E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie, e a árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom. E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.

Todo processo evolutivo, apesar da diversidade, tem um modelo único regido pela Lei de Unidade.

Deus Cria, entretanto os Espíritos têm de operar promovendo o seu crescimento e a melhoria do ambiente que o envolve. Deus é transcendente e devemos exaltar a sua grandeza sempre, todavia o Espírito tem responsabilidade e precisa assumi-la neste processo de construção de harmonia plena.

Assim, a terra representando a individualidade tem de produzir para estar ajustada à Vontade Soberana. Ela produz erva; árvores, frutos, sementes que por sua vez propiciarão a oportunidade de novas árvores, frutos, sementes…

É a fixação através do mecanismo de continuidade, de repetição, de perseverança para a consumação do objetivo maior.

É preciso que compreendamos que o Criador, Pai de Misericórdia, não dá nada pronto, no máximo fornece-nos uma semente que temos que cultivar e transformar na realização desejada.

Mesmo a semente ainda não é o início, entretanto, o princípio de uma nova oportunidade. Na semente temos valores já conquistados anteriormente que estão em potencial precisando de serem trabalhados pelo dinamismo essencial. Nada no Universo morre, em tudo há vida e transformação, temos aí a prova da reencarnação, da imortalidade da alma, da vida futura… Parafraseando Jesus podemos dizer, se assim se dá com a semente, por que não se dará com vós, homens de pouca fé…???

E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos. E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi. E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas. E Deus os pôs na expansão dos céus para iluminar a terra, E para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom. E foi a tarde e a manhã, o dia quarto.

Aqui se faz necessário separar o surgimento dos luminares, da luz propriamente dita. A luz é a fonte que ilumina o luminar, ela existiu sempre. O luminar é o elemento refletor, através dele percebemos a luz.

O sol, a lua e as estrelas já existiam antes deste quarto dia, temos que compreender que, é a partir deste momento que eles puderam ser percebidos, o que é diferente de terem sido criados neste instante. Os vegetais já haviam surgidos anteriormente, como poderia haver vida neles sem a energia solar? A Terra orbita em torno do sol desde o seu primeiro dia.

Vemos que neste primeiro momento o redator bíblico dá como função destes astros simplesmente separar dia e noite eles eram apenas sinais que demarcavam o tempo. Era o que a mente da época dava conta de compreender, não se pensava ainda em fontes de energia.

Sol era dia, oportunidade de trabalho, campo operacional; lua era noite, ela marcava as festas. Tem ela importância no equilíbrio do planeta, representa um momento de pausa, de reflexão. Sem a reflexão não há aprendizado, evolução.

A existência destes dois luminares a gerenciarem dia e noite nos remete novamente a existência dos ciclos, e a evolução se realizando indo e voltando, num processo de subida e descida, mas não num círculo fechado, e sim pelas linhas de uma espiral que não se interrompe, e que se há retorno a pontos já trabalhados é sempre em dimensões diferentes como oportunidade de fixação.

Deus tudo criou com objetivo, não existe nada ocioso…

Quando no princípio o Senhor criou suas obras, assim que foram feitas, atribuiu um lugar a cada uma. Ordenou para sempre a sua atividade e suas tarefas pelas gerações.

Elas não sentem fome nem cansaço e não abandonam suas atividades. Nenhuma delas jamais se choca com a outra e jamais desobedecem a sua palavra.1

Podemos retirar daí importante consequência moral. Deus, o Bem, o Amor, existiram sempre no Universo e em nossas vidas. O aparecimento da luz aqui representa o momento de nossa conscientização, o instante em que passamos a perceber quem somos, quais são os nossos erros, nossos objetivos e como realizá-los. O texto nos informa que o objetivo destes luminares era fazer separação entre o dia e a noite.

Interessante notar que este momento se dá no quarto dia, ou seja, quando rompemos a metade do ciclo de sete. A partir daí passamos a realizar uma evolução consciente, amplia-se o livre arbítrio.

Se vivêssemos em um paraíso, com tudo de bom e do melhor, mas não houvesse luz, não conseguiríamos perceber nada à nossa volta, nem mesmo nós, se somos sujos ou limpos, se temos a pele boa ou não, se somos feios ou bonitos. A luz representa para nós a possibilidade da ciência, e também, e principalmente, de autoconhecimento.

Concluímos assim, que não somos a luz propriamente dita, mas o luminar através do qual a luz pode manifestar. Não criamos nada, apenas refletimos o que já existe. Quando conscientes desta realidade, trabalhamos em nós a humildade pois percebemos que o Bem, a positividade, o saber, não originam de nós, somos apenas instrumentos de sua manifestação, e para tal é preciso que estejamos em conexão com a Fonte, que em última instância é Deus.

Seja na posição de lâmpada ou de um simples interruptor, temos de permitir que sejamos acionados para que todo o processo de iluminação se concretize. Se falhar algo na conexão, por mínimo que seja este rompimento, a luz não se manifestará.

Deste modo, é preciso trabalhar a humildade, mas sem desmerecer-nos, reconhecendo que somos apenas instrumento, mas instrumento importante sem o qual o processo não se completa. Humildade e autovalor em plena harmonia.

Num mundo imperfeito qual o nosso, com a mentalidade acanhada que ainda temos, não conseguimos perceber o Bem senão na presença do mal, a luz senão a partir da existência da treva.

Se a expansão dos céus fosse só luz, ininterrupta, não a perceberíamos; a treva, por enquanto, tem assim o seu objetivo não só no sentido de reflexão, mas também no de dar a oportunidade de manifestação da luz.

É neste sentido que a matéria tem a sua utilidade para o espírito, que os astros quebrando a continuidade da luz dão a ela a oportunidade de mostrar-se em nosso universo relativo.

Interessante lembrar que o profeta Jeremias assevera que “o Senhor dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da noite”2. Ou seja, a treva é também iluminada há uma “luz da noite”, pois ela também tem o seu objetivo dentro da Contabilidade da Vida. Temos aí a presença de Deus em toda criação, até mesmo no anti-Sistema.

Aprendemos com esta realidade que a evolução não acontece num só sentido, o que levam alguns a dizerem que evolução e involução são componentes de um mesmo processo de crescimento.

Aquele que já conquistou uma virtude tem de praticá-la justamente num ambiente, ou com quem, ela inexiste. Este é o mecanismo da caridade que Kardec teve a lucidez de perceber que sem a qual não haveria salvação. Para que se pratique caridade é necessário que haja o necessitado e que aquele que já não é, desça de sua posição e trabalhe em função dele.

Percebemos assim, a grandeza e sabedoria de Jesus ao ensinar-nos a necessidade imperativa de amar-nos uns aos outros; mais do que um princípio de religião estabelecera Ele, uma Lei de ciência, da Ciência da Libertação.

Adequando-nos a este sistema perfeito entramos no Campo de Deus e na sua perfeição. É o que podemos compreender da expressão: E viu Deus que era bom.

1 Eclesiástico, 16: 26 a 28

2 Jeremias, 31: 35

Claudio Fajardo de Castro (Juiz de Fora/MG)

é membro da Rede Amigo Espírita

Cláudio Fajardo é bancário, escritor desde 1997, dedica-se ao estudo do Novo Testamento à luz da Doutrina. Coordenou curso de Espiritismo no Centro Espírita Amor e Caridade em Goiânia – GO, denominado de Curso de Espiritismo e Evangelho. A partir daí surgiram seus livros: O Sermão do Monte, Jesus Terapeuta I e II, O Sermão Profético e O Sermão do Cenáculo, todos publicados pela Editora Itapuã.

Blogs: http://espiritismoeevangelho.webnode.com/

e-mail: fajardo1960@gmail.com

 

Artigos do Grupo "Espiritismo e Evangelho

Exibições: 272

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

A convivência familiar na pandemia.

A convivência familiar na pandemia.

 

A impermanência das situações existenciais necessita estar em  nossas reflexões .

Por quê?

Simples, porque as mudanças são uma realidade tão palpável quanto a morte.

De um momento para o outro, por exemplo, podemos ter as nossas rotinas capturadas pelos mais variados motivos.

E o ano de 2020 escancarou…

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Últimas atividades

Margarida Maria Madruga comentou a postagem no blog Na Escola Terrestre - (Mensagem psicografada por Wagner Paixão, em 18 abril de 2020) de Amigo Espírita
"Belíssima mensagem de Yvonne. Obrigada."
18 minutos atrás
Robério Gomes do Nascimento entrou no grupo de Nelson Peixoto de Souza Filho
Miniatura

Estudando o Livro dos Espíritos

Grupo para estudo e discussão do "Livro dos Espíritos".Sejam bem vindos!Os temas são livres.Ver mais...
4 horas atrás
Robério Gomes do Nascimento curtiram o evento Estudando o Livro dos Espíritos de Nelson Peixoto de Souza Filho
4 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA respondeu à discussão VIROSES - Conheça a melhor terapia para vencê-las por Divaldo Franco de Amigo Espírita no grupo Joanna de Ângelis e Divaldo Franco
"“PsicoImunologia”.  Soluções Mágicas e Problemas Psicológicos https://juli.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=7032117"
terça-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
terça-feira
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA

Então, chega para lá

Certa feita há muitos anos, conversávamos com uma das grandes figuras femininas do movimento espírita da cidade de São…Ver mais...
terça-feira
Hilton Cesar respondeu à discussão Mediunidade - dom ou castigo? de Bárbara Martins de Castro
"Médiuns somente os são, os que possuem a faculdade de sentir a influência do mundo espiritual, de forma nítida e ostensiva. O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações…"
segunda-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Quando o bom não é tímido pode ser reprovado, mas constrói o passado para ser lembrado com profundo respeito. Parabéns Brasílio Marcondes Machado. A tese de Machado foi apresentada no dia 29 de agosto de…"
segunda-feira
Luciano Franco Ramos entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
segunda-feira
MARIO FONTES respondeu à discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
"Excelente descrição João Nodari"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Médiuns. 171. de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"“Sandálias Douradas”.  Credibilidade é fundamental. Alguns médiuns ganham credibilidade, mas são infectados pelo orgulho e/ou vaidade. Fator complicador - obsessão. A entidade passa a exercer…"
8 Ago
Antonio Carlos G. Sarmento e Edileuza R. Rodrigues agora são amigos
8 Ago

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço