De Sonda nas Mãos e Consultando os Ventos

         "Kardec sempre se preocupou com a necessidade de expressar os conceitos espíritas com termos que não causassem confusão nem fossem considerados ambíguos. Da mesma forma, ele sabia por experiência própria que o Espiritismo teria “principalmente, no começo, de lutar contra ideias pessoais, sempre intransigentes, tenazes, difíceis de se harmonizar com as ideias de outrem e contra a ambição dos que querem ligar, a todo o custo, o seu nome a uma inovação qualquer, que inventam novidades só para poderem dizer que não pensam e não fazem como os outros, ou porque o seu amor próprio se revolta por terem de ocupar um lugar secundário”[1].

         Desta citação, ouso cortar somente a expressão “no começo”, pois se esta luta existia ao tempo de Kardec, hoje ela parece estar ainda mais gritante. De um lado observamos médiuns estrelas, considerados verdadeiros oráculos de sabedoria e editoras conduzidas por médiuns psicógrafos, algumas criadas com o honesto e verdadeiro sentimento de contribuir com a mensagem espírita, já outras nascidas apenas do orgulho ferido do seu fundador por não terem as “suas obras” [DOS ESPÍRITOS, ressalve-se] o reconhecimento que deveriam; Por outro lado, vemos trabalhadores dedicados ao estudo da doutrina serem ignorados, escanteados mesmo, seja por não produzirem novidades a todo o momento, seja pelo fato de não concordarem com estas supostas novidades surgidas, normalmente, de uma interpretação apressada e equivocada dos ensinos espíritas.

         Normalmente, são por estes motivos que as tentativas de adulteração doutrinária acontecem. Adulterar significa deturpar, deformar, falsificar algo. Dentro do movimento espírita está associado às tentativas de modificar os conceitos espíritas sem uma fundamentação séria, consistente e coerente seja científica seja filosófica. Normalmente as tentativas são equivocadas e fruto de puro desconhecimento dos mais básicos princípios do Espiritismo. De outras, são fruto de mentes desencarnadas ardilosas, especialistas em misturar o joio ao trigo, que articulam seus planos no mundo espiritual e que as publicam no meio espírita através de médiuns invigilantes, ingênuos e que só caem em suas armadilhas porque são imprudentes.

         De acordo com José Herculano Pires, “qualquer obra que pretenda superar Kardec ou subestimar a Doutrina Espírita precisa ser submetida à prova de toque. E essa prova só pode ser feita de duas maneiras: de um lado conferindo-se a pretensa superação com a obra de Kardec para verificar-se qual das duas está mais coerente e apresenta maior coesão, maior unidade e firmeza nos seus princípios; de outro lado, conferindo-se, como recomenda o próprio Kardec, os princípios da pretensa superação com as exigências do pensamento atual em todos os campos da nossa atividade mental” [2].

         Kardec sempre esteve atento a este fato. Tanto que afirmou ser indispensável para a unidade futura do movimento espírita que todas as partes da Doutrina fossem determinadas com clareza e precisão, sem que nenhuma ficasse mal definida. “Neste sentido temos feito todo o esforço para que os nossos escritos não se prestem a interpretações contraditórias e esforçar-nos-emos por manter esta regra” [1]. Sobre este assunto, o codificador elencou três pontos que considerou de importância capital para a unidade futura do Espiritismo:

1)     O primeiro ponto é utilizar-se sempre de uma linguagem objetivo, clara e precisa como “dois mais dois é igual a quatro”. Desta forma, ninguém ousará dizer que é cinco. “Poder-se-ão formar, fora da Doutrina, seitas que não adotem alguns ou todos os princípios; não no seio dela, por interpretação do texto, como se tem formado, tão numerosa, sobre o sentido das palavras do evangelho” [1]. Sobre este ponto indico para leitura o texto “A importância da nomenclatura para a unidade futura do Espiritismo” como forma de complemento e melhor compreensão das ideias aqui inseridas.

2)     O segundo tem a ver com a importância de não sairmos do círculo das ideias práticas. Ou seja, “se é certo que a utopia de hoje se torna muitas vezes a verdade de amanhã, deixemos que o futuro realize a utopia de hoje, mas não enredemos a doutrina com princípios que possam ser considerados quimeras e a tornem rejeitada pelos homens positivos” [1]. Este ponto é perfeitamente aplicável às inúmeras novidades que se publicam hoje na vasta literatura espírita: seja o perispírito com órgãos de tipo físico, sejam os vários corpos que teria o perispírito, seja uma técnica que se propõe a resolver todos os problemas obsessivos considerados ‘complexos’ ou a existência de crianças com nomes de pedras preciosas, todos estes assuntos deveriam ser estudados com muito mais prudência e cautela pelos espíritas, principalmente antes de serem divulgados. Utopias são consideradas verdade sem um mínimo de pesquisa, estudo e reflexão. Normalmente, basta que um livro seja publicado ou um médium a divulgue, principalmente se ele for famoso. Insere-se aí a estapafúrdia ideia de se poder existir gravidez e reencarnação no mundo espiritual. “Kardec sustentou sempre a necessidade de pesquisas para a comprovação de certos dados transmitidos por via mediúnica. Ele não aceitou as informações dadas por Mozart e Bernard Palissy através do médium Camille Flammarion e nem mesmo considerou verídicos os desenhos famosos de Victorien Sardou sobre a possível vida em Júpiter. Acatou-as como manifestações curiosas da mediunidade e sugestões do que poderia haver em mundos superiores à condição da Terra” [3]. Como seria bom se muitos dos expositores espíritas, editores e escritores, não esquecendo os médiuns, copiassem esta postura de Kardec no seu dia a dia. Teríamos um movimento espírita muito mais maduro e coeso.

3)     O terceiro ponto tem a ver com a característica essencialmente progressiva da doutrina. Kardec sempre cuidou de não envolver o Espiritismo em sonhos irrealizáveis e nem por isso ela ficou estática, imóvel. Entretanto, vale a pena deixar claro que mesmo “seguindo [...] o movimento progressivo, cumpre-lhe guardar a maior prudência e livrar-se dos devaneios, das utopias e de sistemas. É preciso andar a tempo, nem muito depressa, nem muito devagar e com conhecimento de causa” [1]. Ou seja, a doutrina vai evoluir, já que isso faz parte da sua natureza, mas, deve ser com os pés no chão e não de forma atabalhoada, sem estudo, sem critérios, sem pesquisa. É por isso que “antes de pensar em ‘novas revelações’, o de que precisamos com urgência é de estudo sistemático e mais aprofundado da obra de Kardec, incluindo não só os tomos da Codificação mas também a Revista Espírita, por ele mesmo indicada como indispensável ao bom conhecimento da doutrina” [4]. 

         A compreensão exata e profunda destes três pontos nos permite não só compreender melhor o Espiritismo e a sua força, mas, e acima de tudo, nos auxilia no combate às tentativas de deturpação doutrinária que vem surgindo no movimento espírita através de obras suspeitas. É por isto que Kardec afirma que “a Doutrina tendo caminhado por esta via desde a sua origem, seguiu avante constantemente, mas sem precipitação, examinando sempre se é sólido o terreno em que põe o pé, e medindo os passos com respeito à opinião. Tem andado como o navegante: de sonda nas mãos e consultando os ventos” [1]. E é assim que deve andar o espírita antes de resolver publicar qualquer novidade com o rótulo espírita, sempre investigando, pesquisando e consultando os Espíritos através das esquecidas evocações.

         Para finalizar, concordo com o J. Herculano Pires quando afirma que “estudar Kardec, pondo de lado todas as tentativas de desfiguração da mesma que foram semeadas no meio doutrinário por seus pretensos superadores, já é uma contribuição, por modesta que seja, ao reconhecimento da abnegação do mestre. E mais do que isso, o estudo sério, consciencioso, respeitoso dessa obra monumental, é dever de todos os que a seguem como filosofia de vida, mesmo que tropeçando nas pedras do caminho” [3]."

 

Referências:

1.     KARDEC, Allan. Obras Póstumas. SP – LAKE, 2007. Segunda Parte, p. 282 a 284.

2.     PIRES, J. Herculano. A Pedra e o Joio. 3ª Ed, SP – Paideia, 2005, p. 12.

3.     ______. O Mistério do Ser ante a Dor e a Morte. 3ª Ed, SP – Paideia, 1996, p. 41, 42 e 81.

4.     RIZZINI, Jorge. J. Herculano Pires – O Apóstolo de Kardec. 1ª Ed, SP – Paidéia, 2001, p. 246.

Texto de Anderson Santiago  http://analisesespiritas.blogspot.com.br/

Exibições: 157

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

Comentário de Zélia C. M. Areal em 30 julho 2012 às 23:24

Excelente!

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

A convivência familiar na pandemia.

A convivência familiar na pandemia.

 

A impermanência das situações existenciais necessita estar em  nossas reflexões .

Por quê?

Simples, porque as mudanças são uma realidade tão palpável quanto a morte.

De um momento para o outro, por exemplo, podemos ter as nossas rotinas capturadas pelos mais variados motivos.

E o ano de 2020 escancarou…

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Últimas atividades

LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA respondeu à discussão VIROSES - Conheça a melhor terapia para vencê-las por Divaldo Franco de Amigo Espírita no grupo Joanna de Ângelis e Divaldo Franco
"“PsicoImunologia”.  Soluções Mágicas e Problemas Psicológicos https://juli.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=7032117"
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
ontem
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA

Então, chega para lá

Certa feita há muitos anos, conversávamos com uma das grandes figuras femininas do movimento espírita da cidade de São…Ver mais...
ontem
Hilton Cesar respondeu à discussão Mediunidade - dom ou castigo? de Bárbara Martins de Castro
"Médiuns somente os são, os que possuem a faculdade de sentir a influência do mundo espiritual, de forma nítida e ostensiva. O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações…"
segunda-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Quando o bom não é tímido pode ser reprovado, mas constrói o passado para ser lembrado com profundo respeito. Parabéns Brasílio Marcondes Machado. A tese de Machado foi apresentada no dia 29 de agosto de…"
segunda-feira
Luciano Franco Ramos entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
segunda-feira
MARIO FONTES respondeu à discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
"Excelente descrição João Nodari"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Médiuns. 171. de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"“Sandálias Douradas”.  Credibilidade é fundamental. Alguns médiuns ganham credibilidade, mas são infectados pelo orgulho e/ou vaidade. Fator complicador - obsessão. A entidade passa a exercer…"
sábado
Antonio Carlos G. Sarmento e Edileuza R. Rodrigues agora são amigos
sábado
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
" Sincera solidariedade agrega, solidariedade forçada segrega. O humanista de boutique precisa do preconceito. É o oxigênio vital dele, diz jornalista em Hipocrisia in…"
6 Ago
augusta curtiu a postagem no blog Amor antigo - Alma afim. de Nilton Cardoso
3 Ago
augusta curtiram o perfil de Nadia Rosangela
3 Ago

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço