Mulheres Sujeitai a Vosso Marido - Parte 3


A literatura judaica, principalmente a partir dos profetas, tem representado a manutenção da Aliança ou a relação de Deus com a humanidade, através do símbolo da união conjugal onde Deus é o marido e a humanidade a esposa.

Entendamos que toda vez que os textos bíblicos falam do povo de Israel ou do povo de Deus está se referindo a toda a humanidade que caminha consciente para Deus.

Vemos esta relação expressa nos livros dos profetas Oséias, Jeremias, Isaías, Malaquias, entre outros.

O Novo Testamento retoma o tema em muitas passagens, podemos citar Mateus, 9: 15; 25: 1 a 15; Apocalipse, 21: 2, entre outras, inclusive a do encontro de Jesus com a samaritana (João, 4).

O Povo de Israel (humanidade) é visto pelos profetas como sendo uma prostituta, pois adulterou a relação com Deus; a humanidade é, então, a esposa que traiu seu marido.

Interessante aqui notar que aquela que nos traz o filho do homem, que é quem instrumentaliza-nos para a volta ao Criador e à manutenção da Aliança, é justamente a virgem, ou seja, a que se manteve fiel ao Esposo, pois a virgem é antípoda em relação à prostituta.

Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra.1 Assim se manifesta Maria expressando sua fidelidade.

Da mesma forma podemos dizer que Maria de Magdala foi uma virgem do Evangelho e não uma prostituta, enquanto Judas Iscariotes, naquele momento evolutivo, foi talvez a maior prostituta do Evangelho. E aqui cabe uma consideração, foi através de uma virgem (Joana d’Arc) que Judas se redimiu e tornou-se fiel a Deus, no plano das reencarnações.

Deste modo, quando Paulo, que dominava toda esta cultura judaica, e pensava como um judeu de seu tempo, mesmo que transformado pelas luzes do Evangelho, dizia que a mulher devia se submeter ao seu marido, é como se carinhosamente dissesse: “Ouve ó Israel (humanidade) esteja sujeita a Deus”, e isto ele reforça quando diz: como ao Senhor.

Ou seja, com uma fidelidade urgente a ser mantida, pois aquele que tem amadurecimento das questões espirituais, sabe do quanto já erramos por adulterarmos em relação aos propósitos divinos e quanto é bom mantermo-nos na segurança de um Pai que é essencialmente misericórdia.

E o apóstolo aprofunda:

Porque o homem é o cabeça da mulher; cabeça aqui deve ser entendido como origem ou fonte, e não como chefe ou dominador.2

Aliás, esta é a relação Deus – humanidade; Deus é a origem, a fonte, e não dominador. Deus é amor, e amor pressupõe liberdade e não constrangimento, \por isso educa-nos através do livre arbítrio.

Do mesmo modo Cristo é o cabeça, a origem da igreja, que aqui deve ser entendida como “reunião da comunidade”, comunidade esta que surge para o estudo dos textos originais do Evangelho, pressupondo participação de todos, inclusive das mulheres que eram já neste tempo sempre presente nas reuniões e muitas vezes líderes e fundadoras das igrejas. (Cf. Atos, 16: 14 e 15; Colossenses, 4: 15, entre outras referências.)

No versículo 24 deste capítulo Paulo afirma:

como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido.

A grande dificuldade que temos de entender este texto está na nossa originária rebeldia que faz com que detestemos sujeitar-nos ao que quer que seja. Queremos ser o que manda, jamais o que obedece, mesmo após Jesus ter nos ensinado que aquele que quiser estar no Reino do Pai deve servir e obedecer como Ele, que é o maior que esteve entre nós, fez.

Neste ponto cabe uma reflexão e um entendimento, que tipo de sujeição é esta que Cristo exige da igreja? Que tipo de submissão tem ela em relação a Ele?

É importante entendermos isto, pois é esta sujeição que segundo Paulo a mulher tem que ter em relação ao seu marido.

Conforme temos analisado, segundo o pensamento de Paulo, o homem está para Cristo do mesmo modo que Cristo está para Deus; a mulher está para a igreja, como esta está para a humanidade.

Cristo representa o nosso superconsciente, é a meta que devemos alcançar. O homem é a faixa atual em que nos movimentamos, o campo operacional que nos diz respeito através do qual chegaremos ao Cristo e a Deus.

A mulher deve se sujeitar ao marido como a igreja está sujeita a Cristo. Deus é amor, já dissemos anteriormente repetindo o discípulo amado; Cristo que é o cabeça da criação representa o amor de Deus dinamizado, operacionalizado. Onde há amor não há exigência, não há imposição nem constrangimento, portanto Deus não submete a humanidade a nada, por isso ele faculta o livre arbítrio.

Alguns neste ponto podem dizer, “mas há o determinismo”; sim, há, mas o determinismo é fruto do livre arbítrio, quando ele traz dor ou sofrimento é porque foi violada a Lei Divina, não é Deus quem impõe, a criatura é que escolhe o caminho.

Portanto, se Deus não submete a humanidade, do mesmo modo o homem não deve submeter a mulher; a humanidade consciente é que deve se submeter a Deus fazendo uso de sua liberdade, ao que chamamos de “liberdade-obediência”, ou autonomia madura (Baumert, pág. 205); pois ao caminhar nesta submissão liberta-se para conquistas maiores.

Este é o significado da sujeição que Paulo cobra da mulher; não é a sujeição de lá para cá como imposição, mas daqui para lá como elemento de libertação, de desvinculação. A mulher aqui representa toda humanidade, inclusive nós os elementos do sexo masculino.

Para que possamos fundamentar a exposição que aqui realizamos vamos citar um texto de Paulo ao se dirigir à comunidade de Corinto:

Pois eu vos cortejo com o cativante amor de Deus; pois vos desposei, para, como único esposo, entregar uma virgem pura ao Cristo.3

Ou seja, ele prepara a comunidade, a noiva, para que ela se torne uma virgem pura, fiel, para unir-se ao seu esposo único, que é Cristo.

Desta forma, não vemos nesta carta nenhuma colocação para em Paulo lermos que a mulher é inferior ao homem, não foi isto que ele quis dizer e nem é isso que mostra sua personalidade conforme já citamos em textos tanto de suas epístolas, quanto do livro de Emmanuel, “Paulo e Estevão”.

Na 1ª Carta aos Coríntios ele fala claramente desta igualdade dos dois sexos quando responde aos destinatários da carta algumas questões sobre abstinência sexual. Em determinado ponto ele diz:

Não vos recuseis um ao outro, a não ser de comum acordo… (grifo nosso)

Como vemos, não prega a sujeição de um em relação ao outro, mas que estejam de comum acordo, isto é, em estado de igualdade. E notemos que isto ele fala a respeito de um dos temas mais delicados que é a comunhão sexual; se neste tema que é tão íntimo, onde deve vigorar a mais pura verdade, assim deve ser, por que não deve ser em todas manifestações exteriores?

Assim voltamos a reiterar, qual era o ser humano, que naquele tempo, numa cultura extremamente patriarcal, onde a mulher nem era considerada, tratava com tanta delicadeza a mulher em sua relação com o homem?

1 Lucas, 1: 38

2 Examinaremos melhor este assunto quando comentarmos 1 Coríntios, 11 a a partir do versículo 3

3 2 Coríntios, 11: 2

Exibições: 481

Respostas a este tópico

Ora aqui está a exacta exegese e hermenêutica do que fala o Apóstolo Paulo, quanto a obediências, tão mal explicadas e utilizadas no dia a dia de qualquer cidadão/ã .....  ser literalista ou fundamentalista das e nas religiões mil do mundo, é que existem guerras pessoais e colectivas desajustadas da verdade e da compreensão do que é ser respeitador e cumpridor dos ensinos de Jesus explanados, também, pela boca dos profectas e dos apóstolos. Obrigado por este ensino e tema que a todos nós deve calar fundo na alma.

RSS

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Últimas atividades

Edson Luís da Silva Macedo curtiram a página Regras de Publicação de Amigo Espírita
1 hora atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"QUARENTENA. MORTE. SENTIDO DA VIDA.  Quem decidiu sobre nossa existência, sobre o seu valor? Qual o sentido do Universo e da existência humana? Que é o homem? O fato de ser portador de um diploma, de conhecimentos, leva o…"
6 horas atrás
Ícone do perfilAurora, Marco Túlio Brito e Eliana entraram em RAE
20 horas atrás
Ariel Ale Anjo curtiram a página Regras de Conduta de Amigo Espírita
23 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Prêmio Nobel de Química diz que medidas de isolamento podem ter custado mais vidas do que salvo.  http://www.youtube.com/watch?v=0KfxOFsWwOk"
23 horas atrás
Antonio Carlos G. Sarmento curtiram o perfil de Monica lucio
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Com precaução ninguém morre antes da hora. (1) A autópsia das pessoas que morreram em conexão com o coronavírus tinham pelo menos uma doença anterior. Todos eles teriam morrido no decorrer deste ano.…"
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Confiança em Deus. Há sempre um amanhã, diz o poeta. Você pode esperar. Um lindo amanhã há chegar. Há sempre um amanhã, pra quem vive a sofrer, não custa esperar, você vai ver. E…"
quinta-feira
Nilton Cardoso Moreira comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Muito bem colocado amigo Virgilio. Obrigado pelo comentário."
quarta-feira
Codificador do Paracleto curtiu a postagem no blog Deus é um imenso “inexistir”? (Jorge Hessen) de os pae
terça-feira
Virgilio Augusto Esteves comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Nem a folha da árvore cai sem a permissão de Deus Pai. Acaso é termo Materialista"
terça-feira
Virgilio Augusto Esteves curtiu a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
terça-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço