O Vício de Reclamar e Culpar Outra Pessoa pelos Nossos Erros

Tem que pessoas que criam suas próprias tempestades e depois ficam tristes quando chove.

Eis uma dura realidade! Muitas vezes concentram tanta preocupação sobre o problema criado que fazem da vida um inferno.

Mas não para por aí. Transformam a vida dos outros num inferno também, porque – é fato! – poucas são as pessoas que sofrem sem atormentar a vida de ninguém.

Esse comportamento comprova perfeitamente a famosa “tempestade num copo d’água”.

Quase sempre se tornam pessoas pessimistas que reclamam de tudo. Nada está bom, tudo é sofrimento.

Entretanto, a felicidade é condição interior. O mundo exterior reflete, invariavelmente, o que sentimos dentro de nós.

Se não estivermos bem interiormente, iremos atribuir a culpa, com muita frequência, a outra pessoa ou situação, que então seria a causadora de tudo.

Afinal de contas, é necessário encontrar um bode expiatório.

No atendimento fraterno conversamos com muitas pessoas que estão em sofrimento e o depoimento muito frequente é reclamação com relação ao cônjuge, filhos, pai e mãe, colegas de trabalho. A culpa é dos outros. Melhor se eles não existissem, assim os problemas desapareceriam. Grande engano!

Certo dia uma senhora me disse que iria mudar-se para São Paulo e abandonar tudo.

– O que você vai levar para São Paulo? – perguntei.

– A mudança, é claro – respondeu.

-O que mais?

– Eu mesma, concluiu.

Pra onde formos, se não estivermos bem, continuaremos com os mesmos problemas.

Quando voltaremos nosso olhar para dentro de nós, procurando identificar a raiz de nossos sentimentos destrutivos?

Pelas postagens nas redes sociais identifico facilmente os amigos que estão numa fase ruim. Ligo e pergunto: – Você não está bem, né amigo (a)?

E a resposta é: – Como é que você ficou sabendo?

– Pelas suas postagens cheias de raiva e ódio, alfinetando e dando indiretas, respondo.

“Qual é a SUA responsabilidade na desordem da qual você se queixa?”

Conquanto os Espíritos insistam em nos alertar sobre essa realidade, a tendência é projetarmos nossa insatisfação nos outros ou nas circunstâncias da vida, escolhendo um ou mais culpados pela nossa desdita.

Vejamos a resposta da questão 133-a de “O Livro dos Espíritos”:

“as aflições da vida são muitas vezes a consequência da imperfeição do Espírito.

Quanto menos imperfeições, tanto menos tormentos.

Aquele que não é invejoso, nem ciumento, nem avaro, nem ambicioso, não sofrerá as torturas que se originam desses defeitos.”

Poucas pessoas têm o hábito de fazer uma auto-análise sincera, que implica em reconhecer os próprios erros sem encontrar uma desculpa. Muito mais fácil seria encerrar o problema sem inventar um culpado. Isso só aumenta o problema pois irá envolver outras pessoas e desviar o foco daquilo que é mais urgente: a nossa mudança!

Já ouvi várias narrativas a respeito de uma batida com o carro, por exemplo. Ainda não encontrei ninguém que assumisse seu próprio erro completamente.

Mesmo aquele que reconhece que atravessou um “pare”, conclui o relato com algo mais ou menos assim: – “atravessei sem olhar porque estava distraído, mas o motorista do outro carro estava a uma velocidade muito alta. Olhei e não vi nada, mas de repente ele apareceu na minha frente”.

Pronto, o problema é do outro que estava correndo muito!

Sabe qual é problema? – O “mas”…..

Atrás do “mas”, vem a desculpa para não aceitar o erro completamente.

Esse comportamento é fruto do nosso orgulho. Imaginamos que reconhecê-lo abertamente poderá caracterizar uma falha, uma incapacidade, um “quê” de inferioridade.

Pelo contrário, meus amigos, reconhecer o próprio erro é sinal de superioridade, de grandeza, de maturidade.

Demonstra que estamos em crescimento e que entre acertos e erros vamos aprendendo. Que somos transparentes, autênticos, honestos e que não nos importamos muito com a opinião dos outros a nosso respeito.

Preocupar-se com o julgamento dos outros é escravizar-se, viver infeliz, porque cada um pensa de uma maneira e jamais vamos agradar a todos.

Por outro lado, isso não justifica que podemos ter um comportamento agressivo e transgressor a pretexto de não nos importarmos com o que os outros pensam. Se desejamos respeito, temos que respeitar os outros, também.

Todo agressor é um doente da alma.

Quando não aceitamos qualquer tipo de crítica ou não reconhecemos nossos próprios erros e enganos, nos fechamos com a intenção de nos proteger de uma acusação que julgamos injusta.

Ao contrário, quando reconhecemos nossos erros e limitações, ficamos abertos para a vida, aproveitando o aprendizado que as situações nos apresentam.

Afinal de contas, o que é mais importante: estar em paz ou estar certo?

Fernando Rossit

Fonte:

– O Livro dos Espíritos, q 133

Exibições: 68

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Por que apenas em setembro?

Por que apenas em setembro? 

 

O tema suicídio sempre me chamou atenção, tanto que, no ano de 2011, junto com dois amigos…

Últimas atividades

Margarida Maria Madruga comentou o evento “Razão e Sensibilidade”, com Anderson Costa de Carlos Pretti - SCEE
"Obrigada."
7 minutos atrás
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA NA VISÃO ESPÍRITA de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Finanças e aflições – os boletos vencem… – Orson Peter Carrara de PATRIZIA GARDONA
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Direta ou Indiretamente de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
ontem
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Direta ou Indiretamente de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
ontem
Lucival Silva curtiram a discussão MÚSICA PARA RELAXAR de Margarida Maria Madruga
ontem
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog É Admissível o Aborto em caso de Estupro? de PATRIZIA GARDONA
"Legalização do aborto “o mais rápido possível” O presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, disse que pretende fazer “sair o mais rápido possível” a…"
domingo
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Os Cinco Pilares da Doutrina Espírita de PATRIZIA GARDONA
domingo
Amauri A. L. Silva curtiu a postagem no blog Talismãs e Amuletos, e o que kardec diz sobre a força desses objetos? de PATRIZIA GARDONA
domingo
Posts no blog por ANA MARIA TEODORO MASSUCI
domingo
Posts no blog por PATRIZIA GARDONA
domingo
os pae postou um evento

CONVITE AOS AMIGOS DO PAE-TAGUATINGA-DF em QNM 40 ÁREA ESPECIAL NUMERO 2

16 novembro 2019 de 18 a 19
domingo
Angela Smanio curtiram o perfil de Adriano Moraes
sábado
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cesar Fontes Gerhard
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Paula D Aquino
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de José Maria Ramalho Pinto Júnior
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de katia maria brinco
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Robson Carlos Rocha Chicarino
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Carmen Angela Guimarães Leal
sexta-feira
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Marcelo Myrrha
sexta-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço