É tristeza ou depressão? Eis a questão!  (Jorge Hessen)

Jorge Hessen

jorgehessen@gmail.com

Brasília-DF

 

Antes de abordarmos o tema, cabe distinguir a simples tristeza da depressão. A tristeza é um sentimento corriqueiro que surge ocasionalmente em nossos corações. Mormente quando advém um acontecimento que sacode a nossa vida, porém é provisória.

Estranhamente hoje em dia qualquer tristeza é tratada como doença psiquiátrica. Os pacientes preferem recorrer aos remédios a encarar os desafios da vida. Muitos médicos se rendem aos laboratórios farmacêuticos e indicam antidepressivos sem necessidade, exceto os psiquiatras que são os que menos receitam antidepressivos, porque estão mais preparados para reconhecer as diferenças entre a “tristeza normal" e a patológica (depressão).

O que diferencia a "tristeza normal" da patológica é a intensidade. A tristeza patológica é muito mais intensa. A normal é um estado de espírito. Além disso, a patológica é longa. É o aperto no peito, dificuldade de se movimentar, a pessoa só quer ficar deitada, dificuldade de cuidar de si próprio, da higiene corporal. Na "tristeza normal", pode acontecer isso por um ou dois dias, mas, depois, passa. Na patológica, fica nas entranhas do ser.

Quem mais receita antidepressivos não são os psiquiatras, são os demais médicos. Os psiquiatras têm uma formação para perceber que primeiro é preciso ajudar a pessoa a entender o que está se passando com ela e depois, se for uma depressão, medicar. Agora, os não psiquiatras, não querem ouvir. O paciente diz: “Estou triste.” O médico responde: “Pois não”, e receita o ansiolítico. Eis o problema!

A depressão deriva de duradoura ansiedade íntima. É uma indiferença de sentir o gozo pela vida, resultando em certo desgosto por viver. Essa amargura ou vazio d’alma podem estar escoltados por ideias de morte que se manifestam de múltiplas formas: o deprimido pode almejar morrer e até atentar contra a própria vida, ou meramente pode não ansiar mais viver, porém não pensa em tirar a própria vida e até receia a morte.

O processo depressivo pode variar de magnitude e é qualificado pela psiquiatria como depressão leve, quando os sintomas não intervêm em demasia no cotidiano; como depressão moderada quando já há um comprometimento maior na sustentação das atividades habituais e como depressão grave, neste estágio a pessoa torna-se bastante limitada na labuta cotidiana.

É muito importante buscar modos de se evitar chegar nesse nível, trabalhando-se com as causas profundas da doença que, por ser uma doença das emoções, não tem sinais físicos ou bioquímicos. Frequentemente o doente deprimido houve frases do tipo “você não tem nada” ou “depressão é frescura”, às vezes pronunciadas até por clínicos, que após escutarem o paciente requerem exames complementares, que exibem resultados negativos.

Por outro lado, há aqueles médicos que se deixam levar pelo lobby da indústria farmacêutica. Não se pode mais ficar enfadado, apoquentado, triste, porque isso é imediatamente transformado em depressão. É a medicalização de uma condição humana. É transformar um sentimento normal, que todos nós temos, dependendo das situações, numa entidade patológica. Há situações em que, se não ficarmos abatidos, pode gerar transtornos emocionais – como quando se “perde” um ente querido. Mas muitos médicos não compreendem racionalmente alguns sentimentos e sintomas humaníssimos.

Muitos aflitos costumam recorrer aos tranquilizantes e se debatem aflitivamente para que a aflição não os abarque a vida cotidiana. É comum nos extasiarmos ante a beleza das estrelas do firmamento, em rogativas ao Criador, a fim de que a angústia não nos abata e nem nos alcance a caminhada, ou, ainda para que os sofrimentos desviem para outros rumos. Contudo, a realidade das provas e expiações ante os estatutos de Deus chegará inexorável como mecanismos naturas de nossa evolução.

Ante os ventos impetuosos das chibatas emocionais, nos sentimos vencidos e solitários. Mas, em realidade, o que parece infelicidade ou derrota pode significar intercessão providencial de Deus, sem necessidade, portanto, do uso de tranquilizantes para aliviar a dor. Em muitos momentos da existência, quando choramos lágrimas de angústias, os Benfeitores se rejubilam de “lá”, da mesma forma em que os pomicultores de “cá” descansam, serenos, após o labor do campo bem podado. A vida é assim!

Essas lágrimas asfixiantes, muitas vezes representam para nós alegrias nas dimensões superiores da vida espiritual. Evidentemente nossos protetores do além não são indiferentes quando estamos em padecimentos atrozes, mas eles sabem exatamente que tal situação sinaliza possibilidades renovadoras no buril do nosso crescimento espiritual.

Exibições: 81

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

ASSOCIE-SE E COLABORE

Artigos Espíritas

Por que estudar O livro dos médiuns? por Simoni Privato Goidanich

Por que estudar O livro dos médiuns?

Simoni Privato Goidanich

Artigo publicado na Revista A senda (nov-dez 2019), da Federação Espírita do Estado do…

Kardec sofre...

Kardec sofre...

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Não tenho dúvidas que Allan Kardec sofre ao verificar como as coisas andam no seio do movimento espírita atual com brigas, discussões…

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

Aprendemos com o Espiritismo a ter relações mais leves.

 

Marcelo Henrique – Florianópolis SC

Wellington Balbo – Salvador BA

 

O Espiritismo nos fornece uma visão bem legal da…

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

Ao orar por alguém eu atraio seus obsessores?

 

Há, para uma boa parcela de gente, até para aqueles que conhecem um pouco mais os Espíritos e a sua natureza, uma espécie de medo do que eles – os Espíritos – podem fazer…

Por que apenas em setembro?

Por que apenas em setembro? 

 

O tema suicídio sempre me chamou atenção, tanto que, no ano de 2011, junto com dois amigos…

Últimas atividades

Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cesar Fontes Gerhard
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Paula D Aquino
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de José Maria Ramalho Pinto Júnior
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de katia maria brinco
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Robson Carlos Rocha Chicarino
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Carmen Angela Guimarães Leal
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Marcelo Myrrha
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Neldalia Silva Fort Bastos
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Elisangela Vargas da Silveira
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Maria Helena
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Olimpia Maria dos Santos
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Conceição A. Fernandes dos Anjos
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ane Elise de Freitas Farias
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Leticia C
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de lucimar ribeiro
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de lucimar ribeiro
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Cecilia Chaves Duque
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Eleonora Ruggeri
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Ana Scalco
1 hora atrás
Cesar Fontes Gerhard curtiram o perfil de Sueli Aquino
1 hora atrás

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2019   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço