Desde o mito da Criação, no Velho Testamento, temos a indicação da existência do mecanismo de Ação e Reação vinculado às atitudes humanas.

A ação de Eva, contrariando a ordem Divina – e aqui se entenda como sendo a Lei de Deus – é seguida de consequências nefastas para ela e para Adão, e o mesmo se dá com seus filhos, no episódio em que Caim tira a vida de Abel.

Nossos comportamentos geram reações correspondentes ao prejuízo ou benefício causados, conforme atesta o Senhor Jesus, quando disse que se dará “a cada um segundo as suas obras”, e isso não mais é segredo para ninguém.

Ao experimentarmos as consequências do que fazemos, temos condições de sedimentarmos em nós o que é bom, o que é útil, porque estará de acordo com a Lei Divina, que é de Amor, tanto quanto temos condições de sentir o amargor das ações infelizes, que acabam por nos fazer entender o que devemos evitar e como devemos agir.

Poderíamos dizer, em raciocínio simples, que são de dois tipos as consequências daquilo que fazemos: o primeiro é quando o prejuízo é pessoal, e o segundo quando o prejuízo é causado a terceiros.

Mas, não é bem assim. Como vivemos em sociedade, todo e qualquer prejuízo a nossa pessoa decorrente de reações às nossas ações, acaba por alcançar pessoas que dividem seus projetos reencarnatórios conosco. Ao experimentarmos situações difíceis, sofrimentos físicos ou emocionais, acabamos por causar algum transtorno em suas vidas.

O nosso comportamento sempre tem a ver com a vida alheia, e sempre seremos responsabilizados por isso.

Ocorre, no entanto, que o egoísmo e o orgulho que existem em nós, acabam por obscurecer-nos o raciocínio moral, e não levamos em conta o quanto afetamos as pessoas.

Chegamos mesmo a dizer “que os incomodados é que se mudem”, “se não me quer tem quem quer”, “ninguém tem nada com isso”, e por aí se vai.

Poder-se-ia argumentar que se alguém sofre pelo nosso jeito de agir é porque precisa passar pelo que geramos com nossas atitudes, mas não é bem assim.

Nomeando essas situações de “escândalo”, Jesus disse que são necessárias na vida das pessoas, mas ai daquele que fosse o gerador do mal estar. É que todo constrangimento, todo prejuízo e toda dor causados, diretamente ou não, contrariam a Lei de Amor e, por isso, causam sofrimento aos que os praticam.

A nossa educação moral, portanto, faz-se necessária e com urgência, para nosso próprio benefício. A ela nos conduz a Doutrina Espírita, ao apresentar-nos a realidade maior na qual estamos inseridos, como funciona a dinâmica da vida em toda a sua operacionalidade, acabando por demonstrar que a felicidade que almejamos está, justamente, a cargo de nossas próprias mãos.

Segundo o eminente e influente psicólogo e educador Howard Gardner, e de acordo com as modernas premissas para uma educação consoante ao século vinte e um, para as relações sociais a educação reclama, entre outras coisas, dois comportamentos pessoais: o Respeitoso e o Ético. O primeiro trata do respeito que devemos dedicar às pessoas, aceitando-as como são, sem as prejudicar, e o segundo reclama o exemplo pessoal que se deve dar na vida de relação.

Nada mais do que ensinam Nosso Senhor Jesus Cristo e a Doutrina Espírita.

Pensemos nisso.

Antônio Carlos Navarro

Exibições: 126

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Últimas atividades

Edson Luís da Silva Macedo curtiram a página Regras de Publicação de Amigo Espírita
18 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"QUARENTENA. MORTE. SENTIDO DA VIDA.  Quem decidiu sobre nossa existência, sobre o seu valor? Qual o sentido do Universo e da existência humana? Que é o homem? O fato de ser portador de um diploma, de conhecimentos, leva o…"
23 horas atrás
Ícone do perfilAurora, Marco Túlio Brito e Eliana entraram em RAE
ontem
Ariel Ale Anjo curtiram a página Regras de Conduta de Amigo Espírita
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Prêmio Nobel de Química diz que medidas de isolamento podem ter custado mais vidas do que salvo.  http://www.youtube.com/watch?v=0KfxOFsWwOk"
ontem
Antonio Carlos G. Sarmento curtiram o perfil de Monica lucio
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Com precaução ninguém morre antes da hora. (1) A autópsia das pessoas que morreram em conexão com o coronavírus tinham pelo menos uma doença anterior. Todos eles teriam morrido no decorrer deste ano.…"
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Confiança em Deus. Há sempre um amanhã, diz o poeta. Você pode esperar. Um lindo amanhã há chegar. Há sempre um amanhã, pra quem vive a sofrer, não custa esperar, você vai ver. E…"
quinta-feira
Nilton Cardoso Moreira comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Muito bem colocado amigo Virgilio. Obrigado pelo comentário."
quarta-feira
Codificador do Paracleto curtiu a postagem no blog Deus é um imenso “inexistir”? (Jorge Hessen) de os pae
terça-feira
Virgilio Augusto Esteves comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Nem a folha da árvore cai sem a permissão de Deus Pai. Acaso é termo Materialista"
terça-feira
Virgilio Augusto Esteves curtiu a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
terça-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço