O tema relativo à morte cerebral tem sido largamente discutido na atualidade, motivado por dois principais aspectos. O primeiro diz respeito ao prolongamento da vida de pacientes que agonizam, por vezes durante semanas, até mesmo meses, em unidades de tratamento intensivo, quando recursos de alta tecnologia podem ser empregados com finalidade de prolongamento da vida física. O segundo relaciona-se com a doação de órgãos para transplante, discutido em toda a imprensa de nosso país, em virtude da recente lei que passou a considerar a todos como doadores potenciais, caso não se manifestem previamente em contrário.

Como se sabe, há casos de transplantes, como o do coração, por exemplo, em que o órgão precisa ser retirado do doador, estando esse ainda com vitalidade, caso contrário o transplante não se faz com sucesso. A questão que surge, então, e que tem sido alvo de discussão por parte da sociedade, é a da determinação do momento da morte.

Tradicionalmente, a morte sempre foi associada à parada dos batimentos cardíacos, desde épocas remotas. Com o tempo e os avanços da Fisiologia, o cérebro foi ganhando mais importância do que o coração, na consideração do diagnóstico de morte. A primeira definição de morte encefálica foi divulgada por volta de 1968 por uma comissão especialmente criada para essa finalidade na Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos. Essa comissão deslocou o conceito de morte da parada cardíaca para a morte encefálica.

A legislação brasileira sobre o assunto decidiu que o diagnóstico de morte encefálica deveria ser definido pelo Conselho Federal de Medicina, o que resultou na Resolução n° 1346-91.

Mais tarde, os critérios foram aperfeiçoados pela Resolução n° 1480-97, do Conselho Federal de Medicina, atualmente em vigor. Além de estabelecer critérios clínicos precisos para diagnóstico, a Resolução do CFM recomenda, ainda, para pacientes acima de dois anos de idade, a realização de exame complementar dentre os que analisam a atividade circulatória cerebral ou sua atividade metabólica. Para pacientes acima de uma semana de vida, até dois anos de idade, sugere-se a realização de um eletroencefalograma, com intervalos variáveis de acordo com a idade.

Tal recomendação é oportuna e revela uma grande cautela, porque em vários outros países, inclusive nos Estados Unidos, curiosamente, tais exames complementares são dispensados pela lei, e o diagnóstico de morte cerebral é feito somente com base no exame clínico.

O diagnóstico de morte cerebral, entretanto, não impede e nem dispensa a adoção de qualquer atitude terapêutica pertinente, na opinião da maioria dos neurologistas. Significa, apenas, para o momento dos nossos conhecimentos médicos, "a impossibilidade do retorno à vida".

No futuro, é possível que critérios de morte encefálica possam ser modificados, pois a Ciência avança a cada dia.

Novidades acontecem, e já há até quem defenda certas técnicas de hipotermia (abaixamento da temperatura do corpo), que teriam a possibilidade de recuperar casos antes tachados de irreversíveis. Todavia, esse é o modo como os neurologistas encaram o problema atualmente.

E do ponto de vista espiritual, o que podemos dizer?

Em 1857, quando da publicação de O Livro dos Espíritos, a humanidade ainda não se defrontava com transplantes e UTIs, de forma que não há referências a essas questões no Capítulo III, da Segunda Parte, que trata da volta do Espírito ao Mundo Maior. Os Espíritos Superiores fixam o instante da morte no momento em que, "rompidos os laços que retinham o Espírito, ele se desprende" (O Livro dos Espíritos, questão n° 155).

Evidentemente que nenhum método diagnóstico utilizado pela medicina é capaz, até o momento, de precisar o instante em que o Espírito se desprendeu do corpo físico definitivamente. Os métodos de que dispomos nos informam que o cérebro está impossibilitado de expressar o Espírito, somente isso.

Por outro lado, a questão n° 156 diz que "na agonia, a alma, algumas vezes, já tem deixado o corpo; nada mais que a vida orgânica...", sugerindo que o desprendimento já ocorreu, a desencarnação já se consumou, embora o coração continue a bater.

Consequentemente, do ponto de vista espiritual, tanto o corpo pode funcionar, tendo a desencarnação já se efetivado, quanto pode ocorrer a morte cerebral e o Espírito não ter ainda efetivado sua liberação total da carne.

A morte cerebral, no atual estágio dos nossos conhecimentos, representa apenas uma impossibilidade/irreversibilidade de expressão via corpo físico, mas não representa o instante da desencarnação, nem a garantia de que o Espírito já tenha partido definitivamente. A pergunta l56 diz que a situação descrita (desprendimento do Espírito com o corpo ainda funcionando) acontece algumas vezes e não todas as vezes.

Por isso mesmo, temos de encarar tal questão com bastante cautela e humildade, reconhecendo, como em muitas outras questões, que será necessário aguardar mais um pouco para o surgimento de informações mais esclarecedoras. Até lá, prudência e paciência são o mais aconselhável.

Não se pretende aqui a defesa do prolongamento artificial, muitas vezes agressivo e doloroso, do paciente indubitavelmente agônico; mas recomenda a Ética que medidas básicas sejam empregadas para deixar que a Vida decida pela permanência ou não do indivíduo no corpo físico.

A doação de órgãos é sublime, na medida que uma vida física inviável proporciona vitalidade a outra com possibilidades de permanência no campo físico. Entretanto, tal doação precisa respeitar, em primeiro lugar, a existência que está findando, caso contrário não podemos garantir que o ato ocorreu dentro de um sentido ético, ainda mais levando em conta a correria desenfreada que se instalou na busca por um transplante.

Eutanásia e homicídio são situações delicadas frente às Leis Divinas. Avanços da Ciência e mais informações da Espiritualidade auxiliarão os homens, com certeza, a definir melhor certos pontos ligados à morte cerebral e ao momento do desenlace, que não estão ainda devidamente - do ponto de vista espiritual - esclarecidos.

Gilberto Perez Cardoso-Fonte- Estudando o Espiritismo

 

Boletim do SEI – nº 1569 – 256/4/98. (Jornal Mundo Espírita de Julho de 1998)

Exibições: 524

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

É sempre tempo de receber visitas (por Jane Maiolo)

É sempre tempo de receber visitas

Por Jane Maiolo

Pois, se nem ainda podeis as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras?” (1) Lucas 12:26

 …

Em geral o Espiritismo não trabalha com datas predefinidas para acontecimentos.

Em geral o Espiritismo não trabalha com datas predefinidas para acontecimentos.

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Desde que o mundo é mundo o homem busca, por meio das previsões, antecipar-se…

Reflexões sobre ações e críticas

            Você já se perguntou o que é a verdade? Jesus ao ser indagado por P Pilatos, na descrição do Evangelho segundo João, capítulo XVIII, respondeu com o maior silêncio que a humanidade já ouviu. Tenho me perguntado por que Ele adotou tal postura?   

            Neste…

Espiritualidade em comportamento de crise (por Jane Maiolo)

Espiritualidade em comportamento de crise

Por Jane Maiolo

 

Então disseram os fariseus entre si: vede que nada é proveitoso! Eis…

Chico Xavier - O servidor

Compartilhamos com os amigos da RAE este belo artigo.

Sds



Atribuem a Mark Twain a citação da seguinte frase: “Não gosto de elogios.
Nunca acho que falaram o…

Últimas atividades

Ícone do perfil via Twitter
"Dupla Renovação" - Evangelho na Rede com Carla Fabres assista pelo youtube https://t.co/LskC5XrOtb https://t.co/WRRLex2Tvw
Twitter4 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Energia Mental e Saúde Espiritual - Estudo Reflexivo com Alírio de Cerqueira Filho assista pelo youtube… https://t.co/pPiCsHzZuv
Twitter15 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Tempos de mudanças - Carlos Alberto Braga assista pelo youtube https://t.co/Azxrat1eNP https://t.co/pGtwvic8ME
Twitter16 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
O Espiritismo - Palestra com Revair Lopes assista pelo youtube https://t.co/zsWPOFdU2n https://t.co/cO7HS642Ol
Twitter16 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
Onde está o teu coração, aí está o teu tesouro - Hélio Tinoco assista pelo youtube https://t.co/CzSYpcJ024 https://t.co/bqR774JCaV
Twitter16 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
"A herança do pecado" - Mauro Rodrigues assista pelo youtube https://t.co/ceDagqztEt https://t.co/phVohEizh0
Twitter16 horas atrás · Responder · Retweet
Diovani Souza curtiu a postagem no blog ACEITAÇÃO de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
16 horas atrás
Diovani Souza curtiu a postagem no blog Esquecimento do passado e consciência de PATRIZIA GARDONA
16 horas atrás
Diovani Souza curtiu a postagem no blog SUA FÉ SUPORTA AS TEMPESTADES DA VIDA ? de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
16 horas atrás
Diovani Souza curtiu a postagem no blog Como os Espíritos nos Influenciam? de PATRIZIA GARDONA
16 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
Tempos de mudanças - Carlos Alberto Braga assista pelo youtube https://t.co/Azxrat1eNP https://t.co/PHqtzba1Xc
Twitter17 horas atrás · Responder · Retweet
Ícone do perfil via Twitter
"SUA FÉ SUPORTA AS TEMPESTADES DA VIDA ?": https://t.co/00TpXxpWb2
Twitter18 horas atrás · Responder · Retweet
Posts no blog por ANA MARIA TEODORO MASSUCI

SUA FÉ SUPORTA AS TEMPESTADES DA VIDA ?

Então Jesus entrou na barca, e seus discípulos o acompanharam. E eis que houve grande agitação no mar, de modo que a barca estava sendo coberta pelas ondas. Jesus, porém, estava dormindo. Os discípulos se aproximaram e o acordaram, dizendo: - Senhor, salva-nos, porque estamos afundando!Jesus respondeu:- Por que vocês tem medo, homens de pouca fé?E, levantando-se, ordenou os ventos e o mar, e tudo ficou calmo. Os homens ficaram admirados e disseram:- Quem é esse que até os ventos e o mar lhe…Ver mais...
18 horas atrás
Ícone do perfilSusana Schulz e claudia martins entraram em RAE
18 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
"Como os Espíritos nos Influenciam?" : https://t.co/QKfn2ID0oj
Twitter18 horas atrás · Responder · Retweet
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA

Como os Espíritos nos Influenciam?

Primeiro, porque estão ao nosso lado e vêem tudo o que fazemos. Não existe um segredo que possamos esconder deles – mesmo aqueles que escondemos de nós mesmos.Além disso, existem os espíritos que conhecem também os atos que praticamos em outras vidas e dos quais, momentaneamente, não nos lembramos.É muito mais fácil esconder algo de pessoas vivas do que dos…Ver mais...
18 horas atrás
Joao Iudes Nodari curtiram a discussão RESILIÊNCIA – Espiritismo e Espírita de Feeak Minas
19 horas atrás
Joao Iudes Nodari curtiram a discussão RESILIÊNCIA – Espiritismo e Espírita de Feeak Minas
19 horas atrás
Ícone do perfil via Twitter
Onde está o teu coração, aí está o teu tesouro - Hélio Tinoco assista pelo youtube https://t.co/CzSYpcJ024 https://t.co/gXckUhco85
Twitter20 horas atrás · Responder · Retweet
luis conforti junior respondeu à discussão "QUANDO NÃO APRENDE ATRAVÉS DO AMOR, APRENDE-SE ATRAVÉS DA DOR" de rosyres mendes
"Amigo Pimentel, peço ao amigo que me indique como abrir novo tópico, q não mais encontro as instruções para isso."
20 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

Badge

Carregando...

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço