NEM TODOS OS QUE ME DIZEM? SENHOR! SENHOR! ENTRARÃO NO REINO DOS CÉUS.

"NEM TODOS OS QUE ME DIZEM? - SENHOR ! SENHOR !
ENTRARÃO NO REINO DOS CÉUS." E.S.E. CAPÍTULO, 18.

Que conceito afinal devemos ter sobre "ser espírita"?

Será coerente e proveitoso admitirmos, junto aos roteiros educativos da Doutrina Espírita, a figura tradicional do "religioso não-praticante"? Será que devemos oficializar essa expressão a fim de prestigiar aqueles que ainda não se julgam espíritas? Essas são mais algumas indagações a cogitar na formação de uma ideia mais lúcida sobre a natureza da proposta educativa do Espiritismo para a humanidade.

Ouve-se, com certa frequência nos ambientes doutrinários, algumas frases que expressam dúbias interpretações sobre o que seja "ser espírita". Companheiros que ainda não se sentem devidamente ajustados aos parâmetros propostos pelos roteiros da codificação dizem: "ainda não sou espírita, estou tentando!", outros, desejosos em amealhar algum crédito de aceitação nos grupos, dizem: "quem sou eu para ser espírita?!", "Quem sabe um dia serei!".

Com todo respeito a quaisquer formas de manifestar sobre o assunto, não podemos deixar de alertar que somente uma incoerência de conceitos pode ensejar idéias dessa natureza, agravadas pela possibilidade de estarmos prestigiando o indesejável perfil do "ativista não-praticante", aquele que adere à filosofia mas não assume em si mesmo os compromissos que ela propõe.

"Ser espírita" é algo muito dinâmico e pluridimensional; tentar enquadrar esse conceito em padrões rígidos é repetir velhos procedimentos das práticas exteriores do religiosismo milenar. Nossas vivências nesse setor levaram-nos a adotar, como "critério de validade", alguns parâmetros muito vagos e dogmáticos para aferir quem seria verdadeiramente seguidor do bem e da mensagem do Cristo. Parâmetros com os quais procuramos fugir das responsabilidades através da criação de artifícios para a consciência, gerando facilidades de toda espécie através de rituais e cerimônias que entronizaram o menor esforço nos caminhos da espiritualização humana.

Ser espírita é ser melhor hoje do que ontem, e buscar amanhã ser melhor do que hoje; é errar menos e acertar mais; é esforçar pelo domínio das más inclinações e transformar-se moralmente, conforme destaca Kardec. Nessa ótica, temos que admitir uma classificação muitíssimo maleável para considerar quem é e quem não é espírita.

Façamos assim algumas reflexões puramente didáticas sobre esse tema, sem qualquer pretensão de conclui-lo, mas com intenção cristalina de "problematizar" nossos debates fraternos. Tomemos por base o tema da transformação íntima, o qual deve sempre ser a referência prioritária na melhor assimilação do que propõe a finalidade do Espiritismo.

1 - Em primeira etapa, a criatura chega à casa espírita.

2 - Em uma segunda etapa, o conhecimento doutrinário penetra os meandros da inteligência,

3 - e na terceira fase, a mais significativa, o Espiritismo brota de dentro dela para espraiar-se no meio onde atua, gerando crescimento e progresso.

São três etapas naturais que obedecem ao espírito de seqüência da qual ninguém escapa. Fases para as quais jamais poderemos definir critérios de tempo e expectativa para alguém, a não ser para nós próprios. Fases que geram responsabilidade a cada instante de contato com as Verdades imortais, mas que são determinadas, única e exclusivamente, pela consciência individual, não sendo prudente estabelecer o que se espera desse ou daquele coração, porque cada qual enfrentará lutas muito diversificadas nos campos da vida interior.

Portanto, o critério moral deve preponderar a qualquer noção pela qual essa ou aquela pessoa utilize para se considerar espírita. Nessa ótica encontramos o "espírita da ação", aquele batalhador, tarefeiro, doador de bênçãos, estudioso, que movimenta em torno das práticas. Temos também o "espírita da reação", aquele que reage de modo renovado aos testes da vida em razão de estar aplicando-se afanosamente à melhoria de si mesmo. Sem desejar criar rótulos e limitações indesejáveis, digamos que o primeiro está conectado com o movimento espírita, enquanto o segundo com a mensagem espírita. O movimento é a ação dos homens na comunidade, enquanto a mensagem é a essência daquilo que podemos trazer para a intimidade a partir dessa movimentação com o meio. O ideal é que, através da "escola" da ação no bem, se consolide o aprendizado das reações harmonizadas na formação da personalidade ajustada com a Lei Natural do amor.

O espírita não é reconhecido somente nos instantes em que encanta a multidão com sua fala ou quando arrecada gêneros na campanha do quilo, ou ainda por sua lavra inspirada na divulgação, ou mesmo pela tarefa de direção. Essas são ações espíritas salutares e preparatórias para o desenvolvimento de valores na alma, mas o serviço transformador do campo íntimo, que qualifica o perfil moral do autêntico espírita, é medido pelo modo de reagir às circunstâncias da existência, pelo qual testemunha a intensidade dos esforços renovadores de progresso e crescimento a que se tem ajustado. Pelas reações mensuramos se estamos ou não assimilando no mundo íntimo as lições preciosas da espiritualização. A ação avalia nossas disposições periféricas de melhoria, todavia somente as reações são o resultado das mudanças profundas que, somente em situações adversas ou na convivência com os contrários, temos como aquilatar em que níveis se encontram.

Melhor seria que não aderíssemos à idéia incoerente do "espírita não-praticante" para não estimular as fantasias do menor esforço que ainda são fortes tendências de nossas vivências espirituais. A definição por um posicionamento transparente nessa questão será uma forma de estimular nossa caminhada. Razão pela qual devemos ser claros e sem subterfúgios ao declarar nossa posição frente aos imperativos da vivência espírita. A costumeira expressão: "estou tentando ser espírita", na maioria das ocasiões, é mecanismo psicológico de fuga da responsabilidade, é a criatura que sabe que não está fazendo tanto quanto deveria, conforme seus ditames conscienciais, se justificando perante si mesmo e os outros.

Libertemo-nos das capas e máscaras e cultivemos nas agremiações kardequianas o mais límpido diálogo sobre nossas necessidades e qualidades nas lutas pelo aperfeiçoamento. Formaremos assim uma "corrente de autenticidade e luz" que se reverterá em vigorosa fonte de estímulo e consolo às angústias do crescimento espiritual.

Deixemos de lado essa necessidade insensata de definirmos conceitos estreitos e "padrões engessados" que não auxiliam a sermos melhores que somos. Aceitemos nossas imperfeições e devotemo-nos com sinceridade e equilíbrio ao processo renovador. Estejamos convictos de um ponto em matéria de melhoria espiritual: só faremos e seremos aquilo que conseguimos, nem mais nem menos. O importante é que sejamos o que somos, sem essa necessidade injustificável de ficar criando rótulos para nossos estilos ou formas de ser.

Certamente em razão disso o baluarte dos Gentios asseverou em sua carta aos Corintios, capítulo 15 versículos 9 e 10: "Não sou digno de ser chamado apóstolo, mas, pela graça de Deus, já sou o que sou. "

Espírito Ermance Dufaux

-----------------------------------------------------

formatação: Milter-08/01/2012

Exibições: 1687

Comentar

Você precisa ser um membro de REDE AMIGO ESPÍRITA para adicionar comentários!

Entrar em REDE AMIGO ESPÍRITA

Comentário de Mauricio Brandao em 12 janeiro 2012 às 8:02

Interessantes observacoes doutrinarias,

Quem sabe um dia eu chego lá, amando e entendendo os meus semelhantes,

entendi desta explanação que a "limpeza do copo" é dia apos dia.

E uma palavra boa a complementar:

"Ninguem poe vinho novo em odres velho".

Renovação, humildade, tolerância, boa vontade, são o xis da questao!

 

Comentário de Rosemary Cler da Silva em 11 janeiro 2012 às 11:53

Adorei o estudo.sempre falo sou feliz por ter rencarnado em um lar espirita

Comentário de isaltina de souza em 10 janeiro 2012 às 19:18

Seu esclarecimento  foi de gde importançia . fico com o corção chei de paz e alegria,

ASSOCIE-SE E COLABORE

SIGA-NOS

 

 

 

 

 

Últimas atividades

vania cunha e Carlos Pretti - SCEE agora são amigos
1 hora atrás
João Batista Oliveira Souza curtiram o perfil de Elizabete Lacerda
3 horas atrás
JOSÉ GENILSON DA COSTA RIBEIRO comentou a postagem no blog Ideologia partidária X Doutrina dos Espíritos (Jorge Hessen) de Alexandre Nunes
3 horas atrás
Marilia Moura tavares curtiu o vídeo de TIAGO MISTIERI MARTINS
3 horas atrás
Marilia Moura tavares curtiu o vídeo de TIAGO MISTIERI MARTINS
3 horas atrás
Marilia Moura tavares compartilhou a discussão de Amigo Espírita em Twitter
3 horas atrás
Marilia Moura tavares compartilhou a discussão de Amigo Espírita em Facebook
3 horas atrás
Aline Cristina Garcia Silva curtiram o evento Áudios Espíritas de Amigo Espírita
3 horas atrás
levi antonio amancio curtiu o vídeo de Feeak Minas
3 horas atrás
Evelise Reway Damazio curtiram a discussão ESTUDO E PRÁTICA DA MEDIUNIDADE nº 01 (por André sobreiro) de André Luiz Iesi Sobreiro
3 horas atrás
Solange Corrêa Pinto curtiram o perfil de Solange Corrêa Pinto
4 horas atrás
levi antonio amancio curtiu o vídeo de TIAGO MISTIERI MARTINS
4 horas atrás
Regina Gomes Hipolito curtiram a discussão O suicídio de Robin Williams de Wellington Balbo
4 horas atrás
Márcio José O. Nascimento curtiu o vídeo de Amigo Espírita
4 horas atrás
Ivete Ciscotto Silva respondeu à discussão ESTUDO E PRÁTICA DA MEDIUNIDADE nº 01 (por André sobreiro) de André Luiz Iesi Sobreiro no grupo Áudios Espíritas
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Idalina de souza
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Elias Cardoso
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Aline Cristina Garcia Silva
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Matildes ferreira da silva gomes
4 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE curtiram o perfil de Caren Valdenize de Figueiredo
4 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2014   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço