E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.

Façamos o homem…; através do encaminhamento da evolução o homem já vem sendo preparado em todos os movimentos.

É chegado o momento culminante em que a consciência adormecida se acha em condições de ser desperta na faixa hominal.

O Princípio Inteligente que culmina no Espírito começa a se preparar para gerenciar seus próprios sentimentos.

A expressão façamos o homem tem desafiado os religiosos de todas as épocas, pois se Deus é único, por que aqui o uso do verbo no plural?

Os padres da igreja viram nesta expressão a insinuação da Trindade; os conhecimentos revelados pelos Espíritos e que formam a doutrina espírita nos apontam para outra interpretação.

Dizem os Espíritos que Deus não atua diretamente sobre a matéria, que para tal Ele tem agentes dedicados em todos os graus da escala dos mundos.1

Deduzimos daí que Deus Cria, mas quem faz são os Espíritos, são eles que operam em nome do Criador. Já comentamos sobre isto quando analisamos a palavra Elohims que é um dos nomes de Deus nas Escrituras e que é plural.2

Assim, aqui, o verbo façamos refere-se aos Espíritos colaboradores de Deus que o auxiliam em seu processo de Criação. André Luiz denominou estes Espíritos de Co-Criadores em plano maior.3

O próprio livro Gênesis nos autoriza esta interpretação quando em seu terceiro capítulo encontramos os seguintes registros:

Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal4 (Grifo meu)

à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; neste ponto com a ajuda da doutrina espírita podemos compreender melhor este verso.

O homem não podia ser criado à semelhança de Deus. Semelhante significa que é da mesma espécie, da mesma qualidade, natureza ou forma.5 O homem foi feito à semelhança dos Espíritos superiores, eram da mesma natureza e origem destes, que também eram Criação Divina.

Quanto a imagem, o homem pode ser considerado tanto uma imagem de Deus como dos Espíritos Co-Criadores.

Imagem significa um reflexo, uma reprodução invertida de um ser ou objeto6. Uma imagem está sempre em uma dimensão menor. Uma sombra de um objeto é a imagem do objeto, e não o objeto em si.

Há um texto de um místico mulçumano do século XIII que comentando a criação do homem diz assim:

Tudo é reflexo de Deus, e a réplica se assemelha à pessoa: se os cinco dedos se abrem, a sombra se abre também, se o homem se inclina, também a sombra se inclina (…) Nem todos os atributos de Allah se manifestam nesta sombra, mas apenas parcialmente.”7

Desta forma podemos compreender que este versículo diz que o homem foi feito à imagem e semelhança dos Espíritos superiores.

e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.

Deus vem expressando Sua Soberana Vontade em todos os dias da criação; entretanto, neste passo ele fala de seu desejo para o homem mais especificamente.

Que ele exerça domínio sobre o reino animal foi bem compreendido pois a ele foi dado além dos cinco sentidos, inteligência, razão, a até mesmo a possibilidade mediúnica.

Portanto, podemos ver aqui um pouco mais e aprofundar nosso entendimento em relação à Vontade do Criador.

Se passamos por todas estas experiências evolutivas, se construímos nosso psiquismo estagiando em todos os reinos da criação, é natural que ainda tenhamos em nossa intimidade o instinto destas feras e que se não nos fizermos vigilantes aja uma eclosão destes sentimentos em nossas manifestações do dia a dia.

Analisando desta forma podemos entender que o Criador sugeria neste instante que o homem, de posse dos recursos já conquistados, e por nós enumerados, trabalhasse por dominar seus instintos pregressos, e que se foram úteis por um tempo, agora diante da possibilidade de um sentimento mais nobre, que o ligaria a seu objetivo final de espiritualidade, não teria mais fim.

Kardec com sua compreensão superior e seu magistral poder de síntese conclui assim ser objetivo da encarnação do Espírito a sua evolução, e na mesma noúre do redator bíblico afirma:

Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.8

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; importante notar a coerência do redator bíblico, quando inspirado usou o verbo no plural, “façamos”, que como dissemos é atributo dos Espíritos, dizendo ser o homem a “imagem e semelhança” destes. Neste momento em que se refere a Deus, no singular, usa o verbo criar, em hebraico bara, que é um verbo que só tem Deus como sujeito, e não mais diz sobre a “semelhança”, mas que à imagem de Deus o criou.

Já dissemos em nossos comentários anteriores, a imagem reflete o objeto, porém numa dimensão menos expressiva. O homem foi feito à imagem de Deus, entretanto, não semelhante a Ele. O Espírito criado foi feito da mesma Substância do Criador, todavia não possui os mesmos recursos, um é Criador incriado, o outro, criatura.

Não dá para avançar mais por nos faltar vocabulário, o Absoluto não pode ser apreendido pelo relativo, é o que conseguimos expor no momento.

Mesmo assim, podemos caminhar um pouco mais deduzindo daí importante consequência moral. O Espírito criado à imagem de Deus, como dissemos, não tem, na totalidade, os mesmos recursos de Seu Criador, mas tem um potencial ainda não imaginado por seres de nossa faixa evolutiva, de realização positiva. Basta ver que os a Ele mais dedicados e afeiçoados, conseguem formar mundos e gerenciar sua evolução. Não por outro motivo que Jesus nos ensinou:

Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas (…)9

Assim, se quisermos aumentar a nossa capacidade de realização, de bem estar, e de equilíbrio, basta nos ajustarmos à Vontade de Deus, o que significa uma adesão à proposta transformadora do Evangelho. Não é milagre o que fazem os que assim procedem, eles simplesmente trabalham em si ampliando potenciais, construindo na intimidade o Reino que os capacitarão a tudo realizar, desde que em nome do Senhor.

homem e mulher os criou. Podemos ver neste versículo que aquela história do homem (masculino) ter sido criado antes da mulher, e que esta veio da costela dele, por isso o homem deve dominar a mulher, não está de acordo com o que nos informa o texto bíblico.

Sim, no capítulo segundo deste mesmo livro Gênesis temos esta afirmativa, da criação do homem primeiro e depois a mulher, mas quando chegar lá vamos ver que outra deve ser a interpretação.

Este capítulo primeiro, nos traz com lógica e bom senso que o “humano” em hebraico Adam surgiu na Terra por um processo evolutivo, e que esta humanidade era composta de homens e mulheres, ou de machos e fêmeas.

Jesus confirma esta interpretação quando questionado sobre a questão do divórcio:

Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez?10

Podemos ainda aprofundar um pouco mais e depreender destas colocações que o Espírito já em sua origem possui qualidades intrínsecas definidas de sua sexualidade, sendo assim positivo ou opositivo, masculino ou feminino desde o princípio. O que não impede, como sabemos, que na faixa humana, eles possam reencarnar ora como homem, ora como mulher.

André Luiz nos informa mais a respeito:

Todas as nossas referências a semelhantes peças do trabalho biológico, nos reinos da Natureza, objetivam simplesmente demonstrar que, além da trama de recursos somáticos, a alma guarda a sua individualidade sexual intrínseca, a definir-se na feminilidade ou na masculinidade, conforme os característicos acentuadamente passivos ou claramente ativos que lhe sejam próprios.

A sede real do sexo não se acha, dessa maneira, no veículo físico, mas sim na entidade espiritual, em sua estrutura complexa.

E o instinto sexual, por isso mesmo, traduzindo amor em expansão no tempo, vem das profundezas, para nós ainda inabordáveis, da vida, quando agrupamentos de mônadas celestes se reuniram magneticamente umas às outras para a obra multi­milenária da evolução, ao modo de núcleos e eletrões na tessitura dos átomos, ou dos sóis e dos mundos nos sistemas macrocósmicos da Imensidade.11

E em outro capítulo amplia:

Os princípios espirituais, nos primórdios da organização planetária, traziam, na constituição que lhes era própria, a condição que poderemos nomear por “teor de força”, expressando qualidades predominantes ativas ou passivas. E entendendo-se que a evolução é sempre sustentada pelas Inteligências Superiores, em movimentação ascendente, desde as primeiras horas da reprodução sexuada começou, sob a direção delas, a formação dos órgãos masculinos e femininos que culminaram morfologicamente nas províncias genésicas do homem e da mulher da atualidade.12

1 (KARDEC 1980), Q. 536 b)

2 Sugerimos aos leitores voltarem ao nosso comentário de Gênesis, 1: 1 no início deste livro.

3 Cf. (XAVIER / André Luiz [Espírito], 1993), cap. 1

4 Gênesis, 3: 22

5 HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico da Língua Portuguesa, versão 1.0, ed. Objetiva, 2001

6 Idem, ibidem.

7 Extraído de (CHOURAQUI 1995), pg. 48

8 KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 104ª ed., Rio de Janeiro, FEB, 1991. Cap. XVII Item 4

9 João, 14: 12

10 Mateus, 19: 4

11 (XAVIER/Waldo Vieira/André Luiz [Espírito] 1993), 1ª parte, cap. 18

12 Idem, ibidem, 2ª parte, cap. 32

Autor:

Claudio Fajardo de Castro (Juiz de Fora/MG)

é membro da Rede Amigo Espírita

Cláudio Fajardo é bancário, escritor desde 1997, dedica-se ao estudo do Novo Testamento à luz da Doutrina. Coordenou curso de Espiritismo no Centro Espírita Amor e Caridade em Goiânia – GO, denominado de Curso de Espiritismo e Evangelho. A partir daí surgiram seus livros: O Sermão do Monte, Jesus Terapeuta I e II, O Sermão Profético e O Sermão do Cenáculo, todos publicados pela Editora Itapuã.

Blogs: http://espiritismoeevangelho.webnode.com/

e-mail: fajardo1960@gmail.com

 

Artigos do Grupo "Espiritismo e Evangelho

Exibições: 4327

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

A convivência familiar na pandemia.

A convivência familiar na pandemia.

 

A impermanência das situações existenciais necessita estar em  nossas reflexões .

Por quê?

Simples, porque as mudanças são uma realidade tão palpável quanto a morte.

De um momento para o outro, por exemplo, podemos ter as nossas rotinas capturadas pelos mais variados motivos.

E o ano de 2020 escancarou…

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Últimas atividades

Margarida Maria Madruga comentou a postagem no blog Na Escola Terrestre - (Mensagem psicografada por Wagner Paixão, em 18 abril de 2020) de Amigo Espírita
"Belíssima mensagem de Yvonne. Obrigada."
46 minutos atrás
Robério Gomes do Nascimento entrou no grupo de Nelson Peixoto de Souza Filho
Miniatura

Estudando o Livro dos Espíritos

Grupo para estudo e discussão do "Livro dos Espíritos".Sejam bem vindos!Os temas são livres.Ver mais...
4 horas atrás
Robério Gomes do Nascimento curtiram o evento Estudando o Livro dos Espíritos de Nelson Peixoto de Souza Filho
4 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA respondeu à discussão VIROSES - Conheça a melhor terapia para vencê-las por Divaldo Franco de Amigo Espírita no grupo Joanna de Ângelis e Divaldo Franco
"“PsicoImunologia”.  Soluções Mágicas e Problemas Psicológicos https://juli.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=7032117"
terça-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
terça-feira
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA

Então, chega para lá

Certa feita há muitos anos, conversávamos com uma das grandes figuras femininas do movimento espírita da cidade de São…Ver mais...
terça-feira
Hilton Cesar respondeu à discussão Mediunidade - dom ou castigo? de Bárbara Martins de Castro
"Médiuns somente os são, os que possuem a faculdade de sentir a influência do mundo espiritual, de forma nítida e ostensiva. O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações…"
segunda-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Quando o bom não é tímido pode ser reprovado, mas constrói o passado para ser lembrado com profundo respeito. Parabéns Brasílio Marcondes Machado. A tese de Machado foi apresentada no dia 29 de agosto de…"
segunda-feira
Luciano Franco Ramos entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
segunda-feira
MARIO FONTES respondeu à discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
"Excelente descrição João Nodari"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Médiuns. 171. de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"“Sandálias Douradas”.  Credibilidade é fundamental. Alguns médiuns ganham credibilidade, mas são infectados pelo orgulho e/ou vaidade. Fator complicador - obsessão. A entidade passa a exercer…"
8 Ago
Antonio Carlos G. Sarmento e Edileuza R. Rodrigues agora são amigos
8 Ago

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço