REDE AMIGO ESPÍRITA

Divulgando, Instruindo e Unificando!!!

Quando falamos em Diabo, Satã ou Satanás, nos referimos a uma entidade, um ser existente fisicamente, completamente voltado ao mal sem possibilidades de recuperação, condenado por Deus a reinar, privado da Luz Divina, seu lugar nos escuros e sombrios labirintos de uma caverna que chamamos Inferno.

Também nos lembramos do maior inimigo de Deus com quem batalha há milênios tendo por prêmio a alma dos homens: Deus ficaria com a alma dos bons e o Diabo com a alma dos maus.

O Espiritismo nos mostra que o Diabo seja qual for o seu apelido, não existe. Por Diabo devemos entender a maldade que existe em cada ser humano, seja ele desencarnado ou encarnado. Daí a existência de espíritos bons e espíritos maus, e para todos sempre existe a recuperação.

No entanto temos que admitir que o Espiritismo, enquanto religião é relativamente novo se comparado com as demais religiões. É normal, portanto, que muitos de seus adeptos, senão a maioria, seja originária de outras religiões. Aportamos no Espiritismo vindos do Catolicismo e do Protestantismo trazendo conosco todo um conjunto de valores que tínhamos como verdade absoluta e inquestionável. Um desses valores é a existência do Diabo, dos demônios e das penas eternas. Apesar de aprendermos muitas coisas que o Espiritismo nos ensina, ainda guardamos algum receio, ou mesmo medo das velhas crenças.

Pode ainda nos causar incômodo ou desconforto ao pronunciarmos ou ouvirmos alguns apelidos que conhecemos: capeta, coisa-ruim, sujo, cascudo, tinhoso, danado, cão, maldito, chifrudo, manquitola, quatro - dedos, beiçudo, bode – preto, cramulhano, pé – de – cabra, 
Anti - Cristo e por aí vai.

Como nos ensina o Espiritismo, precisamos estar sempre estudando porque o estudo desenvolve nossa inteligência, com a qual podemos melhor diferenciar o bem do mal. 

Estudarmos o diabo e sua história nos ajuda a desmistificar a imagem errada que fazemos deste personagem.

A visão moderna que temos do Diabo não é a mesma de tempos atrás. Em toda a história da humanidade sempre existiram bons e maus. Por não compreenderem as verdades como hoje as compreendemos, a humanidade explicou a existência de coisas ruins de maneiras coerentes com a época.

Entre os gregos, Sócrates já afirmava a existência dos demônios, que seriam gênios. Esses gênios (ou demônios) eram espíritos intermediários entre Deus e os Homens. Como tais, podiam ser ruins ou bons. Ele mesmo tinha seu gênio que o aconselhava.

No Museu do Louvre (Paris) existe uma imagem em bronze, datada de 1350 a.C. de Pazuzu (o Agarrador), o demônio do vento do sudoeste. No verão trazia doenças e o flagelo da seca e da fome e no inverno trazia gafanhotos.

Como se nota, os homens atribuíam às divindades boas ou más a explicação dos fenômenos naturais que ele não compreendia.
Estas referências servem apenas para demonstrar que a crença na existência de espíritos bons e maus não é nova, nem exclusividade hebraica ou cristã.

Apesar do interesse que o assunto nos provoca, é no meio cristão que mais no interessa a compreensão do Diabo.

A palavra Satã refere-se ao nome do Príncipe do Mal e origina-se na palavra hebraica Sãtãn que em grego significa Satanás. Portanto, Satã ou Satanás refere-se à mesma criatura, e significa “adversário”.

Nas traduções modernas da Bíblia, a palavra Sãtãn foi traduzida por Satanás, todas escritas com o “S” maiúsculo, ou pela palavra Diabo. Nos textos mais primitivos do Antigo Testamento, o “s” de satã era minúsculo.

Satanás, ou satã com “s” minúsculo indica um substantivo qualificativo. Neste caso algo ou al-guém é qualificado com uma função ou atribuição assim como hoje em dia chamamos de Promotor o homem que é advogado e tem a função de acusador. Nas citações do Velho Testamento, analisando o contexto em que foi citado, satã refere-se ao acusador (promotor) e muitas vezes é descrito um verdadeiro tribunal divino.

Já a palavra Diabo tem origem na tradução do Velho Testamento conhecida como a Bíblia dos Setenta. Isto porque a tradução foi feita no século III a.C. por 72 rabinos e, segunda a lenda, demorou 72 dias para ser concluída. Nesta tradução a palavra satã foi substituída pela palavra grega “diabolos” que traduzida para o português arcaico significa “diaboo”.
As passagens Bíblicas:

1. Zacarias, 3,1-2 
2. Jó, 1, 6-12 

são suficientes para demonstrar o caráter de Satanás. Notemos que não havia nenhum diálogo entre ele e Deus que denotasse a inimizade arraigada de hoje em dia. Não se trata aqui de dois oponentes que disputam a alma dos homens. Ao contrário, Satanás se mostra bem submisso às ordens de Deus, aceitando calmamente todas as decisões divinas e não encontramos nenhuma passagem que pudesse ser caracterizada de forma diferente. Satanás era, como se demonstra, um servidor de Deus. Este servidor possuía uma tarefa das mais desagradáveis: encontrar e denunciar as falhas humanas. Por isso mesmo, Satanás era temido por aqueles que cometiam erros contra o Senhor. Nota-se que no versículo 6 do capítulo 1 de Jó, que Satanás 
encontrou-se com o Senhor junto aos filhos de Deus e não há citação alguma de qualquer incômodo que a presença pudesse ter causado.

De promotor divino, acusador, Satanás evoluiu, ou involuiu para o ser infeliz, destinado a viver nas trevas, privado da Luz Divina, adversário de Deus com quem disputa a alma dos homens. Esta evolução aconteceu apenas no Cristianismo.

Foi com os evangelistas que o caráter infernal de Satanás veio à tona.

O Apocalipse de João revela uma imagem melhor elaborada de Satanás, e é no capítulo 12 que João descreve a queda do Anjo, identificado como o grande dragão.

Por todo o novo testamento existem citações das ações do Diabo que é reconhecido em todo lugar onde haja uma maldade humana.

A palavra Lúcifer , também atribuída erroneamente a Satã, era, na verdade, atribuída a Jesus, o Cristo pois é Ele o único Lúcifer que o nosso mundo conheceu.

Feroz e terrível, a imagem do Diabo assombrou os cristãos iniciantes mas foi com Santo Agostinho que sua imagem se firmou.

O antagonismo entre Deus e Diabo representa antes de tudo a eterna luta entre o bem e o mal. Aurelius Augustinus, o nosso Santo Agostinho, nasceu em 13 de novembro de 354. Romano de descendência, africano de nacionalidade (nasceu em Tagaste, Numídia, na África), ingressou no Catolicismo aos 32 anos, em 386 e converteu-se num dos quatro pilares da filosofia Católica. Defendeu a idéia de que Deus é a bondade absoluta.

Em 395 torna-se bispo na cidade de Hispona.

Em 397 e 398 escreve As Confissões que é uma autobiografia.

Em 413 começa a escrever a Cidade de Deus.

Falece em 28 de agosto de 430.

N’As Confissões defende a tese de que Deus é incorruptível, sendo o eterno Bem. Também defende que o mal nada mais é do que a corrupção do bem. Portanto, todo aquele que pratica o mal está, na verdade, corrompendo o bem que está em si. Se estiver corrompendo o bem que está em si é porque existe nele alguma coisa boa que possa ser corrompida. Portanto, todo o que se corrompe é bom. Para ele, o mal absoluto não existe porque, ou seria criado por Deus, mas Deus não criou o mal, ou o mal absoluto seria um outro deus que contraria a crença Cristã do Deus Único. Portanto, nada existe que não possa obter a salvação, apenas restringe a salvação como sendo por uma graça Divina.

O diabo, como ser eternamente devotado ao mal, no Livro A Cidade de Deus, Santo Agostinho ratifica que o mal não é criação Divina mas uma criação do homem. O anjo que se revoltou contra Deus e foi expulso da Felicidade Eterna dos Anjos, revoltou-se por conta da soberbia e do orgulho que lhe dominou. Portanto, o diabo não é uma criação de Deus mas o resultado dos pecados de um anjo.

Esta filosofia de Santo Agostinho fortaleceu ainda mais a crença no diabo.

E o capeta cresceu em poder diante dos homens durante os séculos vindouros. Mas foi na Idade Média que ele atingiu o topo de seu apogeu.

Tudo o que viam e acontecia sem uma explicação, era designado ao diabo. Se uma pessoa caía e se debatia no chão, com a espuma a sair-lhe pela boca, estava possuída.

A arma mais forte do diabo era a tentação.

No Paraíso, o diabo na forma de uma serpente tentou Eva a consumir a fruta proibida ocasionando sua expulsão do Paraíso.

A mulher foi responsabilizada pela condenação do homem. Por ter cedido à tentação, formou-se a opinião de que a mulher era facilmente influenciada e por isso mesmo, transformou-se em serva do diabo, sendo chamada de bruxa. Tidas como insaciáveis, faladeiras, sensuais e lascivas, as mulheres atraíam facilmente os homens para o pecado.

Foi na Idade Média que surgiram as caças aos bruxos (ou feiticeiros) e a identificação da ação no Diabo nos possuídos e nos atormentados.

Os possuídos eram aquelas pessoas tomadas pelos demônios, mas contra sua vontade.

Os atormentados eram aquelas pessoas tomadas esporadicamente pelos demônios e também contra a sua vontade.

Os feiticeiros (ou bruxos) eram indivíduos que fizeram um acordo com o Diabo recebendo poderes especiais em troca de sua alma.

Mesmo com todo o poder adquirido na Idade Média, o Diabo viria a sofrer golpes terríveis.

No Renascimento, que marcou o fim da Idade Média, o Diabo começou a sofrer sérios reveses e seu poder foi diminuindo pouco a pouco.

Neste período, o desenvolvimento da cultura e da ciência, a bruxaria foi taxada como coisa de gente ignorante, indigna de pessoas mais cultas.

Outro golpe que marcou o fim do poderio satânico foi o desenvolvimento das ciências.

Trazendo ao mundo várias descobertas que não podiam ser contestadas pela crendice ou pela ignorância, os fatos antes atribuídos ao demônio tornaram-se problemas de saúde física com recuperação através de tratamentos e medicação.

É natural que o seu poder diminuiria pois sua fonte estava justamente sendo demonstrado nada ter de demoníaco.

Mas foi na segunda metade do século XIX que o Diabo sofreu os mais sérios e decisivos golpes.

O primeiro em 18 de Abril de 1857 quando Allan Kardec trouxe ao mundo O LIVRO DOS ESPÍRITOS.

Mais precisamente nas perguntas de números 128 até a 131, os Espíritos esclarecem que não existem seres eternamente voltados ao mal nem seres criados em situações especiais, diferentes do restante da humanidade.

Evidentemente que a obra de Kardec gerou muita oposição, mas a verdade prevaleceu.

Mas o golpe decisivo veio em setembro de 1865 quando Kardec entrega ao mundo sua obra O CEU E O INFERNO.

Apesar d’O Livro dos Espíritos abordar este assunto de forma incontestável, é n’O Céu o Inferno que temos uma explicação detalhada e racional demonstrando a impossibilidade da existência do Diabo e seus seguidores.

Não importa quantos nomes ou apelidos foram atribuídos ao ser de eterno mal, o fato é que ele não existe como um ser real, físico.

Sua existência deve sim, a uma figuração do mal. Um símbolo do mal que o homem pode produzir.

Dentro desta simbologia, podemos denominar os espíritos maus como demônios, desde que aceitemos o fato de que estes demônios não são espíritos condenados a praticar o mal eternamente.

A visão espírita do Diabo está em perfeita comunhão com a definição do mal dada por Santo Agostinho. O mal absoluto não pode ser criação de Deus, porque em assim sendo, Deus não seria eternamente bom nem justo. Para o espiritismo o mal é causado pela ignorância dos homens que não conhecem e nem praticam a busca dos valores espirituais anunciados por Jesus. Para Santo Agostinho, o mal é a corrupção do bem. Em síntese, são uma e a mesma coisa.

Evidentemente que a teoria de Santo Agostinho não para aí e vai em frente, admitindo a existência dos anjos, dos anjos revoltosos e sua queda, com o que o Espiritismo não concorda.

Toda a crença na existência dos anjos, demônios e das penas eternas vai contra toda a existência lógica do próprio Deus.

Colocando este ponto de vista, nos perguntamos então, porque a humanidade o fez tão forte. Seria para enganar e manter o domínio sobre a população? Seria uma guerra de interesses e de poder entre a Igreja e o Estado? A Igreja Católica deve ser condenada por este mal causado à humanidade?

Para todas estas perguntas, só existe uma resposta: NÃO!

Em primeiro devemos entender que o Cristianismo, no início, sofreu muita pressão das religiões existentes. Muitas destas religiões pretendiam explicar tudo, e dava suas explicações, absurdas se consideradas nos dias atuais, mas perfeitamente enquadradas nos moldes intelectuais da época.

Apenas a título de exemplo podemos citar as teorias do Maniqueísmo que defendia, entre outras, a tese da existência de dois deuses: o Deus bom e justo e o Deus do mal (o diabo), justificando a guerra entre o bem e o mal. O próprio Santo Agostinho foi maniqueísta antes de sua conversão ao Cristianismo.

Outra corrente em vigor na época de Santo Agostinho, era a dos Platônicos que combatiam a tese das penas eternas. Segundo eles, todo o mal praticado pelos homens era, na verdade, uma maneira de aprenderem o bem. Diziam que nenhum mal ficaria sem punição, e todo o mal cometido seria corrigido durante a vida através dos castigos e flagelos recebidos. Aqueles males cometidos e não purificados antes da morte, seriam levados pela alma que os purificariam após a morte. Uns iriam para os abismos, outros seriam içados aos ventos e 
outros ficariam queimando em um fogo que não se apagava até que todos os males estivessem purificados. Esta teoria não deixa claro o que ocorre após a purificação, mas sugere a existência de uma espécie de céu.

Pressionado por estas religiões, o Cristianismo deveria também ter uma resposta para tudo, Se não tivesse, ficaria ameaçado de esquecimento porque não teria aceitação junto à população. Afinal, quem se dedicaria a uma Religião que não soubesse explicar os acontecimentos rotineiros do dia – a – dia, quando tantas outras explicavam?

Impossibilitados de alçar vôo mais alto devido à completa ausência de conhecimento e desenvolvimento científico, pressionado pelas exigências culturais e racionais da época, influenciado pelas crenças de outras religiões, o surgimento do Diabo, como sido anjo caído foi a mais racional que puderam entender.

Não podemos deduzir daí que a criação do Diabo e das penas eternas é hoje um bem, ou que estamos aqui defendendo sua existência.

Apenas devemos nos colocar no contexto social de uma época para entender o que esta época realizou.

A existência do Diabo pode até mesmo ser considerada um bem para a humanidade pois serviu de freio para os homens. Se não fosse assim, a violência e a crueldade humana teriam sido muito maiores.

Acreditar nisto, é uma coisa. Acreditar hoje em dia que o Diabo existe do mesmo jeito que se acreditava é um erro, mesmo para uma pessoa não espírita já que os avanços da ciência, por si só, já apagou o fogo eterno do inferno.

Para os Espíritas, o diabo e seus demônios não podem ser vistos senão como a alma dos próprios homens que, ainda endurecidos, praticam toda a sorte de maldades, mas que um dia, cansados do mal, quererão, poderão e alcançarão as mesmas alegrias que desfrutam os 
espíritos superiores, chamados anjos.

Mas nem tudo está perdido para o Diabo. Ainda hoje existem algumas seitas, se assim podemos chamá-las, de adoração ao Diabo. Nas religiões tradicionais, como no Protestantismo e no Catolicismo, o seu poder ainda é muito forte. Mas esses casos representam apenas os últimos redutos, ou os últimos suspiros de uma crença que teve seu valor, mas que está irremediavelmente condenado à superação.

E o Espiritismo foi o golpe fatal. O tempo do Diabo acabou, porque já era pouco, como disse o Evangelista João no Apocalipse, 12,12 “... porque o Diabo desceu até vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.”

BIBLIOGRAFIA

O Céu e o Inferno – Allan Kardec
O Livro dos Espíritos – Allan Kardec
Revista Edições Planeta – Os Grandes Enigmas – numero 4
Revista História Viva – Grandes Temas numero 12 – Sob a sombra do Diabo
A Bíblia Sagrada – Tradução de João Ferreira de Almeida – Revisada em 1969
Santo Agostinho – Coleção “Os Pensadores”
A Cidade de Deus contra os pagãos – Santo Agostinho
O Novo Dicionário da Bíblia – J. D. Douglas – tradução João Bentes – Edições Vida Nova

Exibições: 478

Tags: satanas

Comentar

Você precisa ser um membro de REDE AMIGO ESPÍRITA para adicionar comentários!

Entrar em REDE AMIGO ESPÍRITA

ASSOCIE-SE E COLABORE

Programação ao vivo

Evangelho na Rede" - Momento de prece e vibração

29/05 - 08:00 às 08:40hs

Decisão de vontade - Questão 214 - Estudo de O Livro dos Espíritos com Carlos Alberto Braga

29/05 - 19:30 às 21:00hs

3º Encontro Espírita de Presidente Prudente - Coral Amelia Bazan e Palestra com Izaias Claro - Tema: Jesus a Luz do Mundo

29/05 - 20:00 às 21:30hs

Evangelho na Rede" - Momento de prece e vibração

30/05 - 08:00 às 08:40hs

3º Encontro Espírita de Presidente Prudente - Elizabete Lacerda, Ismael Batista e Nazareno Feitosa

30/05 - 08:30 às 12:00hs

Autoamor com Marcus Renato Ribeiro - Curso dos Princípios Básicos Médico-Espíritas (AMEMG-BH)

30/05 - 09:00 às 10:30hs

Pontualidade 3ª parte - Estudando a Mediunidade com André Sobreiro

30/05 - 09:30 às 11:00hs

“Deus e o mundo contemporâneo” com Marcos Cassoni no Programa Momento Espírita (Catanduva-SP)

30/05 - 12:00 às 13:00hs

3º Encontro Espírita de Presidente Prudente - Margarete Áquila, Deusa Samú, Sergio Santos e Ditinha Calixto

30/05 - 14:00 às 18:00hs

Palestra "Pais e Filhos na visão Espírita" com Ornilda Bezerra (UEC-VIla Velha/ES)

30/05 - 18:00 às 19:00hs

Palestra com Raffaela Morais (SEJA-Campina Grande/PB)

30/05 - 20:00 às 21:00hs

3º Encontro Espírita de Presidente Prudente - Elizabete Lacerda e Peça Teatral "Gandhi e a Ética Inspiradora"

30/05 - 20:00 às 21:30hs

Palestra de Pedro Cesar Coelho na AME Campina Grande/PB

30/05 - 20:00 às 21:00hs 

Seminário: "O Passe seus fundamentos e importância" com Carlos Roberto (UFE-Campina Grande/PB)

31/05 - 08:30 às 12:00hs 

3º Encontro Espírita de Presidente Prudente - Musical Grupo Chorus, palestras de Nazareno Feitosa e Deusa Samú, Musical de Margarete Áquila e Sérgio Santos

31/05 - 08:30 às 12:00hs

Palestra de Dioraci Russo (AEAK-Rio Preto/SP)

31/05 - 09:00 às 10:00hs

Últimas atividades

Jose Ivan Lobo Silvano Silvano comentou o grupo Estudando Espiritismo de Amigo Espírita
"mais uma oportunidade de aprmorar conhecimentos, obrigado pela oportunidade.desejo de muitas…"
10 minutos atrás
Jose Ivan Lobo Silvano Silvano entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Estudando Espiritismo

Estudos da Doutrina Espírita para troca de conhecimentos, através da…Ver mais...
16 minutos atrás
Ícone do perfiljaqueline moraes lima lopes, Sheila Santos Milici, debora augusta freire de amorim e mais 20 pessoas entraram em REDE AMIGO ESPÍRITA
36 minutos atrás
jaqueline moraes lima lopes curtiu o vídeo de Leonardo Rezende
41 minutos atrás
Sheila Santos Milici curtiu o vídeo de Canal Amigos da Luz
51 minutos atrás
marina marques ferreira compartilhou o vídeo de Canal Amigos da Luz em Facebook
55 minutos atrás
Ícone do perfilRede Amigo Espírita via Facebook
Miniatura

20hs Iniciando o 3º Encontro Espirita de Presidente Prudente com apresentação…

Ver mais...
Facebook1 hora atrás · Responder
Rita de Cassia Almeida curtiu o vídeo de Canal Amigos da Luz
1 hora atrás
Ori Pombal Nunes compartilhou o vídeo de Canal Amigos da Luz em Facebook
1 hora atrás
Ori Pombal Nunes compartilhou o vídeo de Canal Amigos da Luz em Twitter
1 hora atrás
Ori Pombal Nunes compartilhou o vídeo de Canal Amigos da Luz em del.icio.us
1 hora atrás
Ori Pombal Nunes curtiu o vídeo de Canal Amigos da Luz
1 hora atrás
aneleh curtiram a página ESTUDO E PRÁTICA DA MEDIUNIDADE (por André Sobreiro) de André Luiz Iesi Sobreiro
1 hora atrás
aneleh curtiram a página ESTUDO E PRÁTICA DA MEDIUNIDADE (por André Sobreiro) de André Luiz Iesi Sobreiro
1 hora atrás
raysa halana respondeu à discussão Seminário: A Importância da Obra de André Luiz para o Paradigma Médico-Espírita - Dr. Décio Iandoli Jr de Amigo Espírita no grupo Áudios Espíritas
"Muito obrigada por transmitir tanto conhecimento, com tantas referências. Foi edificante!"
1 hora atrás
FRANCISCO TAVARES ALVES curtiu o vídeo de Feeak Minas
1 hora atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2015   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço