Revista Superinteressante e a “Ciência Espírita”

 

Mais uma vez, a Revista Superinteressante perdeu uma ótima oportunidade de se revelar imparcial, ou pelo menos, respeitosa. Referimo-nos à matéria de capa, do número de outubro de 2011: Ciência Espírita.

Imparcialidade, sabemos, é uma utopia jornalística, que nunca será alcançada e talvez nem seja desejável, pois cada órgão da mídia representa fações sociais de pensamento, está aí para dar voz a determinado grupo e a certos interesses. O problema é que esses interesses não são explícitos, e mais, atualmente, todos os órgãos de comunicação são hegemônicos e representam apenas uma forma de pensar e ver o mundo. Num sistema capitalista como o nosso, os grandes órgãos são grandes empresas e, como grandes empresas, muitas delas detentoras de monopólios de informação e de formação da opinião pública, não abrem espaço de manifestação para pensamentos alternativos, críticos ao sistema, dissidentes dos monopólios.

O pior de tudo é a forma manipuladora com que as matérias são conduzidas, para darem uma ilusão de imparcialidade, mas que induzem a um pensamento único, hegemônico.

Um dos monopólios ideológicos contemporâneos é o materialismo – ou ainda mais radical – o nihilismo. Qualquer tendência, pesquisa, ideia ou proposta, que ameace esse paradigma deve ser estigmatizada, ridicularizada, rechaçada a priori. É proibido duvidar de que somos meros produtos biológicos, determinados geneticamente e que nossa mente é um subproduto da química neural. Embora a ciência (juntamente com a filosofia, pois esse não é apenas um problema científico) esteja longe de ter fechado algum ponto de vista a respeito do conceito de mente – há uma unanimidade imposta, que não pode ser questionada. E a mídia é justamente a patrona das unanimidades dogmáticas.

Vejamos a matéria em questão. Comecemos pelo título de capa: a ciência não é espírita ou católica ou budista – a ciência é ciência e ponto. Ao assumir na capa o adjetivo de espírita – como ficará comprovado no final da reportagem – a revista desqualifica os cientistas que estão pesquisando os fenômenos de quase-morte e reencarnação, sendo que dos pesquisadores citados, são espíritas apenas os brasileiros, mas não os autores de fora, aliás respeitados internacionalmente.

Para os espíritas desavisados, o título Ciência Espírita pode soar como música, pois nós, espíritas, defendemos a existência de uma ciência iniciada por Kardec, com métodos próprios, para investigar os fenômenos que evidenciam a vida pós-morte. Entretanto, para a maioria das pessoas, chamar uma ciência de espírita, já a desqualifica de pronto, porque parece uma ciência pré-concebida, que parte de pressupostos já assentados. E para os pesquisadores como Sam Parnia, Erlendur Haraldsson ou Peter Fenwick, trata-se de uma afronta chamá-los de espíritas, pois pertencem a culturas onde o espiritismo de Kardec, tão difundido no Brasil, não tem nenhuma ressonância.

Como se trata de um assunto ainda polêmico, seria natural que os jornalistas ouvissem os dois lados: os pesquisadores de tais fenômenos e os críticos. As explicações de um lado e as explicações do outro. Isso é feito em certa medida, dando a sensação no decorrer da matéria de que a revista está sendo imparcial – apesar do diabo da maldade revelar a ponta da orelha em certos trechos, como quando ao tratar das experiências mediúnicas investigadas por Frederico Leão, lemos: “Para a maioria dos cientistas, uma coisa dessas soaria como um espetáculo circense, uma farsa.”

Ou quando, os jornalistas acrescentam o sarcasmo a um erro grave de informação (coisa muito comum na imprensa atual). Dizem: “O jargão (mente e cérebro) serviu para batizar o primeiro evento brasileiro dedicado às pesquisas sobre o além, o I Simpósio Internacional Explorando as Fronteiras da Relação Mente e Cérebro, em (de novo) Juiz de Fora.” Esse evento foi em São Paulo, no Centro de Convenções Rebouças.

Além das ironias, o problema central é que a matéria não coloca os dois lados e deixa a questão em aberto – o que seria mais honesto. Os jornalistas (ou os editores, porque, muitas vezes, os editores remexem a matéria e imprimem o tom que a revista impõe) fecham com a negativa total, usando a seguinte tática: tanto dos fenômenos de quase morte, quanto dos casos sugestivos de reencarnação são narrados apenas algumas histórias isoladas. Isso em ciência não vale muito. Não é mencionado que há uma casuística abundante. Por exemplo, em nenhum momento se fala que Stevenson, de que os citados Jim Tucker e Haraldsson foram colaboradores, coletou e investigou mais de 2500 casos de crianças com memórias de vidas passadas. A impressão que dá é que três ou quatro casos impressionaram homens ingênuos e com tendência a uma fé cega.

O tom final é que demonstra o que a Revista pretende que o leitor pense (pois é isso, ela quer impor um ponto de vista, sem nenhum respeito aos entrevistados, aos leitores e aos fatos): todos esses pesquisadores, brasileiros e estrangeiros, não passam de um bando de crédulos, homens de fé, que estão tentando provar o improvável. O mais incrível é a leviandade com que os jornalistas (que, diga-se de passagem, não são cientistas) pretendem derrubar a pesquisa de vidas inteiras: em apenas dois parágrafos, eles se referem a “evidências contra”. Quais? Não são sequer mencionados outros cientistas que critiquem o trabalho dos colegas. O texto é dos jornalistas mesmo, um texto,confuso, tendencioso, com argumentos fracos e que termina da forma mais acintosa possível: “é difícil não acreditar que os pesquisadores de reencarnações, EQMs e afins, se movam mais pela fé que pela curiosidade científica.”

E assim, estamos conversados. Está dita a última palavra. Com meia-dúzia de frases, pensa-se garantir que o paradigma materialista, pelo qual a mídia zela com tanto fervor, permaneça intacto aos olhos dos leitores. 

 

ABAIXO A MATÉRIA DA REVISTA

 

 

 

Exibições: 5696

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

Comentário de Antonio Carlos Dias Filho em 22 novembro 2011 às 17:41

Enquanto o paradigma materialista em que o mundo caminha, em quase sua totalidade prevalecer, nós espíritas ainda ouviremos, leremos e assistiremos a esdrúxulos áudios, artigos e vídeos mal-intencionados. Agora, cabe a nós espíritas, sairmos dos centros espíritas, salas luxuosas etc., e difundir a doutrina para todos. Precisamos também, tirar o espiritismo do elitismo e nos espelharmos no exemplo dos apóstolos crísticos dos primeiros tempos. Já estamos há bastante na estrada, e ainda somos confundidos com videntes, macumbeiros etc. Talvez por isso, a mídia ousa jogar vento na nossa farofa. Pensemos nisso. 

Comentário de Dafine de Jesus em 15 novembro 2011 às 21:09

Depois de ler o texto escrito por Dora Incontri, simplesmente perdi a vontade de ler a matéria da revista superinteressante, posso explicar: é uma questão de CONFIANÇA, não duvido da palavra de uma educadora, espírita e séria, já a de uma revista com fins comerciais, então não perderei tempo lendo a matéria.

Comentário de Fátima Valim Soares em 16 outubro 2011 às 18:57
O materialismo continua sendo a epidemia da humanidade, apesar de sentirmos que o planeta se encontra em transformação, a todo momento aparece alguém querendo mudar o designo  de Deus.
Comentário de teresa johnson em 16 outubro 2011 às 0:17
achei que a revista não teve mta ética do modo como redigiram a materia !!!
Comentário de Sandra em 15 outubro 2011 às 3:20

Para alguns basta ter um diploma e sair falando como se soubesse de tudo. Não se dão ao menos de pesquisar

os assuntos com pessoas e órgãos competentes e respeitáveis que realmente podem oferecer esclarecimentos.

A leitura passa a ser desinteressante e a revista perde o crédito perante os seus leitores que conhecem do assunto.

Comentário de LÍDIA MARIA DUARTE em 8 outubro 2011 às 15:07

Realmente, pelo menos, como comentado, não somos mais atirados à fogueira! 

Aguardemos que todos saberão da verdade um dia, é a Lei!

Enquanto isso, nós já temos conhecimento sobre a urgência da auto-reforma, se cada um conseguir vencer a si mesmo, no planeta evoluirá mais rapidamente.  E demonstraremos à todos como é vivermos de acordo com as Leis Divinas.

Comentário de Pascoal Dupinska de Oliveira em 5 outubro 2011 às 21:33

Pelo menos o mundo já está em evolução. Por muito menos, em épocas remotas, estaríamos todos queimados em fogueiras... Hoje apenas temos que aguentar a imprensa parcial.

Penso que falta para nós espíritas, falta fortalecer a terceira perna do tripé que kardec se refere ao definir a doutrina espirita (religião, filosofia e ciência).

Comentário de Jorge Garcia Nunes Filho em 4 outubro 2011 às 10:52
Um dia os fatos por si só certificarão que a Doutrina Espírita sempre esteve certa, a ciência se dobrará as evidências, mas sinceramente para mim isto é de menos importância a grande Revolução que anseio é a Revolução moral, onde finalmente todo o mal será banido da Terra, e envergonhado de sua mediocridade terá que constrangidamente se render ao bem, ou ficará deslocado do todo harmônico, muita paz para todos.
Comentário de Valéria Mascarello em 3 outubro 2011 às 19:40

É de chorar!

QUANDO essas pessoas vão acordar??

Ah! Já sei: quando desencarnarem e se confrontarem com tudo oque ridicularizaram, claro!

Comentário de Domingos B. Rodrigues em 3 outubro 2011 às 16:21
Caros irmãos, a nossa convicção nos diz que caminharemos sobre pedras e espinhos, e não obstante a intolerância e a leviandade de interesses outros e em consonância com a infeliz ignorância de muitos, o Materialismo já está com seus dias contados. Sigamos. Abraços fraternos!

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Últimas atividades

Ana Rogéria Feitosa de Morais curtiram a discussão Coleção Emmanuel - Livros para download de Amigo Espírita
4 horas atrás
ORSON PETER CARRARA agora é amigo de Walter Luiz Figuerêdo Carvalho, julio cezar murari, Celso Marcos Gomes e 12
20 horas atrás
Joao Iudes Nodari curtiram a discussão O MAIOR DESAFIO de Egdemberguer Magalhaes
ontem
Goliveira Goncalves curtiram o perfil de Monica lucio
ontem
Goliveira Goncalves e Monica lucio agora são amigos
sexta-feira
maria de fatima cerqueira cerque curtiu a postagem no blog Epítome descritivo sobre o cenário e a vida além da sepultura (Jorge Hessen) de os pae
sexta-feira
Elizete Lima Morgado entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
quinta-feira
ANTONIO CARLOS DA CUNHA curtiram a discussão HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier de Amigo Espírita
quinta-feira
Thaynah Paloma e Suzana Paula Andrade agora são amigos
quinta-feira
Rosana Andrade curtiram a discussão HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier de Amigo Espírita
quinta-feira
Rosana Andrade curtiram a discussão HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier de Amigo Espírita
quinta-feira
Amigo Espírita adicionou uma discussão ao grupo Artigos Espíritas
Miniatura

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me…Ver mais...
quinta-feira

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço