Vaidade ou inveja?

Vladimir Alexei

Belo Horizonte das Minas Gerais,

15 de fevereiro de 2019

 

O movimento espírita brasileiro também tem sido sacudido pelas mudanças e transformações vigentes no mundo. Isso causa dor e alegria. Dor porque o processo de mudança exige adaptação. Alegria porque vislumbram-se novos horizontes.

Ulrich Beck (2016), ousou dizer – e defendeu a sua ousadia –, que não se trata de mudança ou transformação e sim “metamorfose”. Na busca por explicar o processo que se vive na atualidade, o autor alegou “falência” de definições. Se ele tivesse conhecido a doutrina espírita, talvez compreendesse que se trata de um período de “regeneração” com profundos ajustes acontecendo em diversos campos da vida.

A mudança no movimento espírita vem ocorrendo a partir do enfraquecimento de instituições seculares, que antes ditavam o ritmo da divulgação doutrinária e consequentemente dos seus profitentes. A rede mundial de computadores (www.), encurtou distâncias e permitiu a proliferação de pensamentos e sentimentos que demonstram necessidades diferentes daquela estrutura patriarcal estabelecida no campo físico. O exemplo da Igreja Católica é inequívoco: o Papa “saiu” do Vaticano pelas redes sociais e conseguiu arrebanhar mais simpatizantes do que se estivesse apenas em seu trono dourado. Ele apresentou ao mundo um pensamento contemporâneo, sensibilidade e fraternidade, pautados nas diretrizes do Cristo. Aliás, ele foi ousado e demonstrou riqueza de caráter quando trocou o trono de ouro, por uma cadeira de espaldar alto. 

Nas décadas de 1980 e 1990, palestrante espírita conhecido em todo Brasil era o Divaldo Franco. Um ou outro, de forma voluntária e anônima, se deslocava pelo país, sem projeção como ocorreu com Divaldo. Divaldo não chegou a ser o que é, em termos de divulgação, de um dia para o outro. Fez o seu trabalho com uma vida de dedicação. Há quem goste e aqueles que não gostam do trabalho de divulgação realizado por ele. É um direito de cada um pensar diferente. É oportuno dizer, em tempos obtusos, que pensar diferente não significa desrespeitar. Criticar o trabalho não significa diminuir o trabalhador, apenas apresentar outros entendimentos sobre o assunto.  

Nessa linha de divulgação doutrinária, via rede mundial, muitos nomes surgiram com contribuições relevantes para que o pensamento espírita pudesse alcançar corações sofridos e auxiliá-los no processo reeducativo por meio de palestras, seminários e congressos. Os congressos, ditos, “espíritas”, se perderam em pompas e circunstâncias totalmente materialistas, em lugares amplos, para arrebanhar grupos dispostos a pagar e fazer circular moedas entre palestras, atividades e dinâmicas.

Existe, na rede mundial de computadores, trabalhadores espíritas contabilizando quantas palestras e quantas pessoas participaram de suas atividades ao longo de uma vida, como se esse “quantitativo” significasse “progresso espiritual”. Pasmem: existem ainda, canais de vídeo na rede, de espíritas, que aceitam ofertas financeiras, como uma espécie de “leilão”, para que as perguntas dos ouvintes que ofertaram, sejam atendidas pelo expositor. Será que, às custas de um internauta, vale a pena manter uma estrutura “profissional” para se divulgar opiniões pessoais? Porque não são estudos doutrinários e sim, “bate-papos” com “famosos”. São momentos de tietagem, estimulados pela simpatia e educação dos expositores que se prestam a esse papel, de receber dinheiro por causa da estrutura que se montou.

Isso nos remete ao pensamento de Allan Kardec quando proferiu uma “alocução” (discurso curto, pronunciado em solenidades), para os espíritas de Bruxelas e Antuérpia, narrado na Revista Espírita de novembro de 1864. Kardec ao cumprimentar os espíritas daquelas localidades, demonstrou alegria sóbria ao informar que ele teria direito de envaidecer-se pela acolhida daqueles Irmãos, mas ele sabia que aqueles testemunhos “se dirigiam menos ao homem do que à Doutrina, da qual sou humilde representante”.

Onde há humildade nesses Congressos ou Seminários ou Palestras virtuais em que os expositores se colocam como “seres missionários”? Que falam que os outros são vaidosos, mas incapazes de reconhecerem a própria vaidade?

No passado, os Congressos Espíritas produziam anais. Os primeiros registros sobre “anais” datam da Roma Antiga e hoje seriam registros de trabalhos científicos publicados no contexto do evento. Se o congresso espírita não tem o cunho de apresentar trabalhos científicos, fruto de estudos mais elaborados, ele serve para o que? Angariar fundos para instituições privadas ou interesses pessoais? O objetivo de Allan Kardec realizar visitas aos centros espíritas, ainda no relato de sua viagem de 1864, era para, “além de contribuírem para estreitar os laços de fraternidade entre os adeptos”, colher elementos de observação e de estudo. Os elementos que se colhem na atualidade, demonstram total divergência com os princípios postulados pela Doutrina Espírita. São ações motivadas por interesses pessoais, ainda que traduzidos ou motivados por causas "nobres". Nobre é o que o Cristo disse: "não saiba vossa mão esquerda o que faz a direita".

O texto de Allan Kardec é perfeito para a atualidade. Para concluir essa ilustração, Kardec diz o seguinte: “Está provado que o Espiritismo é mais entravado pelos que o compreendem mal do que pelos que não o compreendem absolutamente (...).” Uma divulgação malfeita, com valorização do “amor próprio”, aquele que se traduz por pessoas que “se acham” detentoras do conhecimento espírita, causa essa perda de referência doutrinária que se encontra no movimento espírita brasileiro.

O que fazer então? Essa pergunta paira no ar, a cada reflexão, porque remete a outro pensamento: seria inveja? É possível, por que não? Cabe análise pela relevância do tema. Se estivéssemos na mesma condição, teríamos feito diferente? Com esse entendimento, ousaria dizer que faríamos diferente, até por ver tudo isso. Entretanto, não é um caminho fácil de se modificar. O despreparo do espírita é tão grande que as repercussões ocorrem no campo pessoal: relacionamentos desfeitos, empregos que se modificam, filhos que se rebelam, olhares de desconfiança, depressão, ansiedade e uma série de outras sequelas que podem ser observadas. Será que estamos realmente preparados para uma profissão de fé Espírita? "Abrir mão" do que é politicamente ou convenientemente adequado, no plano terreno, para as conquistas do espírito?

É necessário e premente que se modifique, para o bem das lideranças que ainda conseguem lembrar, em meio aos holofotes, que a Doutrina Espírita educa, consolando, transforma, orientando, estimula, fazendo-nos trabalhar nas fragilidades egoístas que ainda se manifestam gritantes em seus adeptos. Que essas fragilidades pessoais não sejam superiores ao brilho perene e regenerador da Doutrina Espírita.    

Autor:

Vladimir Alexei é orador espírita na cidade de Belo Horizonte/MG e colaborador da Rede Amigo Espírita

Leia outros artigos de Vladimir Alexei

Desafios do Evangelho - Ser espírita

Rótulos e máscaras

O Espírita e a Política: uma reflexão a respeito das manifestações ...

Sociedade Alternativa 

Casa Espírita x Consultório

Exibições: 875

Respostas a este tópico

Maravilhoso artigo. Grande dica.

Gratidão!

Pelo que observo, quando Jesus nos alertou que " não saiba vossa mão esquerda o que faz a direita "  o fez de maneira incisiva e claríssima, referindo-se exclusivamente à minha mão, minha propriedade, meu íntimo, meu Ser, não deixando qualquer margem de dúvida a confundir-me com mãos alheias. Mas no entanto, preocupados que estamos com o comportamento das mãos que não são as nossas, manipulamos esquecidos de viver: JESUS CRISTO, que antevendo o volume das dores que estavamos prestes contrair; perante a trágica decisão de leva-Lo ao madeiro e condoído ante a nossa fragilidade, ergue o olhar memorável ao Pai e suplica por todos nós "PAI AFASTA DE MIM ESTE CÁLICE" E noutra ocasião  " PAI PERDOAI-LHES, ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM " Esquecidos de viver KARDEC que Escolhido para Humanizar a Doutrina dos Espíritos, se fez pequeno por amor e engrandecimento de mais esta dádiva CELESTE ao pronunciar quase que um pouco acanhado, porém de forma verdadeira, reconhecendo que homenagens prestadas " se dirigiam menos ao homem do que à Doutrina, da qual sou Humilde Representante".     

 

O espiritismo (enquanto doutrina) é muito bem "estruturado". O que aparenta ser a nossa fraqueza é nossa maior força! 
Suponhamos que fôssemos uma organização de poder centralizado, semelhante a igreja católica. Ora! estaríamos fardado ao fracasso e aos olhares de desprezo de nossos irmãos.  

Os espíritos estruturaram a doutrina de forma que ela não estivesse centralizada em único homem ou organização de poder. Portanto a doutrina não está sujeita a distorções aos desejos (manipulação e ambição) da personalidade de quem a divulga. 

Embora haja movimentos que nos pareçam "incorretos" e muitos realmente são! A distorção de valores do que realmente é o espiritismo não ocorre massivamente uma vez que não há centralização de poder.
Ao centralizar a nossa filosofia doutrinaria em livros ditados pelos espíritos  temos a maior vantagem: nenhum orador pode distorcer a verdade massivamente, pois quem lê detém a verdade uniforme e logo pode apontar. 

Lembre-se irmãos de que as organizações do mal existem, embora nos esforçamos muito para falarmos somente das organizações belíssimas do bem. Não sejamos cruéis com os nossos irmãos perdidos, mas também não sejamos tolos e fúteis. Portanto: sejamos estudiosos e questionadores! Primeiro para combater o mal que em nos persiste, segundo para impedir que novos males sejam cultivados. 

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Por que apenas em setembro?

Por que apenas em setembro? 

 

O tema suicídio sempre me chamou atenção, tanto que, no ano de 2011, junto com dois amigos…

Últimas atividades

LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog É Admissível o Aborto em caso de Estupro? de PATRIZIA GARDONA
"Legalização do aborto “o mais rápido possível” O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, disse que pretende fazer “sair o mais rápido possível” a…"
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Os Cinco Pilares da Doutrina Espírita de PATRIZIA GARDONA
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Talismãs e Amuletos, e o que kardec diz sobre a força desses objetos? de PATRIZIA GARDONA
ontem
Posts no blog por ANA MARIA TEODORO MASSUCI
ontem
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA
ontem
os pae postou um evento

CONVITE AOS AMIGOS DO PAE-TAGUATINGA-DF em QNM 40 ÁREA ESPECIAL NUMERO 2

16 novembro 2019 de 18 a 19
ontem
Angela Smanio curtiram o perfil de Adriano Moraes
sábado
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cesar Fontes Gerhard
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Paula D Aquino
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de José Maria Ramalho Pinto Júnior
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de katia maria brinco
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Robson Carlos Rocha Chicarino
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Carmen Angela Guimarães Leal
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Marcelo Myrrha
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Neldalia Silva Fort Bastos
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Elisangela Vargas da Silveira
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Maria Helena
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Olimpia Maria dos Santos
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Conceição A. Fernandes dos Anjos
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ane Elise de Freitas Farias
sexta-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço