Sexo e Doutrina

Grupo destinado às reflexões sobre os conhecimentos oferecidos pela Doutrina Espírita, com relação ao sexo

Homossexualismo – uma visão espírita (Emmanuel – Sexo e Destino)


Homossexualismo – uma visão espírita


Ao contrário do que muitos possam imaginar, a posição da doutrina espírita não é de condenação ao homossexual. Aliás, a filosofia espírita não possui a característica da condenação de quaisquer atos ou posturas. Ao invés disto, estuda e compreende a origem dos problemas procurando esclarecer os indivíduos e não condená-los.
Todas as tendências, vocações ou inclinações psicológicas não são decorrentes apenas das experiências da nossa vida atual. Nossa história é muito mais antiga e complexa do que possa parecer. Se é verdade que a gestação é uma fase extremamente importante na transmissão de energias mentais da mãe para o filho e vice-versa, se é real que nosso psiquismo se consolida através das experiências das diversas etapas infantis e juvenis, há muito além disto. Trazemos nos mais profundos arquivos do inconsciente um somatório de vivências tanto felizes como desagradáveis. Alegrias, decepções, momentos de enlevo ou traumas violentos foram por nós assimilados em vidas passadas. Construímos energias, em nós mesmos, que poderão permanecer conosco durante séculos.
A homossexualidade é uma dificuldade de adaptação do espírito a sua condição biológica. Neste grupo, estamos incluindo todos os indivíduos em desequilíbrio sexual com seu organismo que procuram exercer a fisiologia sexual com parceiros do mesmo sexo, em prática incompatível com a natureza que elaborou dois sexos opostos e complementares. Trata-se de um desajuste, algo a ser corrigido, amparado com respeito e tratado. Não perseguido ou discriminado mas também não encoberto sob a falsa interpretação de " uma livre opção sexual ". Não existe 3° , 4° ou outro sexo. Existem, em nosso planeta, apenas dois de polaridades opostas.
A não discriminação do homossexual e o respeito que se deve ter para com estes irmãos não exclui, no entanto, que se trata de uma dificuldade sexual dos mesmos. Dificuldades ou desajustes emocionais (ou físicos), constituem-se sempre em uma patologia. Quando se menciona o termo patologia há, imediatamente, uma reação de determinados grupos pois logo associam à discriminação. Voltamos a insistir, o homossexual não está sendo, pela doutrina espírita, excluído, pelo contrário, compreendido e amparado. O que constitui patologia é, pois, sua inadaptação psíquica a uma realidade biológica programada para a existência atual.
A origem do comportamento homossexual deve-se a um conflito entre a estrutura do consciente, ou organização biológica, e as regiões do inconsciente ou estruturas espirituais, em desarmonia energética. Conforme sabemos, qualquer postura mental gera núcleos de vibração nas estrutura do inconsciente. Posturas mentais, reforçadas por atitudes, intensificam esses campos de vibração. Desta forma, compreende-se que atitudes de exacerbação sexual com desvios de conduta, especialmente quando prejudicam outros indivíduos, gravam-se indelevelmente nos campos energéticos do espírito. Ao reencarnar, estes desvios energéticos, ou exacerbações da polaridade sexual, determinam conflitos psico-sexuais sérios especialmente se o espírito necessitar renascer em sexo oposto ao da encarnação anterior.
Homens e mulheres nascem homossexuais com a destinação específica do melhoramento espiritual, jamais sob o impulso do mal.
Os homossexuais, homens ou mulheres, assim, são criaturas em expurgo de faltas passadas, merecedoras de compreensão e sobretudo esclarecimento.
Tornam-se carentes diante da Bondade do Pai, que jamais abandona Seus filhos.
Terão renovadas chances de aperfeiçoamento espiritual, eis que a Reencarnação é escola que aceita infinitas matrículas, inda que na mesma série.
Os verdadeiros espíritas e os verdadeiros cristãos, que são a mesma coisa, sentem um enorme dó diante de uns e outros - os homossexuais e os seus radicais detratores.Entendem que os primeiros estão com sofrimentos e que os segundos estão plantando espinhos.Em tempos próximos (crêem os espíritas), a sociedade como um todo compreenderá que tais desajustes representam quebra de dura disciplina, solicitada ou aceita, anteriormente a reencarnação.
Os homossexuais não são passíveis de críticas, senão de esclarecedoras luzes espíritas em suas sensíveis almas, iluminando seu presente.

A Família

A homossexualidade, seja "provação", seja "expiação", sempre coloca seu portador em situação delicada perante a sociedade, já a partir do lar.
Em casa, de nada adiantarão brigas entre os pais, menos ainda acusações recíprocas. Violência ou ameaças contra os filhos portadores da homossexualidade, geralmente agravarão a convivência, tornando-a insuportável.
O confronto entre os costumes sociais e as exigências da libido já expõe o homossexual a um penoso combate, pelo que precisa ser ajudado. Dificilmente, sem ajuda externa, ele se livrará dos perigosos caminhos do abandono do lar, da promiscuidade, dos tóxicos, da violência e até mesmo do crime.
É no meio familiar que o homossexual deverá encontrar sólidos alicerces preparativos para os embates da vida, contando com o incomparável arrimo da compreensão, principalmente do respeito.
Pela Lei de Justiça divina, esse filho ou essa filha estão no lugar certo, entre as pessoas também certas: sua família.
Os pais, assim evangelizados, jamais condenarão o filho ou a filha, mas também jamais deixarão de orientá-los quanto à necessidade do esforço permanente para manter sob controle os impulsos da homossexualidade.
"Manter sob controle" é entender, prospectivamente, que tal tendência tem raízes no passado, em vida anterior, e que somente a abstenção, agora, livrará seu portador de maiores problemas, já nesta, quanto em vidas futuras...
"Manter sob controle", ainda, é perseguir a vitória na luta travada entre o "impulso" e a "razão", ou melhor, entre o corpo, exigente desse prazer e o Espírito, decidido à conquista da normalidade sexual.
A oração, o Evangelho e a vontade, juntos, darão ao homossexual outros prazeres, outras compensações, pacificando assim corpo e Espírito.
A fé em Deus e a certeza das vidas futuras, sem tais infelicidades, serão inestimável catalisador para o êxito.Nesses problemas, como em todos os demais, a união familiar e a companhia de Jesus constituem sempre a melhor solução.

Concluindo

"Diante de toda e qualquer desarmonia do mundo afetivo, seja com quem for e como for, colocai-vos, em pensamento, no lugar dos acusados, analisando as vossas tendências mais intimas e, apos verificardes se estais em condições de censurar alguém, escutai, no âmago da consciência, o apelo inolvidável do Cristo: Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei". (Emmanuel – Sexo e Destino)

 

Veja também

Homossexualismo

Homossexualidade analisada pela ótica Espírita' – Artigo Giselle Fachetti Machado

A Homossexualidade sob a ótica do espírito imortal

Amor Incondicional - Aloísio Carlos Silva'

Espiritismo e homossexualidade

Homossexualismo

Homossexualismo - Vamos falar sobre?'

Homossexualismo na Visão Espírita Paulo da Silva Neto Sobrinho

O Que a Bíblia e os Espíritos Dizem Sobre o Homosexualismo

O Sexo e a Homossexualidade a luz da Doutrina Espírita

Pedofilia e Espiritismo

Problemas Conjugais

Relações Homoafetivas

Vampirismo sexual

'Visão Espírita da Sexualidade''

 

Conversando com Divaldo Franco: Homossexualismo e Sonhos Áudios extraídos da série de vídeos "Conversando com Divaldo Franco" produzido Pela Emissora da Fundação Espírita André Luiz

 

Vídeo: Pinga Fogo 1971 Homossexualismo

  • para cima

    Margarida Maria Madruga

    José Aparecido,

    É comum para a minha pessoa a convivência com seres homossexuais, pois sempre trabalhei com o público de forma geral.

    Em casas espíritas conheci muitos médiuns homossexuais e possuo muitos amigos, os quais, não prejulgo.

    A DISCRIMINAÇÃO é a pior maneira de lidar com o problema. Há seres encantadores e desencantadores, como em qualquer outra preferência sexual.

    O texto foi colocado de forma muito FELIZ.

    Obrigada.

  • para cima

    maria jose gomes

    Creio que qdo fala em Patologia e em ajudar a reprimir ou mudar a orientação sexual de homosexuais, ja é uma discriminação. Assim como trazemos de outras vida, mtas facilidades e dificuldades em mtas áreas da vida e estas geralmente não são vistas como Patológicas. A função do ser em evolução é se aceitar, melhorar, se reequlibrar na vida, tentar ser feliz nas escolhas que fez. Ouvi uma gravação do Divaldo Franco onde ele dizia coisas mto logicas e sensatas sobre isto, sem colocar como patologico a homossexualidade. Mas colocando esta direção sexual tb como maneira de aprendizagem, como tudo a que nos propomos para nossa vida. Repensar este assunto. 

  • para cima

    Leonardo Pasini

    Os transtornos da sexualidade ocorrem tanto na homo como na heterossexualidade.  Logo não  faz sentido  taxar o homossexualismo como doença se tem muitos heterossexuais  doentes também. Ainda mais que como espíritas  o sexo é alem  da carne e das sensações como diz   no capítulo 9  psicografado por chico do sexo e destino