Conviver com os diferentes é moleza, quero ver com os iguais...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Vivemos em uma época em que a aceitação pelo diferente é muito difundida. Campanhas contra o preconceito ganham espaço e com justiça tenta-se estabelecer a relação de igualdade entre os seres humanos.

Se fizermos uma viagem que nem precisa ser muito longa, mas que nos desembarca no século XIX constataremos como as coisas no quesito igualdade avançaram.

Poderia ficar aqui horas falando sobre a ditadura masculina, por exemplo, mas citarei apenas um caso.

A mulher naquela época, século XIX, tinha de ser virgem, caso contrário era devolvida à família como uma mercadoria.

Para constatar a virgindade olhava-se o lençol da noite nupcial, caso manchado de sangue, tudo tranqüilo e favorável, caso o sangue não viesse bem provável a moça não ser mais virgem e, portanto, desonrada, logo seria devolvida à família.

As mães, preocupadas com o destino das filhas usavam esperta artimanha: faziam bexiga com tripa de boi, bem fina, enchiam com sangue de pombo e introduziam na vagina da moça. Quando o rapaz iniciasse o ato sexual a bexiga naturalmente estouraria e o sangue daria seu recado:

ELA É VIRGEM!

Pronto, tudo resolvido e o rapaz, orgulhoso, poderia mostrar a marca de sangue de sua agora esposa a dizer que ele havia sido, realmente, o primeiro homem.

Santa bobagem!

Mas essa prosa foi apenas para mostrar o quanto éramos intransigentes e ignorantes a levar uma vida repleta de preconceitos.

Engraçado que no mesmo século XIX o Espiritismo mostrava que homens e mulheres são seres em evolução, e que o fato de estar homem ou mulher em nada aumentava ou diminuía os direitos e deveres, sendo, pois, igual para ambos.

Demorou um pouco para que se começasse a assimilar, mesmo que timidamente, essa idéia de igualdade entre as partes.

No início tudo dói, dó muito mudar, mas depois a gente acostuma. Percebe que não tem jeito, que a evolução é inexorável e não resta saída a não ser a de aceitar que o diferente também ocupe o seu espaço.

Pois bem, como dizia antes, o diferente neste início de século XXI vem ganhando algum destaque. Mas não é bem do diferente que quero falar, porque com diferente é até moleza de lidar.

Como assim???? Você indagará.

Sim, é isso mesmo, moleza lidar com o diferente.

O problema é compreender o semelhante.

Os grandes entraves ocorrem não com os diferentes, mas, sim, com os semelhantes, que agem de forma semelhante.

Por que brigas acontecem?

Porque ninguém sabe ceder, um fala alto, o outro mais alto ainda, o primeiro revida e por ai vai...

São iguais, ou melhor, semelhantes, embora com pontos de vista contrários, opostos, são iguais nas atitudes de incompreensão.

E iguais na falta de educação vão, não raro, as vias de fato.

Por isso que muitas amizades desfazem-se, muitas relações vão à pique, muitos amores naufragam...

É que as pessoas são iguais, agem apaixonadamente para defender seu ponto de vista e, claro, local onde a paixão excede a coisa não fica boa...

Dizem os Espíritos que a paixão deve ser dominada, pois se nos deixarmos dominar por ela causaremos prejuízos a nós e aos outros.

Por isso que disse ser moleza entender e conviver com o diferente, por conta da paixão que deixamos nos dominar.

Dois apaixonados não se beijam... Ops... dois bicudos não se beijam, não é mesmo?

Então...

Por isso que estar com o diferente é mais tranqüilo do que com o semelhante...

Enquanto ele está calmo você fica nervoso...

Quando ele se aborrece você entende...

No dia em que ele quer falar você está disposto a ouvir e vice versa...

O problema de nosso mundo não são os diferentes, mas os iguais, os semelhantes, os que se equivalem...

Por isso que quando encontro alguém que é meu oposto suspiro aliviado! Ah, que bom, ela não é igual a mim...

Entretanto, o progresso é lei da vida, dia chegará em que com os semelhantes ou não semelhantes usaremos sempre a educação e o respeito.

Pensemos nisto.

 

 

Wellington Balbo (Salvador – SP) é membro da Rede Amigo Espírita

Wellington Balbo é professor universitário, escritor e palestrante espírita, Bacharel em Administração de Empresas e licenciado em Matemática. É autor do livro "Lições da História Humana", síntese biográfica de vultos da História, à luz do pensamento espírita.  

wellington_balbo@hotmail.com

Blog: http://wellingtonbalbo.blogspot.com/

 

 

Exibições: 1452

Respostas a este tópico

Pensar, pensar,pensar ...

E porq será que é tão difícil conviver com os semelhantes, sejam eles iguais ou diferentes? Porq teria Deus criado tão cheia de dificuldades essa convivência?

Mas precisamos conviver com os diferentes para aprendermos uns com os outros. E precisamos conviver com os iguais para ver no outro o seu espelho e tentar mudar ou permanecer como o outro. Por isto que, um casamento pode durar a vida toda, mas estamos sempre trocando de amigos. Eu já troquei tres vezes de casa espirita. E que bom, pois a que estou agora é que fui conhecer a beleza de outras religiões e observar nos meus "iguais" a insensatez de se acharem os senhores de toda a verdade. Estou em uma casa não federada e recebo palestrantes de casas federadas e não federadas. Agora! Já não sei mais quem são os meus iguais.  

Tu és uma figura Luis rsrsrs Não tinha lido a tua resposta. Mas eu acho que eu encontrei a resposta para a minha duvida: Já não sei mais quem são os meus iguais rsrsrs Como vou saber não é mesmo? Se estamos evoluindo e descobrindo novas maneiras de fazer melhor.  

luis conforti junior disse:

E porq será que é tão difícil conviver com os semelhantes, sejam eles iguais ou diferentes? Porq teria Deus criado tão cheia de dificuldades essa convivência?

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Últimas atividades

Margarida Maria Madruga e francisco carvalho da Silva agora são amigos
4 horas atrás
Margarida Maria Madruga comentou o evento “Força Espiritual”, com Eliomar Borgo Cypriano de Carlos Pretti - SCEE
"Obrigada pelo convite."
4 horas atrás
Margarida Maria Madruga respondeu à discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo no grupo Artigos Espíritas
"Que assim seja, Wellington. Obrigada."
4 horas atrás
Nath Story Reis curtiu a postagem no blog PALAVRA "CRISE" - BEZERRA DE MENEZES de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
14 horas atrás
Amauri A. L. Silva curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
ontem
Ícone do perfilJosé Leonil Marques da Silva, André Goes e Alexandre Guilherme Martins Soar entraram no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Artigos Espíritas

Grupo destinado a divulgação de ARTIGOS da DOUTRINA ESPÍRITA através dos nossos articulistas. Não são aceitas postagens de trechos de livros e outros textos.."Material postado nessa pagina tem autorização de seus autores para publicação na REDE AMIGO ESPÍRITA, a reprodução total ou parcial dos dados aqui publicados em outros veículos de mídia podem ser interpretados como violação de direitos autorais, e seus autores agirem conforme informa a lei"Ver mais...
ontem
José Leonil Marques da Silva respondeu à discussão Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich de Amigo Espírita no grupo Artigos Espíritas
"Excelente o artigo da culta Simoni Privato Goidanich. Porém, peço licença para acrescentar que, posteriormente, AK reconheceu ser médium intuitivo em nota ao artigo "Caracteres da Revelação…"
ontem
José Leonil Marques da Silva curtiram a discussão Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich de Amigo Espírita
ontem
Elciene Maria Tigre Galindo curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira
Maria Isabel Januário curtiram o evento Músicas de Paz de EvandroOlivah
quinta-feira
Ori Pombal Franco curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira
Ícone do perfilCassia Garcia, Décio Luiz Rosa Eugênio, Wendell Fridman de Vasconcelos e mais 13 pessoas entraram em RAE
quinta-feira
Valéria curtiram o perfil de Valéria
quinta-feira
Valéria curtiram o perfil de Maristela Santos
quinta-feira
Valéria curtiram o perfil de Maristela Santos
quinta-feira
Rafaela Bernardelli Penna curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira
Rafaela Bernardelli Penna curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira
José Leonil Marques da Silva curtiu a postagem no blog AURA E CLARIVIDÊNCIA de Suely dos Anjos
quinta-feira
Sylia Rehder curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira
Rosangela Silva curtiram a discussão Por que nos sentimos mal em determinados ambientes? de Wellington Balbo
quinta-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço