todos os casos que existem em cada pessoa que encontramos de mãos estendidas quando passamos pelas vias urbanas. Contudo, podemos ainda pensar nas opções que aqueles irmãos tiveram ou sustentam. E perguntamos: não seria melhor que eles procurassem ocupações que garantissem suas sobrevivências melhorando seus status sociais? Esta é a questão mais emblemática que se apresenta para os sociólogos e pessoas ligadas a este tipo de assunto e assistência.

                        Comumente as prefeituras buscam criar órgãos de apoio e encaminhamento aos moradores de rua. O problema é que nem sempre eles aceitam e costumam fugir dos abrigos alegando não suportarem as regras que ali são expostas. Os agentes municipais encarregados deste trabalho sentem-se impotentes e, intimamente querem uma solução, pois vêem naqueles irmãos uma carência muito mais afetiva que mesmo física. E eles são espíritos reencarnados com todo o potencial de chegarem à perfeição como asseverou Jesus. São luzes que necessitam brilhar para indicar-lhes caminhos novos. Então ficamos sem saber se devemos ou não dar-lhes esmolas, migalhas que pouco vão ajudar ou até mesmo sustentar suas vivências naquele estado de coisa. O que fazer então?

                        Allan Kardec, na questão 888 de “O Livro dos Espíritos” pergunta: “O que pensar da esmola”? A resposta é “O homem reduzido a pedir esmolas degrada-se moral e fisicamente: ele se embrutece. Numa sociedade baseada na lei de Deus e na justiça, deve-se prover a vida do fraco, sem que ele seja humilhado. A sociedade deve garantir a existência dos que não podem trabalhar, sem deixar sua vida à mercê da sorte e da boa vontade de alguns”. Concluímos assim que é dever da sociedade ajudar àquelas pessoas para que suas vidas se tornem menos penosas. Ora, segundo Joanna de Angelis, faz tempo que estamos no degrau humano. Aproximadamente quinhentos mil anos. Então aquelas pessoas que caminham à margem da sociedade também estão inclusas nesse tempo e cheias de arquivos mnemônicos adquiridos através de experiências transatas e nas quais, com certeza, não foram mendigos. Como também não são mendigos, estão mendigos.

                        Esta forma de pensar já nos aproxima um pouco mais daquelas almas, presentemente em desalinho. Vi, certa vez, uma senhora com quatro filhos, estender suas mãos súplices a uma jovem de aproximados treze anos que voltava da aula para casa, vestida regiamente, demonstrando não ter qualquer dificuldade financeira em seu núcleo familiar. Naquele momento, contudo, a jovenzinha não possuía nenhuma moeda. Havia gasto na escola com a merenda. Então aquela menina de olhos de luz, parou seu caminhar, olhou para aquela senhora e as crianças e deu um sorriso largo, pleno, enriquecedor. Aquela pobre mãe entendeu o valor daquele sorriso e também sorriu e ambas pintaram uma aquarela digna das galerias dos imortais. Conclui naquele instante que a moeda ali era o amor, a complacência, o querer bem.  Não eram mendigos ou não mendigos do corpo, eram almas que, quem sabe, por um instante se reencontraram e se reconheceram.

                        Na questão 888.a – Allan Kardec pergunta a São Vicente de Paula se ele condenava a esmola. A resposta daquele asceta foi que: “não é a esmola que é condenável, mas a maneira como quase sempre é praticada. O homem de bem, que compreende a caridade segundo Jesus, vai ao encontro do infeliz, sem esperar que ele lhe estenda as mãos”.

                         Conheci uma senhora que toda manhã ia ao encontro dos infelizes que dormiam na praça e ofertava-lhes pão com manteiga e café com leite. Aquelas criaturas sorriam agradecidas, muitas vezes sorrisos distorcidos por peles ressecadas, olhares turvos, dentes faltantes ou amarelecidos por falta de cuidados. Contudo, sorriam e falavam uma daquelas palavrinhas mágicas que ensinamos nossas crianças: muito obrigado!

                        “Portanto, sede caridosos, mas não somente praticando a caridade que vos leva a tirar do bolso a moedinha que lançais friamente a quem ousa pedir – ide ao encontro das misérias ocultas. Sede indulgentes com os defeitos dos vossos semelhantes. Em vez de menosprezar a ignorância e o vício, instruí e moralizai. Sede gentis e benevolentes para todos os que vos são inferiores, agindo da mesma forma em relação aos seres mais ínfimos da Criação - então tereis obedecido à lei de Deus”. Este é o fecho da resposta de São Vicente de Paulo a Kardec na citada questão 888. a de “O Livro dos Espíritos”.

                        Vivemos em sociedade. É necessário que seja assim. Que sejamos, pois, solidários uns com os outros. Há mendigos do corpo e do espírito, porém são eles irmãos a caminho conosco para a grande chegada, antecedida por uma estrada longa, pontilhada de aprendizados e propostas às práticas das virtudes; essenciais aos nossos crescimentos como espíritos imortais que todos somos.

 

Guaaraci de Lima Silveira  

é membro da Rede Amigo Espírita,  natural de Oliveira Fortes, estado de Minas Gerais e radicado em Juiz de Fora, também Minas,  desde 1966. É escritor, poeta, autor de peças teatrais espíritas, infantis e empresariais.

Fundador de um grupo de teatro educativo - Art-Vida, é autor de dos livros:

e-mail:  glimasil@hotmail.com

Exibições: 1554

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Últimas atividades

Amilton Gomes de Souza e ISA SOARES agora são amigos
ontem
ISA SOARES entrou no grupo de Ari Carrasco Silveira
Miniatura

Reforma Intima

"CONHECE-TE A TI MESMO"Textos de reflexão para a reforma íntimaVer mais...
domingo
ISA SOARES entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Mensagens de Reflexão

Mensagens, frases e pensamentos para reflexão iluminando nossas vidas.
domingo
ISA SOARES entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Espiritismo e Evangelho

Grupo destinado a estudos do Evangelho a Luz da Doutrina EspíritaVer mais...
domingo
Ori Pombal Franco curtiram o evento Votação para escolha do Projeto Médicos do Bem no Prêmio Euro de Marcílio Dias Henriques
sexta-feira
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog Amor antigo - Alma afim. de Nilton Cardoso
sexta-feira
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"DEPOIS DA MORTE Em 1965, Yvonne Pereira diz que “o Evangelho é imortal, uma vez que sempre existirão cérebros e corações necessitados de renovação." Ela fala também sobre “uma…"
7 Jul
Mauro Araújo Matoso de Lima curtiu a postagem no blog Angústias De Um Dirigente Espírita de PATRIZIA GARDONA
6 Jul
Mauro Araújo Matoso de Lima curtiu a postagem no blog Angústias De Um Dirigente Espírita de PATRIZIA GARDONA
6 Jul
Helena Padilha de Meneses curtiram o perfil de Helena Padilha de Meneses
6 Jul
Ícone do perfilNilton Cardoso deu um presente para José Ricardo Fernandes
4 Jul

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço