REDE AMIGO ESPÍRITA

Divulgando, Instruindo e Unificando!!!

A mídia tem nos mostrado com frequência a violência que vivenciamos, e o estupro tem se tornado cada vez mais noticiado, onde além de abranger contextos  complexos como estupro de menor  que envolve pedófilos, ou estupro de incapaz, também tem o estupro onde variam as vitimas  em suas idades e  sexo ou estupradores de diversas idades  e sexo, e hoje o “estupro coletivo”[1] tem se destacado.

Esse artigo não tem com intuito esclarecer os motivos do ato, a complexidade de cada  individuo seja ele a vitima ou o algoz nos levam a caminhos sempre com pertinência  em histórias do passado com reincidências no presente que por fim complicam seu futuro.

Como espirita a afirmativa “nada ocorre por acaso” nos dá uma visão mais passiva e objetiva do que ocorre dentre tantas ações violentas que nos cercam.

Poderíamos adentrar aos pensamentos que a vitima ou o algoz emitem e atraem para si os obsessores, e nesse prisma e enfocado a mídia que hoje propaga inversões de valores formando na mente dos espectadores uma psicoesfera[2] que pode (e vai) atrair seus afins. Para exemplificar esse enfoque citamos da obra “Psicologia e Espiritualidade”[i] do psicólogo espírita Adenauer de Novais :

“Os valores sociais, fortalecidos pela mídia que propagandeia a vulgaridade, tornam o uso da sexualidade quase como uma obrigação a que todos têm que se submeter.

Não há qualquer preocupação com idade, nível evolutivo, momento de vida, pois têm que usá-la a qualquer preço. A compulsão para o uso passa a ser moda, e motivo  de preocupação para quem não tenha a libido à flor da pele, pois se sentirá diferente dos demais.[...] O modismo e os exageros na sexualidade promovem o festival de fetiches ou artefatos para promover o prazer a  qualquer custo, sem a preocupação quanto às interferências no psiquismo do próprio indivíduo.  O fetiche, enquanto instrumento de ampliação do prazer, passa a se tornar, com o tempo,  imprescindível e determinante para que se alcance a liberação do desejo compulsivo, até que, mais tarde se torne também indispensável, levando o indivíduo a novas e cada vez mais alucinantes aventuras.”( NOVAES, Cap. Sexualidade, p. 149.1999 ).

 

 

Porém... Atribuir somente à mídia culpa no incentivo a cultura do estupro seria uma hipocrisia de nossa parte, pois sabemos que embora tenha participação fundamental na implementação diversas (des)informações  em nossas mentes, alterando os valores e indiretamente nos entregando a obsessores, devemos levar em conta que somos reencarnantes, e que temos em nossos perispíritos[3] cicatrizes ainda latentes das ultimas encarnações.

Muitos estudiosos sobre estupro partem de um principio “social”, destacamos nesse contexto os autores  Thornhill e Palmer[4] que lançaram seu livro: "Uma História Natural do Estupro" que defendem  que o estupro pode ser considerado intrínseco ao comportamento humano. Não que isso seja algo aceitável ou que atenue o comportamento, ressaltam. Os autores partem de uma premissa básica: o estupro pode resultar em gravidez. Sendo assim, nas origens da humanidade a agressão pode ter servido como estratégia masculina para a reprodução. Adentrando a esse campo, perceberemos que o estupro sempre esteve presente na cultura humana, ao falarmos, por exemplo, dos “Homens das cavernas”[5] uma das  coisas que mais lembramos é o ser primitivo batendo na cabeça de uma mulher e a arrastando para a caverna”.

Para autores  Thornhill e Palmer, existem duas possíveis explicações para enquadrar o estupro dentro da teoria da evolução humana de Darwin. A primeira é uma adaptação favorecida pela seleção natural, uma vez que o estupro aumentaria as chances de sucesso reprodutivo com o aumento do número de acasalamentos. Esse comportamento é observado em algumas espécies de animais. A segunda hipótese é que se trate de um subproduto de outras características da sexualidade masculina: o desejo por sexo e por múltiplas parceiras e a capacidade de usar a violência para atingir um objetivo.

Nessa segunda explicação enfocamos que nos embates haviam os “Estupros de guerra” que  são violações cometidas por soldados, ou civis durante conflitos armados ou as Guerras, ou durante a ocupação militar. Ele também abrange as situações em que as mulheres são forçadas a se prostituirem ou escravidão sexual por uma potência ocupante, como no caso das mulheres de conforto japonesas durante a II Guerra Mundial.[6]

Já na década de 90 os chamados “campos de estupros” construídos na Bósnia faziam parte de um movimento para engravidar as mulheres e exterminar os grupos étnicos adversários.

“Em uma noite, quando Anisa tinha 14 anos, ela foi arrastada de sua cama por seis soldados e levada sob a mira de armas a um campo atrás de sua pequena casa. Era 1971, no então Paquistão Oriental (hoje, Bangladesh) e a amarga e sangrenta guerra para a independência seguia em frente. Naquela noite, ela foi estuprada por um bando de soldados que havia acabado de matar seus pais”[7]

Podemos questionar, quando os homens começaram a estuprar em guerras? A resposta é bem deprimente. Todas as evidências da arqueologia e da antropologia indicam que o estupro tenha começado junto com a guerra. Nas estruturas sociais rígidas das primeiras "tribos" da Pré-História, eram os líderes quem mantinham relações sexuais com a maioria das mulheres do grupo. E os jovens de pequenas tribos só podiam procriar quando "conquistavam" fêmeas de outras tribos em batalhas

Sob esse prisma, podemos hipoteticamente concluir que a cultura do  estupro é constituída pela ação da mente sobre o corpo, sua ação é devido a equívocos de pensamentos formados durante centenas de gerações na cultura e sociedade, adicionando a visão reencarnacionista, nossos espíritos encarnaram durante os embates naturais ou de guerras, e violaram ou foram violentados, e trazem em seu períspirito essas marcas, que devem (ou deveriam) se cicatrizar a cada novo encarne,  todavia, as influencias culturais/sociais, principalmente as hoje tão expostas pela mídia,   colocam-nos  a prova  e temos o livre arbítrio de nos afastar ou de reviver  nossos atos do passado.

A Doutrina Espírita ajuda o homem, a ter consciência da sua condição espiritual, e que, portanto fará tudo para evoluir intelectual e moralmente, aprendendo a reavaliar seus conceitos amenizando nossos instintos e colocando um balsamo em nossas “cicatrizes perispirituais”.

 

Sobre essa ótica percebe-se a necessidade de evangelizar os adolescentes e os jovens, esclarecendo da sua condição de espíritos eternos, não como crenças, mas sim como fatos inquestionáveis perante as observações que o mundo nos presenteia, mostrar que o desenvolvimento do “ser” persiste após a morte.

 



[1] Estupro Coletivo :  uando a vítima é estuprada por várias pessoas.

[2] No espiritismo, a capacidade do pensamento em atrair para si ou projetar para outros coisas boas ou ruins tem o nome de “Psicosfera” que vem do grego psyché + sphaîra e quer dizer: 1.Atmosfera psíquica. 2. Campo de radiação do perispírito , que se exterioriza em redor do próprio organismo físico

[3]  Em “O Livro dos Médiuns" Perispírito tem os seguintes conceitos e considerações Item 3 – cap. I – 1ª parte: diz Kardec que, além do corpo (ou envoltório material) o Espírito encarnado tem um segundo envoltório semi-material que o une ao primeiro. Ainda no item 75 – cap. IV – desta segunda parte, o perispírito é definido como um "fluido condensado" e que se prende ao corpo quando encarnado, mas pertence ao Espírito quando liberto.

[4] Biólogo Randy Thornhill e o  antropólogo Craig Palmer, ambos americanos. lançaram, em 2000, o livro A Natural History of Rape ("Uma História Natural do Estupro", sem tradução em português),

[5] O homem das cavernas é um estereótipo baseado nos seres humanos da Pré-história. O termo é usado coloquialmente para se referir ao homem-de-neandertal e tem origem em suposições sobre a associação entre os primeiros seres humanos e as cavernas.

[6] Mulheres de conforto ou mulheres de alívio era o termo  utilizado para designar mulheres forçadas à prostituição e escravidão sexual nos bordéis militares japoneses durante a II Guerra Mundial.

[7] Agora, aos 50 e poucos anos, Anisa é uma das pelo menos 200 mil mulheres bengali que foram estupradas por tropas paquistanesas durante a guerra de independência de Bangladesh.. Fonte :”Estupros em Zona de Guerra” -  http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/06/estupro-em-zonas-de-g....



 

Biografia

 

[i] NOVAES, Adenáuer Marcos Ferraz. Psicologia e Espiritualidade. Ed. Fundação Harmonia; Salvador/BA 1999.

Autor:

 

 

Marcos Paterra (João Pessoa/PB) é membro da Rede Amigo Espírita

é articulista e membro do movimento espírita paraibano,

colaborador de diversos sites e jornais espíritas

marcos.paterra@gmail.com

 

 

Exibições: 171

ASSOCIE-SE E COLABORE

Últimas atividades

nando curtiram o perfil de marco antonio correa
2 horas atrás
stela ramos compartilhou o post do blog de ANA MARIA TEODORO MASSUCI em Facebook
3 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
Adicionei um vídeo a uma playlist @YouTube https://t.co/WTqfON0rf8 Vida é Minha!? - O Evangelho & Nós com Rosangela Pires
Twitter3 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
"CUIDADO COM O NOSSO VEÍCULO (corpo)" A mente invigilante pode instalar doenças no organismo?… https://t.co/sCZuwHdqNQ
Twitter5 horas atrás · Responder · Retweet
Posts no blog por ANA MARIA TEODORO MASSUCI
5 horas atrás
Luís Paulo Sirvinskas compartilhou o vídeo de Dercio Conceicao em Facebook
6 horas atrás
Luís Paulo Sirvinskas curtiu o vídeo de Dercio Conceicao
6 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog GÊMEOS NA ÓTICA ESPÍRITA de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
6 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog HOMEOPATIA AGE NO PERISPÍRITO? de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
6 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog Simpatia e bondade de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
6 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog PERTUBAÇÃO ESPIRITUAL DEPOIS DA MORTE de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
6 horas atrás
Ori Pombal Franco curtiu a postagem no blog Paulo e a ética cristã de Grupo de Est. Esp. Chico Xavier
6 horas atrás
Ícone do perfilRosangela Alves, Clarianne Luiza Santos do Nascim, Danila Grininger e mais 3 pessoas entraram em REDE AMIGO ESPÍRITA
6 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
Comecei uma transmissão ao vivo em @YouTube: https://t.co/csFFFBgXRl
Twitter7 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Comecei uma transmissão ao vivo em @YouTube: https://t.co/aVy0qTBjto
Twitter7 horas atrás · Responder · Retweet
Helena Padilha de Meneses curtiu o vídeo de Feeak Minas
8 horas atrás
Margarida Maria Madruga e SIMONE SILVA agora são amigos
9 horas atrás
Maria Fernanda Franco A.Pessanha curtiu o vídeo de Amigo Espírita
9 horas atrás
Josimar Cordeiro curtiu a postagem no blog Transformação Interior e o Mundo de Regeneração de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
10 horas atrás
Clarianne Luiza Santos do Nascim curtiram o evento "Justiça Divina: perdoa ou condena?", com Anete Guimarães ao vivo pela Rede Amigo Espírita de Carlos Pretti - SCEE
12 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2017   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço