Todos temos ouvido muitas notícias sobre catástrofes, especulações sobre o fim de mundo que ocorreria em dezembro de 2012 e, daqui para diante, a apreensão e os rumores tendem, é claro, a se intensificar. Já vivemos diversos outros momentos assim – a passagem do cometa Halley e a virada e o Bug do Milênio foram apenas as mais recentes – e esse alarmismo sem qualquer base cientifica não nos deveria perturbar mais.

Mas o fato é que nos atinge, pois todos nós fomos preparados antes dessa encarnação para uma importante mudança e o nosso inconsciente nos diz que o momento é sério. Além disso, os estudiosos da cultura e do calendário Maia, assim como de diversas outras culturas antigas, dizem que, se simplesmente não existe qualquer alusão a fim de mundo, a idéia de transição está colocada. Nisso, aliás, eles coincidem com os mensageiros espirituais – em “Trabalhadores da Última Hora” cap. XX do ESE “Um espírito amigo” também nos fala em transformação da humanidade – e mesmo com o Apocalipse, que não aponta para a destruição do planeta nem para a extinção total da espécie humana.

O próprio Jesus nos evangelhos nos fala de um tempo onde seria feita a separação dos peixes, do joio e do trigo, a apartação das ovelhas e dos bodes ou, sem maiores simbolismos, que numa família um seria levado e o outro deixado. Se não é o fim do mundo, para que tantos alertas? Para bem entender tal questão, e a gravidade do momento por nós vivido, é preciso propor uma visão de perspectiva mais ampla sobre a criação e sobre a história da humanidade na Terra.

Em estudo publicado nessa semana, astrônomos estimaram em dezenas de bilhões os planetas que eles chamam de habitáveis na Via Láctea, nossa galáxia. Aceita-se, por outro lado, a estimativa de que haja, no “universo observável” cerca de cento e setenta bilhões de galáxias. A multiplicação de um número pelo outro gera um terceiro tão grande que nem se usa o termo referente a tal grandeza. Por que, num Universo tão vasto, somente a Terra seria escolhida para ser habitada? Estatisticamente, parece muitíssimo provável que existam outras humanidades no Universo, independentemente de crermos ou não na existência de discos voadores.

Por outro lado, a construção de gigantescos monumentos na Antiguidade, especialmente as pirâmides, sempre desafiou a comunidade científica. Há analistas, inclusive, que entendem que mesmo a humanidade atual, com todo seu impressionante aporte tecnológico, não seria capaz de tal empreendimento hoje. Teria regredido a humanidade? Quem seriam esses seres capazes de tal empreendimento? Por que a humanidade, há séculos, parou de construir tais monumentos?

Segundo dois livros dignos do máximo respeito pela comunidade espírita – Exilados de Capela, de Edgar Armond, e A Caminho da Luz, de Emmanuel/ Chico Xavier – houve um tempo, ao início da jornada propriamente humana na Terra, provavelmente na passagem do planeta do estágio de planeta primitivo para mundo de expiação e provas, em que nossa humanidade recebeu levas de espíritos migrantes de outro planeta, os quais ajudaram a formar nossa humanidade, enxertando com seu desenvolvimento biológico e seu conhecimento científico a humanidade primitiva que aqui habitava.

Ocorre que num planeta distante também ocorria uma transição. Vivera por muito tempo seu estágio de Provas e Expiações e transitava para o estágio de Mundo de Regeneração. Uma parcela de sua população, no entanto, não se mostrou capaz de acompanhar tal mudança por possuir uma “perna” de sua evolução bem desenvolvida, a do conhecimento científico, e outra atrofiada, a do senso moral. Obedecendo ao próprio senso comum que nos diz que “em terra de cego quem tem olho é rei”, para a humanidade terrena esses migrantes planetários foram não só reis, mas gurus, generais, sacerdotes, mestres, deuses, o que responde a pergunta feita em famoso livro, em que Erich Von Daniken questionava em seu título “Eram os deuses astronautas?”.

Eram imigrantes, marcados por um conhecimento incrível para a época, assim como por uma saudade inexplicável, e que, algumas encarnações depois já haviam, em sua maioria retornado ao planeta de origem por haver realizado a iniciação moral que não foram capazes na vivência mais suave do estágio mais desenvolvido. Deixaram um legado fundamental no desenvolvimento da Terra, mas também uma lacuna científica não preenchida pela humanidade remanescente.

Pois bem, nesses anos todos, jamais ficou nossa humanidade sem seus cuidadores e mestres espirituais. Eram todos enviados de uma mesma Governadoria e apenas diferenciaram-se porque precisavam atender a povos com características e estágios diferentes. Tolos são seus seguidores por pretenderem estabelecer uma competição, guerras mesmo, para imporem a pretensa superioridade do seu condutor espiritual, prática que percorre as diversas religiões e civilizações do globo.

No último estágio do ciclo de Provas e Expiações da própria terra, o próprio Governador da Terra veio ao planeta, na figura de Jesus Cristo, parecendo entender, que o trabalho mais importante não deve ser delegado a ninguém, mas sim realizado pessoalmente, no qual anunciou, como visto, que estaria próxima nova transição da Terra. Pois bem os últimos dois mil dos vinte mil anos de provas e expiações transcorreram e a transição já está em curso, tendo ainda encarnada uma importante parte da humanidade ligada à Terra: nós.

Tendo ouvido tantos mestres espirituais, e mesmo o próprio Governador e seus seguidores por tantos séculos, sabendo agora que os melhores alunos não mais precisaram encarnar, mas que nós ainda estamos aqui, como devemos nos considerar? Se alunos que repetiram de ano três ou quatro vezes são considerados multirrepetentes, nós, que ainda estamos aqui depois de vinte, trinta encarnações, podemos nos considerar o que?

Por isso é tão grave nosso atual momento. Se tivéssemos filhos que tivessem ido muito mal na prova do primeiro bimestre por estarem distraídos com lazeres, prazeres e poderes, assim também no segundo, no terceiro e no quarto bimestres mas que ainda a escola, com extrema generosidade, resolvesse inseri-los na recuperação, com a chance de uma prova final, nós os deixaríamos distrair novamente?

Pois no Brasil, possuímos uma bonita música que é dada por muitos como muito sábia, que diz em seu refrão: “O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído”. Outra, igualmente de sucesso, pede “Deixa a vida me levar, vida leva eu”, cantada e composta por um alcoólatra inveterado muito criativo e carismático que se suicida aos olhos de todos. Será que estamos preparados ou ao menos nos preparando para a prova?

As preocupações das pessoas nesse tema são quanto à forma e à data em que o mundo vai “acabar”. De um lado, como vimos, as datas fatídicas passam e o mundo não acaba, e mesmo assim novas datas surgem. De outro, ora dfende-se que o mundo acabará com fogo, ora com água, ora com terremotos e maremotos. E os cataclismos ocorrem – e sempre ocorreram por toda a nossa história – e o mundo igualmente não acaba. Mas, voltando à nossa metáfora escolar, se seu filho passasse o último mês antes da prova final preocupado apenas com o tipo de prova que seria dado, ou com a data em que seria marcada, o que você o aconselharia a fazer? Evidentemente você lhe diria que estudasse, pois esses detalhes não são o mais importante.

Pois o mundo espiritual vem nos dizer que não só o mundo não vai acabar, mas que a transição não se concluirá em 2012. Mas, por outro lado, ninguém garante que você não morrerá amanhã e sua situação se defina. O fato é que, enquanto você está vivo, isto só ocorre porque há um sentido em sua permanência, há uma oportunidade a ser aproveitada.

Mas qual é a matéria a ser estudada? Nada se pode querer acrescentar, no aspecto moral, à mensagem do Cristo que nos orienta a um aprendizado no amor, orientando-nos a amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Estudar e praticar os evangelhos, e transformar-se com tal estudo, é o caminho, “conhece-te a ti mesmo” e “orai e vigiai” são máximas fundamentais para tal estudo-prática-transformação.

Quem irá atender ao convite feito pelo Senhor da Vinha? Quem mesmo nesse chamamento da última hora, ainda vai preferir ficar na praça, distraído?

Exibições: 1037

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

ASSISTA AO VIVO

Artigos Espíritas

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Últimas atividades

LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Jesus e Humanidade. Os bons são tímidos. Clique nos títulos Sônia Formiga, JESUS e Humanidade   https://juli.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=6853186 FORMIGA, “testemunho de fé…"
1 hora atrás
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Espíritos de Pessoas Vivas: Uma História de Reconciliação de PATRIZIA GARDONA
12 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
" Evolução da Inteligência. Neuroplasticidade, https://www.facebook.com/groups/1499993836709886/permalink/2747572258618698/"
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"  SENADO FEDERAL. Sessão para homenagear Allan Kardec. https://www25.senado.leg.br/web/atividade/notas-taquigraficas/-/not... Então, com a palavra, Haroldo Dutra Dias. Muita honra e alegria passar a palavra para V. Exa.…"
ontem
Ícone do perfilRafael Fernandes Clementino, Veronica M. dos Santos Teixeira, ANTONIO LUCIO DE O. CORREIA e mais 4 pessoas entraram em RAE
ontem
Marco Túlio Ferreira Silva respondeu à discussão Questão 124 de "O Livro dos Espíritos" de Marco Túlio Ferreira Silva
"Não o bicho homem, mas todo esse universo. A criação Divina está antes desse universo. O homem, o animal, o tempo, o espaço, a energia, enfim , a matéria é criação da criatura que negou…"
segunda-feira
Euripedes Mariano da Cunha respondeu à discussão Questão 124 de "O Livro dos Espíritos" de Marco Túlio Ferreira Silva
"Se o bicho homem não é criação de Deus, então existe outra Inteligencia superior a Deus que contraria a vontade de Deus e cria por sua conta própria, ou sjea, Deus já não é mais a causa…"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA respondeu à discussão SUICÍDIOS E TIRANOS DISFARÇADOS de Amigo Espírita no grupo Artigos Espíritas
"O Ator Carlos Vereza comentou que é preciso deixar de olhar o mundo através de viseiras…"
domingo
Luiz Claudio Macedo de Oliveira curtiu a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
domingo
Luiz Claudio Macedo de Oliveira curtiram o perfil de Nadia Rosangela
domingo
Luiz Claudio Macedo de Oliveira curtiram a página Bate-Papo de Amigo Espírita
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Afastemo-nos, das nossas inibições e aprendamos com o Cristo a “sair para semear”. Fonte Viva, 64. Emmanuel/Chico Xavier http://bibliadocaminho.com/ocaminho/txavieriano/livros/Fv/Fv64.htm"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
" Nós temos uma missão nesta Terra, nesta vida, temos que cumpri-la e fazer com que esses ensinamentos possam ser cada vez mais divulgados e propagados nas nossas atividades para a nossa sociedade como um todo. Homenageio aqui…"
domingo
Carlos Pretti - SCEE postou um evento
Miniatura

“O que fazer quando não há mais nada a fazer?”, com Dr. Aldeniz Leite em Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas

26 janeiro 2020 de 9 a 10:15
“O que fazer quando não há mais nada a fazer?”, este será o tema da palestra do psiquiatra, pesquisador e escritor Dr. Aldeniz Leite de São Paulo-SP, no próximo domingo 26 de janeiro de 2020, de 09 às 10h. da manhã na Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas. Dr. Aldeniz Leite da Silva Júnior nasceu em Belém do Pará, formou-se médico em sua cidade natal e transferiu-se…Ver mais...
sábado
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Eusébio, “No Mundo Maior”. André Luiz/Chico Xavier, cap.2. Sejamos instrumentos do bem, acima de expectantes da graça. A tarefa demanda coragem e suprema devoção a Deus. Sem que nos convertamos em luz,…"
sábado
LENICE AGEMIRO SILVEIRA curtiram o evento Estreia no teatro A História Nunca Contada de Allan Kardec, O Cientista do Infinito de Erika Silvira
sábado

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço