ENTREVISTA COM PAULO FIGUEIREDO PARA A RIE – REVISTA INTERNACIONAL DE ESPIRITISMO

 

 

E A Vida Continua...”

Nova adaptação da literatura espírita chega aos cinemas prometendo emoção e consolidando a produção nacional do gênero

 

Cássio Leonardo Carrara – cassio@oclarim.com.br

 

Paulo Figueiredo nasceu em São Paulo-SP, em 6 de março de 1940, e ganhou destaque no cenário nacional por sua carreira de ator, diretor e roteirista na TV, no cinema e no teatro. Atuou em várias novelas, como “Éramos Seis”, “Terra Nostra”, “Laços de Família” e “Escrava Isaura”, na TV Globo. Em 2012 integrou o elenco da minissérie “Rei Davi”, na TV Record. No cinema, participou de vários filmes, principalmente na década de 1970, como ator, diretor e roteirista. Toda a sua experiência está agora voltada para a direção do 10o filme espírita produzido no Brasil nos últimos cinco anos: E A Vida Continua..., baseado no último livro da “Série André Luiz”. Nesta entrevista, Paulo Figueiredo fala sobre a produção e as expectativas de mais um longametragem espírita que em breve estará nos cinemas brasileiros.

 

RIE – Como surgiu a ideia e por que a escolha do último livro da série André Luiz para adaptação ao cinema?

Paulo Figueiredo – A Literatura Espírita oferece material amplo e variado, dividindo-se entre obras voltadas ao conhecimento puramente didático da Doutrina, e outras, identificadas como romances, contos, novelas,  cartas,  mensagens, que utilizam personagens quase sempre reais,  vivendo  ou relatando seus dramas, suas histórias, com o propósito de levar o leitor à reflexão, ao estudo, através da exposição dramatizada. Romances, em especial os biográficos ligados à Doutrina Espírita, têm sido adaptados para o cinema, com alguma frequência.  Os critérios que levam à escolha de determinada obra para a transposição de mídia partem, via de regra, do sucesso que o livro possa ter alcançado junto ao público e de sua viabilidade como filme.  Certas obras literárias são condenadas como “inadaptáveis”, por terem conteúdo e forma narrativa “não visual”, excessivamente verborrágica, descritiva demais. O primeiro e o último livros da série A Vida no Mundo Espiritual, de André Luiz (“Nosso Lar” e “E A Vida Continua...”) são obras perfeitamente adequadas à transposição para a tela. Contam histórias de seres humanos comuns, cujas vidas, na Terra e no Mundo Maior foram comoventes e exemplares processos de evolução espiritual.  Milhares de  livros ligados à Doutrina servem para adaptação cinematográfica. Eu apenas comecei com “E A Vida Continua...”.

 

RIE – O filme foi exibido em março no II Festival de Cinema Transcendental, em Brasília-DF. Como você sentiu a reação do público em relação ao filme?

Paulo – O II Festival de Cinema Transcendental, em Brasília/DF, em março último, serviu como importante teste junto ao grande público. Pude observar e sentir, da maneira mais objetiva e eficiente possível, as reações das pessoas na plateia durante a projeção do filme. Ao longo de cada diferente trecho, notei perfeita compatibilidade entre o que se passava na tela e a consequente reação de todos. Isso significa, eu acho, que as minhas intenções, meus propósitos como autor do filme foram transmitidos ao público da forma imaginada já a partir da criação do roteiro, o que é uma recompensa extraordinária.

 

RIE – Qual a data prevista para estreia? Quais cidades receberão primeiramente o filme?

Paulo – A estreia está prevista para agosto ou setembro. Serão em 60 salas de cinemas, primeiramente nas capitais, depois em outras cidades.

 

RIE – Comente sobre a trilha sonora.

Paulo – Música e silêncio. A arte de usar cada um destes componentes da melhor maneira num filme é dificílima. Convoquei um amigo chamado Beto Ninni, músico de grande talento e experiência para compor a trilha sonora. Mergulhou fundo, extraiu de cada cena a mais expressiva inspiração, e foi construindo, passo a passo, o que resultou numa bela sucessão de comentários incidentais e músicas temáticas, ao longo do filme.  “E A Vida Continua...” é uma história de características simples, e a música teria de seguir este propósito. Assim foi pensado e feito. Não mais que molduras para emoções.

 

RIE – Em quanto tempo e onde foram realizadas as gravações?

Paulo – Voltar no tempo é necessário, agora. No início dos anos 1970 escrevi uma peça teatral (inacabada) e dei-lhe o mesmo nome do livro no qual me inspirei: “E A Vida Continua...”.  Meio timidamente busquei estimular parceiros no ambiente artístico, e fora dele, para que embarcassem comigo no projeto. Mas fui descobrindo, aos poucos, a inviabilidade desta minha pretensão. Excessivo número de atores, montagem complexa e caríssima, participação de pessoal técnico e de produção altamente sofisticado, e o script incompleto, fizeram com que o projeto mergulhasse fundo numa gaveta e por lá ficasse. Até mesmo o nosso sempre querido Chico Xavier chegou a me dar conselhos quanto ao projeto, numa consulta que lhe fiz a respeito. Mais recentemente, por volta de 2004, tive o prazer de conhecer e privar da amizade de um homem chamado Oceano Vieira de Melo, historiador, documentarista, muito dedicado a estudos profundos do Espiritismo e de seus mais célebres expoentes. Afinidades e objetivos comuns vieram à tona quanto a unir experiências profissionais e vivências do cotidiano com a velha vontade de ajudar, através do cinema, na divulgação de histórias sempre tão atuais, dessas que impressionam e ao mesmo tempo levam à reflexão, sobre questões em geral muito próximas do dia a dia de todos nós, humanos aprendendo a viver. A parceria surgiu sem esforço e o antigo sonho voltou decidido a virar realidade. Vamos fazer “E A Vida Continua...”! Planejado o filme, saímos à procura de locações e recursos de várias espécies. Para nossa surpresa, as coisas foram se encaixando de tal forma, que logo tínhamos à nossa disposição locais como o Instituto Bairral, em Itapira, que cedeu suas instalações para que ali montássemos cenários reproduzindo recantos da Colônia Espiritual Nosso Lar. No Bairral rodamos cerca de setenta por cento de “E A Vida Continua...”. Outras tantas pessoas amigas, instituições, empresas de São Paulo e de Bragança Paulista colaboraram decisivamente para a realização, envolvendo-se material e espiritualmente no projeto. Esse envolvimento, a propósito, estende-se a todo o pessoal técnico e artístico participante, desde as funções mais humildes no set de filmagem até os protagonistas. Entre as fases a que chamamos pré-produção, produção e pós-produção, dois anos foram consumidos até o instante de apresentar o filme numa tela. É pouco trabalho, se comparado ao que os nossos mais belos sonhos esperam como resultado: plantar nos corações e mentes dos nossos irmãos pelo menos um pouco de amor.

 

RIE – Qual o critério de escolha dos atores principais?

Paulo – O elenco artístico foi determinado de um jeito que se pode entender como natural. Vieram sugestões de nomes para cada papel. Conforme me apresentavam os atores e as atrizes indicados, mais e mais me dominava o sentimento de que se tratava de uma escolha já feita, que aquelas eram as pessoas ideais, e pronto!

 

RIE – E a expectativa de público? Espera-se o mesmo sucesso de filmes como “Nosso Lar” e “Chico Xavier”?

Paulo – Não importa a quantidade de espectadores que o filme terá.  Se apenas um receber o recado e o usar para mudar sua vida para melhor, já teremos sido regiamente pagos.

 

RIE – Nos últimos cinco anos foram produzidos 10 filmes espíritas no Brasil. Qual a importância desse trabalho para divulgação espírita em relação ao público leigo?

Paulo – Finalmente estamos vendo filmes espíritas realizados por espíritas. Isso garante a fidelidade à obra adaptada ou aos princípios que abraçamos e que tanto nos ensina e consola. Como somos educados na Doutrina Espírita para a paz e para o bem, queremos compartilhar com outras pessoas o que recebemos da Espiritualidade, sem proselitismo, naturalmente.

 

RIE – E em termos artísticos? Pode-se dizer que foi criado um novo segmento de mercado?

Paulo – Sim e não. O gênero já existia, mas através de produções realizadas por pessoas que desconhecem o Espiritismo. Em algumas ocasiões, realizavam-se cenas inadequadas para assunto tão sério e que todos os espíritas já sabem. Quanto ao segmento, só o tempo dirá se ele se manterá. Público nós temos. Basta pensarmos em produzir filmes normalmente sem nos preocupar com grandes orçamentos, e pensar somente em adaptar obras caras de serem produzidas. Pode-se muito bem adaptar obras literárias espíritas respeitando não só nossos princípios, como também a arte cinematográfica.

 

RIE – Há projetos para novos filmes da série André Luiz ou com temática espírita?

Paulo – Sim, mas, por enquanto, esse projeto está em fase de negociação. 

publicado com autorização de Cássio Leonardo Carrara

 

 

Exibições: 2984

Respostas a este tópico

Muito obrigada ao Paulo Figueiredo e Oceano Vieira de Melo, que nos proporcionaram a alegria de assistir tão bonito trabalho dirigido a divulgação do espiritismo, E a Vida Continua.... Abrçs

Muito interessante. Filmes espíritas feitos por espíritas.

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Chico Xavier - O servidor

Compartilhamos com os amigos da RAE este belo artigo.

Sds



Atribuem a Mark Twain a citação da seguinte frase: “Não gosto de elogios.
Nunca acho que falaram o…

O custo do abandono emocional (Jane Maiolo)

O custo do abandono emocional 

 

  

 

“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia”.…

Hipocrisia gourmet: os riscos de uma seita chamada Espiritismo.

Hipocrisia gourmet: os riscos de uma seita chamada Espiritismo.

 

 

E ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito:Este povo honra-me com os lábios,Mas o seu coração está longe de mim;…

Pedagogia do silêncio ou talking cure?

Pedagogia do silêncio ou talking cure? 

 

 

 

E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre…

Vaidade ou inveja? (Por Vladimir Alexei)

Vaidade ou inveja?

Vladimir Alexei

Belo Horizonte das Minas Gerais,

15 de fevereiro de…

Últimas atividades

Carlos Ser compartilhou o post do blog de os pae em Facebook
7 horas atrás
Carlos Ser curtiu a postagem no blog Charlatanismo, redes sociais e a fake new do além (Jorge Hessen) de os pae
7 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
“Nada muda se Você não muda!”, com Cel. José Carlos Fiorido assista pelo youtube https://t.co/KGTzyhOY1m https://t.co/A1jezLuds8
Twitter8 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
“Nada muda se Você não muda!”, com Cel. José Carlos Fiorido assista pelo youtube https://t.co/KGTzyhOY1m https://t.co/ZwqqTXsfk3
Twitter8 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
“Nada muda se Você não muda!”, com Cel. José Carlos Fiorido assista pelo youtube https://t.co/KGTzyhOY1m https://t.co/QQoxkPb2MC
Twitter8 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
“Nada muda se Você não muda!”, com Cel. José Carlos Fiorido assista pelo youtube https://t.co/KGTzyhOY1m https://t.co/GHjC7GKhRi
Twitter8 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Cristo Consolador - Suênya Freire assista pelo youtube https://t.co/7QQBqwii3d https://t.co/LO4fTuSR72
Twitter8 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Parábola do Semeador - Rafael Papa (Lançamento Livro Parábolas de Jesus à Luz da Doutrina Espírita) assista pelo y… https://t.co/o5TOlLxZM1
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
45º Estudo Impermanência e Imortalidade /cap.17 - Conquistas internas 2ª parte - Mauro M Guimarães assista pelo y… https://t.co/0EsNYMikju
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
45º Estudo Impermanência e Imortalidade /cap.17 - Conquistas internas 2ª parte - Mauro M Guimarães assista pelo y… https://t.co/pIc3APzwsD
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Parábola do Semeador - Rafael Papa (Lançamento Livro Parábolas de Jesus à Luz da Doutrina Espírita) assista pelo y… https://t.co/lMC9x8mBBp
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Parábola do Semeador - Rafael Papa (Lançamento Livro Parábolas de Jesus à Luz da Doutrina Espírita) assista pelo y… https://t.co/Xdb1GZ2fPg
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
45º Estudo Impermanência e Imortalidade /cap.17 - Conquistas internas 2ª parte - Mauro M Guimarães assista pelo y… https://t.co/VeRjbvbfQO
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Cristo Consolador - Suênya Freire assista pelo youtube https://t.co/7QQBqwii3d https://t.co/anVomge5hF
Twitter9 horas atrás · Responder · Retweet
Virgilio Augusto Esteves curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Virgilio Augusto Esteves curtiu o vídeo de Carlos Pretti - SCEE
10 horas atrás
Marco Túlio Ferreira Silva respondeu à discussão SUGADORES DE ENERGIA de Amigo Espírita
"1 - Não escolhemos ser tão profundamente ignorantes. Isso foi consequência da opção pelo egoísmo e não uma escolha direta. 2 - A perfeita sabedoria jamais cria a ignorância. Somente um grande…"
10 horas atrás
Marco Túlio Ferreira Silva respondeu à discussão Cientistas comprovam reencarnação (?) de carlos alberto freire de souza
"O Ego."
10 horas atrás
Marco Túlio Ferreira Silva respondeu à discussão "QUANDO NÃO APRENDE ATRAVÉS DO AMOR, APRENDE-SE ATRAVÉS DA DOR" de rosyres mendes
"De jeito nenhum."
10 horas atrás
Marco Túlio Ferreira Silva respondeu à discussão DEVE-SE PUBLICAR TUDO? E DIVULGAR TUDO QUE SE PUBLICA? de Amigo Espírita
"1 - Erra porque é livre, caso não fosse não erraria. 2 - Não é livre de quê e sim para quê. Não distorça o sentido. 3 - Examente por isso...Por se tornar egoísta."
10 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

Badge

Carregando...

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço