REDE AMIGO ESPÍRITA

Divulgando, Instruindo e Unificando!!!

Nenhum texto alternativo automático disponível.

É variável a duração da perturbação após a morte 

1. Por ocasião da morte – ensina o Espiritismo – tudo, a princípio, é confuso. A alma precisa de algum tempo para entrar no conhecimento de si mesma. Ela se acha como que aturdida, no estado de uma pessoa que despertou de profundo sono e procura orientar-se sobre a sua situação. A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam, à medida que se apaga a influência da matéria que ela acaba de abandonar e se dissipa a espécie de névoa que lhe obscurece os pensamentos. 

2. Muito variável é o tempo que dura a perturbação que se segue à morte corporal. Pode ser de algumas horas, como também de muitos meses e até de muitos anos. Para aqueles que já na existência corpórea se identificaram com o estado que os aguardava, menos longa ela é, porque eles compreendem imediatamente a posição em que se encontram. 

3. O processo de desprendimento espiritual é lento ou demorado, conforme o temperamento, o caráter moral e as aquisições espirituais de cada ser. Não existem duas desencarnações iguais. Cada pessoa desperta ou se demora na perturbação, conforme as características próprias de sua personalidade. 

4. Nesse sentido, o comportamento religioso exerce fundamental importância. Os que se fixaram às idéias niilistas, materialistas, hibernam-se, não raro, como a fugir da realidade, num bloqueio inconsciente de longo porte que os atormenta em forma de pesadelos infelizes de que não conseguem facilmente libertar-se. 

Muitos assistem estarrecidos à decomposição cadavérica 
5. Tendo agasalhada a idéia do nada, deperecem e se exaurem em agonia superlativa, sem que se permitam alívio, nas regiões frias e temerosas a que são arrastados por natural processo de sintonia mental, quando não acompanham, estarrecidos, a decomposição do próprio corpo a que se agarram, tentando restabelecer-lhe os movimentos, em luta inglória. 

6. Os que cultivaram as religiões simplistas, que prometem o Céu a golpes de facilidade e oportunismo, são surpreendidos por uma realidade bem diversa com que não contavam. 

7. Os que agasalharam idéias esdrúxulas, fazem-se vítimas de horrores e alucinações lamentáveis que os desnorteiam por tempo indeterminado. 

8. Os suicidas, graças às atenuantes e agravantes que os selecionam automaticamente, descobrem em inditoso despertar a não existência da morte. 

9. Os que se converteram em destruidores da vida alheia, experimentam as aflições que infligiram e expungem, em intérmina angústia, o acordar da consciência e a sobrecarga dos crimes perpetrados.

A perturbação é o estado normal no instante da morte 
10. A perturbação espiritual ocorre, portanto, na transição da vida corporal para a espiritual. Nesse instante, a alma experimenta um torpor que paralisa momentaneamente as suas faculdades, neutralizando, ao menos em parte, as sensações. 

11. A perturbação pode, pois, ser considerada o estado normal no instante da morte, e perdurar por tempo indeterminado, variando de algumas horas a alguns anos. 

12. O último alento quase nunca é doloroso, uma vez que ocorre ordinariamente em momento de inconsciência. Na morte violenta, porém, as sensações não são exatamente as mesmas, porque em tais situações o desprendimento só começa depois da morte e não pode completar-se rapidamente. O Espírito, colhido de improviso, fica como que aturdido e acredita-se vivo, prolongando-se essa ilusão até que compreenda o seu estado. 

13. O estado do Espírito por ocasião da morte pode, portanto, ser resumido nas proposições que se seguem: Será tanto maior o sofrimento quanto mais lento for o desprendimento do perispírito. A presteza do desprendimento está na razão direta do adiantamento moral do Espírito. Para o Espírito desmaterializado, de consciência pura, a morte é qual sono breve, isento de agonia, e cujo despertar é suavíssimo. 



PERGUNTAS E RESPOSTAS: 

1. Que sensações experimenta a alma por ocasião da morte?

R.: Por ocasião da morte, a alma se acha como que aturdida, no estado de uma pessoa que despertou de profundo sono e procura orientar-se sobre a sua situação. A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam aos poucos, à medida que se apaga a influência da matéria que ela acaba de abandonar e se dissipa a espécie de névoa que lhe obscurece os pensamentos. 

2. Há Espíritos que se sentem perturbados durante os instantes que se seguem à morte corporal?

R.: Sim. E o tempo que dura a perturbação é variável, visto que pode ser de algumas horas, como também de muitos meses e até de muitos anos. Para aqueles que já na existência corpórea se identificaram com o estado que os aguardava, menos longa é essa perturbação, porque eles compreendem imediatamente a posição em que se encontram. 

3. O comportamento religioso exerce alguma importância na situação da alma após a morte?

R.: Sim. O processo de desprendimento espiritual é lento ou demorado, conforme o temperamento, o caráter moral e as aquisições espirituais de cada ser, e, por isso, o comportamento religioso exerce fundamental importância. Os que se fixaram às idéias niilistas, materialistas, hibernam-se, não raro, como a fugir da realidade, num bloqueio inconsciente de longo porte que os atormenta em forma de pesadelos infelizes. 

4. Qual a situação das pessoas que cultivaram as religiões simplistas, que prometem o Céu a golpes de facilidade e oportunismo?

R.: Essas pessoas são surpreendidas por uma realidade bem diversa com que não contavam. 

5. Em poucas palavras, como definir o estado do Espírito por ocasião da morte?

R.: O estado do Espírito por ocasião da morte pode ser resumido nas proposições que se seguem: Será tanto maior o sofrimento quanto mais lento for o desprendimento do perispírito. A presteza do desprendimento está na razão direta do adiantamento moral do Espírito. Para o Espírito desmaterializado, de consciência pura, a morte é qual sono breve, isento de agonia, e cujo despertar é suavíssimo. 



Bibliografia: 

O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, itens 164 e 165. 

O Céu e o Inferno, de Allan Kardec, Parte 1, itens 6, 7, 12 e 13. 


Fonte: O Consolador 

Exibições: 607

Comentar

Você precisa ser um membro de REDE AMIGO ESPÍRITA para adicionar comentários!

Entrar em REDE AMIGO ESPÍRITA

ASSOCIE-SE E COLABORE

Últimas atividades

Ícone do perfil via Twitter
Comecei uma transmissão ao vivo em @YouTube: https://t.co/UVguqO55P9
Twitter48 minutos atrás · Responder · Retweet
Marcelo da Silva e Carlos Pretti - SCEE agora são amigos
1 hora atrás
Mércia Miranda Batista curtiram a discussão Recomecemos, por Emmanuel de Leonel Cupertino
1 hora atrás
Mércia Miranda Batista entrou no grupo de Amigo Espírita
1 hora atrás
Mércia Miranda Batista curtiram o evento Mensagens PPS de Amigo Espírita
1 hora atrás
Mércia Miranda Batista curtiu a postagem no blog As Drogas e suas Implicações Espirituais de ANA MARIA TEODORO MASSUCI
2 horas atrás
Shizuo Yoshida entrou no grupo de Amigo Espírita
4 horas atrás
Ícone do perfilJuliana Angeloni, Igor Serrano, Claudia e mais 2 pessoas entraram em REDE AMIGO ESPÍRITA
4 horas atrás
Mércia Miranda Batista curtiram a página Canal 7 de Amigo Espírita
6 horas atrás
gilda aparecida augusto deu um presente para 20 membros
7 horas atrás
gilda aparecida augusto deu um presente para 16 membros
7 horas atrás
CÁTIA REGINA deu um presente para 14 membros
7 horas atrás
ANA MARIA TEODORO MASSUCI postou um vídeo

Programa Encontro Fraterno - Família: desafios e convivência

Nosso Encontro Fraterno recebeu em nossos estúdios no 33º Congresso Espírita de Goiás o Psicólogo Clínico, Palestrante Espírita e Escritor Rossandro Klinjey,...
9 horas atrás
Feeak Minas postou vídeos
9 horas atrás
The Spiritist Psychological Soci postou vídeos
9 horas atrás
João da Rocha Filho postou um vídeo

João Rocha - Estudo do Evangelho 16022016

"Estudo sobre o Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. XVII ítem 8"
9 horas atrás
Celina Sobral postou vídeos
9 horas atrás
Carlos Pretti - SCEE postou um vídeo

“A Psicologia do Amor”, com João da Rocha Filho

Palestra na Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas, com o pesquisador, psicanalista e orador João da Rocha Filho de Porciúncula-RJ, no domingo 17 de setembro de 2017, de 09 às 10h, com o tema “A Psicologia do Amor”. João Rocha é dirigente do…
9 horas atrás
ROBERTO JOSÉ DAMASCENO postou um vídeo

SÉRGIO TOZETTI - " EM BUSCA DA SAÚDE ESPIRITUAL " - 17/09/2017 - Irmão Tomé - Vitória/ES.

Palestra de SÉRGIO TOZETTI, em 17/09/2017, na Sociedade de Estudos Espíritas Irmão Tomé, em Vitória/ES.
9 horas atrás
Codificador do Paracleto postou um vídeo

Jorge Hessen - Fidelidade Espírita, Uma Questão De Racionalidade Cristã

Jorge Hessen - Programa Espiritismo em Foco - Fidelidade Espírita, Uma Questão De Racionalidade Cristã ARTIGOS ESPÍRITAS JORGE HESSEN http://aluznamente.com.br
9 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2017   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço