Quando a dor chega, ninguém permanece indiferente, não importando suas causas.

Por vezes, chega através da doença física, minando a saúde antes inabalável.

De outras, é a dor da separação do ente amado, que segue para o mundo espiritual pelos braços da morte física.

E, também, pode se apresentar na feição de reveses morais, que atormentam muito mais a alma do que o corpo.

De toda forma, não importando por quais caminhos ela nos visite, sempre é presença contundente, alterando-nos as paisagens emocionais.

Alguns, ao enfrentá-la, o fazemos com galhardia, coragem, otimismo, entendendo o processo como passageiro, aguardando que dias tranquilos logo mais retornem.

Pautados na resignação que a fé oportuniza, mesmo que não entendamos as causas mais profundas da dor que nos atormenta, conseguimos compreender que esses dias difíceis são momentâneos, porque tudo é passageiro, nesta vida.

Contudo, outros, visitados pela dor, a encaramos como castigo, punição por algo que não conseguimos avaliar ou porque acreditamos se tratar de capricho da Divindade.

Então, sob o espectro da dor, reagimos com revolta, posicionando-nos como injustiçados, não merecedores de tal sina.

Há também os que interpretamos os processos de dor apenas como algo fortuito, obra do acaso, de algum azar hereditário ou de posturas inadequadas que tenhamos assumido em dias recentes.

De toda forma, a dor sempre será instrumento para nosso aprendizado.

Ela sempre traz consigo seu caráter pedagógico, em um convite ao cultivo das virtudes que ainda não nos dispusemos a acionar.

Trazemos todos um histórico de experiências difíceis, portadoras de inúmeras complicações emocionais ao longo da nossa trajetória de Espíritos imortais.

Desse rol de experiências, fruto do uso tantas vezes inadequado de nosso livre-arbítrio, trazemos, a cada nova existência física, necessidades inúmeras de aprendizado.

Como não nos dispomos ou não desenvolvemos maturidade e entendimento adequados sobre as finalidades da existência física, as dores nos chegam, propondo reflexões.

Quando isso ocorre pode ser convite para uma pausa, a fim de que promovamos um balanço das próprias ações.

Não há castigo Divino, nem existe acaso. Tudo tem sua razão de ser.

Há uma programação da Providência Divina para que tudo aconteça a seu tempo, da melhor maneira para o nosso avanço moral.

Se hoje a dor nos visita, perguntemo-nos o que podemos ou temos que aprender neste momento.

A dor é, sempre, uma bênção que Deus nos envia, permitindo-nos o ensejo de nos libertarmos dos equívocos ou alcançarmos o progresso, a fim de alçar voo rumo às virtudes que ainda dormem latentes na intimidade de nosso coração.

Disponhamo-nos a suportar a dor com heroísmo, a ouvir-lhe os aconselhamentos e as ponderações.

Aprendamos com ela. Não desperdicemos a chance que nos é ofertada.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita

Exibições: 73

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

Comentário de Sonia Santana em 8 novembro 2019 às 2:53

bom dia!  Que a Paz de Deus seja contigo !  

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Por que apenas em setembro?

Por que apenas em setembro? 

 

O tema suicídio sempre me chamou atenção, tanto que, no ano de 2011, junto com dois amigos…

Últimas atividades

Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cesar Fontes Gerhard
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Paula D Aquino
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de José Maria Ramalho Pinto Júnior
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de katia maria brinco
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Robson Carlos Rocha Chicarino
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Carmen Angela Guimarães Leal
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Marcelo Myrrha
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Neldalia Silva Fort Bastos
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Elisangela Vargas da Silveira
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Maria Helena
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Olimpia Maria dos Santos
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Conceição A. Fernandes dos Anjos
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ane Elise de Freitas Farias
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Leticia C
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de lucimar ribeiro
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de lucimar ribeiro
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cecilia Chaves Duque
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Eleonora Ruggeri
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Scalco
2 horas atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Sueli Aquino
2 horas atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço