Abaixo 2 depoimentos de Quem foi André Luiz.
1º A fala de Chico Xavier revelando quem foi André Luiz.
2º O depoimento de Waldo Vieira
.


ANDRÉ LUIZ, de Jô e Waldo Vieira (desenho em papel, 1963)



Quem foi André Luiz?


Hércio M. C. Arantes

Na década de 60, quando estudava a série das obras de André Luiz, psicografadas por Francisco Cândido Xavier, naturalmente entusiasmado com a riqueza de suas informações, colhidas em estágios realizados em vários setores de aprendizagem de Mais Além, e transmitidas com atraente descrição romanceada, também tive, como muitos confrades, a curiosidade de saber quem era o autor, desencarnado há poucas décadas, que se ocultava com aquele pseudônimo.

Essa curiosidade foi aguçada por uma observação da revista Reformador, que, ao divulgar o lançamento de mais uma obra de André Luiz, pela Federação Espírita Brasileira (FEB), identificou-o como um ilustre médico do Rio de Janeiro.

Passei, então, a pesquisar sua identidade, consultando biografias de vultos da Medicina brasileira, embora lembrando sempre a advertência de Emmanuel, conforme se lê em seu prefácio para o livro Nosso Lar, o primeiro da série: “Embalde os companheiros encarnados procurariam o médico André Luiz nos catálogos da convenção. Por vezes, o anonimato é filho do legítimo entendimento e do verdadeiro amor.”

Confirmando a advertência do sábio guia espiritual do médium, minhas pesquisas foram infrutíferas. Elas indicavam, como o autor mais provável, o dr. Álvaro Alvim (1863-1928), que escreveu vários livros médicos e foi mártir da Medicina brasileira. Alguns dados biográficos e a sua fisionomia, estampada na Enciclopédia Lello Universal, levavam a essa hipótese, que não satisfazia o nosso objetivo.

Citei a fisionomia porque a imagem de André Luiz já havia sido divulgada pelo Anuário Espírita 1964, que a apresentou juntamente com a entrevista desse espírito através dos médiuns Francisco C. Xavier e Waldo Vieira. Após essa entrevista, realizada em Uberaba (MG), em 1963, com a presença do devotado confrade Jô (Joaquim Alves, S. Paulo, SP, 1911-1985), autor de numerosas capas de livros espíritas, esse conhecido artista solicitou ao dr. Waldo um esboço da imagem de André Luiz, fundamentado em sua clarividência. Atendido em seu pedido, em face de sua facilidade para desenhar, Jô efetuou a arte-final daquele retrato.

Portanto, não encontrando uma solução clara para a questão, na primeira oportunidade recorri ao médium amigo Chico Xavier, participando-lhe minha pesquisa. Ele, como sempre, ouviu-me pacientemente, e, a seguir, esclareceu-me de forma incisiva: “Não perca tempo, pois a biografia de André Luiz, em Nosso Lar, está toda truncada.”

Com essa oportuna advertência, encerrei definitivamente minhas pesquisas, entendendo que havia, de fato, razões seriíssimas para o autor se ocultar, não só com o seu pseudônimo, mas também alterando sua própria biografia, sem nenhum prejuízo na transmissão dos ensinamentos superiores dos quais era portador.

Finalmente, o médium elucida-nos completamente

Em 20 de fevereiro de 1993, num fim de semana, ao visitar o estimado médium Chico Xavier, em sua residência, tivemos uma surpresa feliz.

Juntamente com três familiares – esposa Maria de Nazareth, nosso filho Hélio Ricardo e tio Hélio – entramos na copa de sua casa, local habitual em que ele recebia os visitantes, encontrando-o assentado, em palestra com alguns confrades, dentre eles, Dorival Sortino, presidente das Casas Fraternais O Nazareno, de Santo André (SP), e um médico, já idoso, do Rio Grande do Sul, que integrou a última turma de alunos do dr. Carlos Chagas, no Rio de Janeiro. Este, quando residia nos Estados Unidos, teria auxiliado o médium quando em uma de suas viagens àquele país.

Logo depois que chegamos, Chico e o médico passaram a dialogar sobre a figura do prof. dr. Carlos Chagas (1879-1934), médico e cientista brasileiro que se tornou célebre por estabelecer, sozinho e simultaneamente, a etiologia, características patológicas e prevenção de uma nova e grave enfermidade, que em sua homenagem foi denominada doença de Chagas.

A certa altura da conversa, Chico abordou uma questão, que muito me surpreendeu, pois o seu esclarecimento nunca havia sido divulgado. Nesse momento, passamos a anotar a sua fala, como sempre fazíamos, eu e minha esposa, quando ouvíamos algo mais interessante do querido médium. Contou-nos, então, com naturalidade, que, ao terminar a psicografia do livro Nosso Lar, esperava que o seu autor usasse o seu próprio nome da última encarnação. Mas, para sua surpresa, certa noite, estando em desdobramento espiritual, mantendo um diálogo com dr. Chagas, foi informado de que, para não criar problemas ao médium, ele usaria um pseudônimo. E, dentro de um ano, Chico entenderia melhor essa decisão.

A seguir, Chico perguntou-lhe qual pseudônimo ele usaria. Então o autor olhou para o irmão do médium, chamado André Luiz, que dormia na cama ao lado, e disse-lhe que usaria o nome dele. E assim foi feito.

A primeira edição do Nosso Lar foi lançada, pela FEB, em 1944, com prefácio de Emmanuel, datado de 3 de outubro de 1943. E o que aconteceria no próximo ano?

Em 1944, a sra. viúva do renomado escritor Humberto de Campos (1886-1935) pleiteou na Justiça os direitos autorais das obras mediúnicas de Humberto de Campos (espírito) recebidas por Francisco C. Xavier e editadas pela FEB. Surgiu, então, “o caso Humberto de Campos”, caracterizado como escândalo pela grande imprensa. A propósito, disse-nos o Chico: “Foi horrível por causa do alarme da imprensa.” (Ver depoimento do médium em Chico Xavier – o Apóstolo da Fé, Carlos A. Baccelli, LEEPP, 2002, cap. Chico, 89 primaveras!)

Após longa trajetória, o processo chegou ao fim com a absolvição dos réus: o médium e a editora. A partir dessa época, Humberto de Campos, espírito, passou a usar o pseudônimo de Irmão X em seus livros psicografados.

Portanto, é fácil entender a preocupação do dr. Carlos Chagas (André Luiz) em não se identificar como autor de Nosso Lar, que, segundo a programação superior, representava o marco inicial de uma longa série de livros. Era necessário que, além do pseudônimo, o autor espiritual não fosse, de forma alguma, identificado, graças à providência de truncar dados de sua vida, sem afetar o elevado conteúdo da obra.



Por que esta revelação, tão esperada por muitos confrades, feita há 10 anos, em

Uberaba, exatamente 50 anos (1943-1993) após a psicografia de Nosso Lar, está sendo

divulgada agora?

Estamos convictos de que este é o momento certo.

Recentemente, a revelação da identidade espiritual André Luiz/ Dr. Carlos Chagas foi

feita pelo Dr. Inácio Ferreira (Espírito) em sua obra Na Próxima Dimensão (Médium Carlos A.

Baccelli, LEEPP, 2002), ao narrar a sua visita a André Luiz, na cidade Nosso Lar, oportunidade

em que estabeleceu o seguinte diálogo:

- (...) um dia, fui Carlos Chagas (...)

-Você não era Osvaldo Cruz?... – indaguei sem vacilar.

- Não!...

- E por qual motivo não se identificou desde o início?

- A obra do médium Xavier não necessitava do meu nome para lhe conferir

credibilidade e, depois, precisávamos evitar maiores problemas para a Doutrina...

- Está se referindo ao caso envolvendo a família do escritor Humberto de Campos?

- A ele e ao estardalhaço que a imprensa leiga haveria de promover; se próprio

Emmanuel constitui pseudônimo, porque eu não poderia ter feito o mesmo?...”(Cap. 33)

Este livro, que também aborda a desencarnação de Chico Xavier vista do Mundo

Maior, tem alcançado grande sucesso, com tiragens sucessivas. E muitos de seus leitores,

conforme exteriorizam em seus artigos na imprensa espírita, têm pesquisado a vida do Dr.

Carlos Chagas, não encontrado, obviamente, conforme ocorreu comigo, décadas atrás,

confirmação de alguns detalhes de última existência física de André Luiz, narrado em Nosso

Lar, com a biografia do célebre cientista brasileiro.

Esta é a razão principal que nos motivou a trazer aos leitores amigos a palavra

esclarecedora do nosso inesquecível médium Chico Xavier.

“- Parece com ele.”

Meses após a identificação feita por Chico Xavier, adquirimos dois volumes do livro

Meu Pai, recentemente lançado pela Casa de Oswaldo Cruz – Fundação Oswaldo Cruz, do Rio

de Janeiro, RJ, em 1993, rica biografia do cientista Carlos Chagas, fartamente ilustrado, com

294 páginas, de autoria de Carlos Chagas Filho (1911-2000), igualmente cientista famoso,

pesquisador honorário da Fundação Oswaldo Cruz, membro da Academia Brasileira de Letras,

destacando-se também como Presidente da Academia Pontifícia de Ciências do Vaticano, no

período de 1971 a 1988.

A compra de dois volumes foi com a intenção de também presentear o médium amigo

de Uberaba, com um dos dois volumes, o que fizemos na primeira oportunidade.

Ao entregar-lhe o livro, Chico agradeceu-nos e, após analisar atentamente a capa do

mesmo, ilustrada com a imagem do Dr. Carlos Chagas, em bela aquarela de Glauco Rodrigues,

disse-nos: “– Parece com ele.”, evidentemente referindo-se à semelhança da fisionomia do

biografado com André Luiz, Espírito.

“Recordações de meu Pai” – um perfil de Carlos Chagas

O último capítulo da obra acima citada (que apresenta a expressiva dedicatória: “A

Evandro, meu irmão, cujo espírito me acompanhou na elaboração deste trabalho.”) focaliza as

recordações íntimas do autor, constituindo um belo perfil da personalidade de seu genitor, do

qual transcrevemos, a seguir, alguns tópicos:

“De seu último período em Manguinhos, guardo a recordação de nossas conversas.

Eram horas e horas em que ficava a escutá-lo e, pelas suas palavras, pude penetrar em grande

parte de sua alma e conhecer episódios de sua vida. Foi o momento no qual, certamente, mais

procurou influir em mim e formar a minha personalidade, contando-me sobretudo os erros –

tão poucos! – que cometera. Ensinou-me a difícil tarefa de compreender as gentes e amá-las.”

“Guardo de meu pai a certeza de que era um homem simples, no que a palavra tem de

mais autêntico. Honrarias, louvações e atitudes de subserviência nada lhe diziam. Sendo um

homem forte, queria que os que acompanhassem assim fossem e não aceitassem suas

palavras como irrebatíveis.

Sua indiferença frente dos aspectos materiais da vida era total, a não ser a pequena

vaidade de gostar de vestir-se com esmero, vaidade que aos poucos foi desaparecendo.

Quando morreu não deixou bens, senão a casa da rua Paissandu.”

“Várias vezes procurei saber qual a sua posição em face da religião. Mostrou-se

sempre avesso a esse debate. Creio que o seu espírito se dividia entre a profunda religiosidade

de sua mãe e de seus tios – muitos dos quais sempre de terço na mão – e o agnosticismo, que

era a tônica de grande maioria dos cientistas de sua geração. Profundamente respeitador do

sentimento alheio, nunca o ouvi discutir este assunto, nem dizer uma frase de mínimo

desacordo com o fato de que, a partir de um certo momento, comecei a freqüentar a Igreja.

Não importa tentar perquirir a intimidade de seu sentimento religioso. O importante é

assinalar que a sua vida se completou dentro dos preceitos mais fundamentais do Evangelho.”

“Meu pai não foi um cientista acadêmico, um homem de laboratório, interessado

somente no seu próprio progresso intelectual e na ascensão do seu reconhecimento

internacional. O que desejou, na verdade, foi servir o povo brasileiro, tirando do seu convívio

com os filhos dos colonos das fazendas em que viveu, com as agentes com quem conviveu em

Lassance e com aqueles que amou na bacia Amazônica, a força para entregar-se ao que há de

demais importante na vida de um homem: não viver para si, mais viver para servir o seu

próximo. Analisando a vida de meu pai, penso que dele nos deixa uma grande mensagem: a de

que a vida humana só tem significação quando utilizada para servir. Esta é a lição que ele

aprendeu na freqüência da miséria que viu em Minas, na Amazônia e um pouco por todo o

Brasil.”

“Até mesmo quando, no ano de sua morte, Gustavo Pitaluga, chefiando um grupo de

patologista europeus, escreveu-lhe pedindo todas as suas publicações e o seu currículo para

apresentá-lo como candidato ao prêmio Nobel de 1936, sua emoção não chegou a modificarlhe

o clima de vida, nem mesmo suas aspirações. Seu interesse pelos de menor situação na

sociedade traduzia-se, perfeitamente, na maneira suave e carinhosa com a qual se aproximava

dos pacientes nos hospitais que o vi freqüentar. Para ele, cada ser humano tinha uma

expressão própria que devia ser respeitada no mais profundo sentido ético que tem o

substantivo “ser”. Sua vida pode traduzir-se pela oposição que deu ao “ser” em relação ao

“haver”.”

“Quando cheguei a Lassance, 21 anos depois do momento em que meu pai descobriu a

doença de Chagas, as histórias de sua devoção aos enfermos e de sua preocupação com os

pobres com quem se avistava era a moeda mais corrente dos entretenimentos que tive a parte

da população que tão bem se lembrava dele.”

“Durante o exercício da medicina, na ocasião de sua instalação, pouco duradoura, na

rua da Assembléia, muitas vezes – como já foi assinalado – tirava do seu bolso a soma

necessária para pagar a receita que prescrevera na consulta, a mais das vezes nem cobrada.

Não por uma injustificável soberba, mas porque achava que a medicina devia ser exercida

gratuitamente. (...) Chagas era um homem devotado ao seus semelhante, qualquer que fosse a

sua situação social ou econômica. Entretanto, o dinheiro que não recebia dos pacientes, ou

que lhes dava para aviamento da receita, faltava, às vezes, fortemente, ao orçamento

doméstico.”

Estas “Recordações” representam um expressivo coroamento da extensa e rica

biografia que recebeu o título carinhoso de Meu Pai. Revelam-nos o homem virtuoso que

cumpriu elevada missão na Terra, pautando sua vida à luz do Evangelho.

Portanto, ele estava preparado para desempenhar nova e sublime tarefa, sob as

bênçãos de Jesus, que se iniciou com o livro Nosso Lar, utilizando-se o pseudônimo André Luiz.

Autor de autêntica revelação dentro da Terceira Revelação

Integrando a obra literária de André Luiz(Espírito), recebida pelos médiuns Francisco

Cândido Xavier e Waldo Vieira, a Coleção “A Vida do Mundo Espiritual”, composta de 13 livros,

todos no estilo romanceado de Nosso Lar (1943) e E a Vida Continua... (1968), trouxe tantas

informações novas do Mais Além, que tem sido considerada, judiciosamente, como verdadeira

revelação dentro da Terceira Revelação.

O seus relatos preciosos, acompanhados de elevadas lições de Benfeitores abalizados,

incluindo avançadas revelações científicas, trazem sempre um importante conteúdo

evangélico.

Enaltecendo a Coleção referida, também chamada Série “Nosso Lar”, o renomado

cientista espírita Dr. Hernani Guimarães Andrade (1913-2003) fez a seguinte previsão: “As

obras de André Luiz, psicografadas por Francisco Cândido Xavier, serão, futuramente, objeto

de estudo sério e efetivo nas maiores universidades do mundo, e consideradas como a mais

perfeita informação acerca da natureza do homem e da sua vida após a morte do corpo físico.”

(A Matéria Psi, Hernani G. Andrade, O Clarim, p. 15)

Em princípios de 2000, as Organizações Candeia, de Catanduva, SP, realizou oportuna

pesquisa bibliográfica para definir quais os dez melhores livros espirituais do século XX. E, na

relação dos escolhidos, aparecem três de André Luiz: Nosso Lar, o mais votado, Evolução em

Dois Mundos e Missionários da Luz. (Anuário Espírita 2001, p. 35)

Além da Série “Nosso Lar”, André Luiz escreveu 15 obras, sendo seis (6) em parceria

com Emmanuel e uma (1) com Lucius / F.C. Xavier e Heigorina Cunha (Cidade no Além);

também participou de muitas outras de Autores Diversos.

Fonte: Mediunidade na Bíblia, Editora Ide, Autor: Hércio M. C. Arantes.

1º Edição, Junho 2006 Páginas 187 à 194.

Inserida no Anuário Espírita de 2004 - IDE - Araras, (Autor: Hércio M. C.

Arantes)

Veja também na mesma Obra Depoimento Valioso na Questão Chico Kardec

Apêndice – Identidade Espiritual Kardec/ Chico Xavier indícios Significativos

Pág: 226



Waldo Vieira confirma: André Luiz foi Carlos Chagas



Exibições: 15938

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

Comentário de Jorge Leite de Oliveira em 19 maio 2020 às 0:11

Obrigado, Hércio, agora entendo tudo. A própria biografia de André Luiz (Carlos Chagas) foi propositalmente truncada, como afirmou Chico Xavier, pois já era previsto o escândalo que parte da família de Humberto de Campos faria, um ano após a edição de Nosso Lar, agora sim, de Carlos Chagas. Linda pesquisa, obrigado.

Comentário de Elaine Stroeder em 26 abril 2015 às 12:21

André Luiz um Espírito Fantástico.

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Últimas atividades

Marco Antonio Serra curtiu a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
22 horas atrás
Edson Luís da Silva Macedo curtiram a página Regras de Publicação de Amigo Espírita
sábado
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"QUARENTENA. MORTE. SENTIDO DA VIDA.  Quem decidiu sobre nossa existência, sobre o seu valor? Qual o sentido do Universo e da existência humana? Que é o homem? O fato de ser portador de um diploma, de conhecimentos, leva o…"
sábado
Ícone do perfilAurora, Marco Túlio Brito e Eliana entraram em RAE
sábado
Ariel Ale Anjo curtiram a página Regras de Conduta de Amigo Espírita
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Prêmio Nobel de Química diz que medidas de isolamento podem ter custado mais vidas do que salvo.  http://www.youtube.com/watch?v=0KfxOFsWwOk"
sexta-feira
Antonio Carlos G. Sarmento curtiram o perfil de Monica lucio
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Com precaução ninguém morre antes da hora. (1) A autópsia das pessoas que morreram em conexão com o coronavírus tinham pelo menos uma doença anterior. Todos eles teriam morrido no decorrer deste ano.…"
sexta-feira
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Medo da Morte? de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Confiança em Deus. Há sempre um amanhã, diz o poeta. Você pode esperar. Um lindo amanhã há chegar. Há sempre um amanhã, pra quem vive a sofrer, não custa esperar, você vai ver. E…"
quinta-feira
Nilton Cardoso Moreira comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Muito bem colocado amigo Virgilio. Obrigado pelo comentário."
27 Maio
Codificador do Paracleto curtiu a postagem no blog Deus é um imenso “inexistir”? (Jorge Hessen) de os pae
26 Maio
Virgilio Augusto Esteves comentou a postagem no blog Não temos para onde fugir de Nilton Cardoso Moreira
"Nem a folha da árvore cai sem a permissão de Deus Pai. Acaso é termo Materialista"
26 Maio

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço