Orson Peter Carrara

Eu conheço várias dessas angústias. Minhas andanças pelo país e minha história de vida, também como dirigente no passado, me trouxeram uma visão global do movimento espírita e sua diversidade no entendimento doutrinário e suas práticas – que devemos compreender –, gerando comportamentos e atitudes tão diversas neles próprios, que igualmente se deparam com voluntários,  tarefeiros e frequentadores, diretores, também com a diversidade que nos é própria como seres humanos.

Todo líder ou dirigente – e não só espírita, claro, mas em qualquer segmento – sempre se defrontará com opositores. É natural, mas nem sempre fruto de crítica construtiva, muitas vezes é resultante de inveja, ciúme, oposição sistemática mesmo e até desejo simples de perturbar, por leviandade. Pense comigo:

  1. Se trabalha ativamente (e aí se inclui atendimento com fraternidade, proferindo palestras ou aulas e coordenando cursos, e até mesmo preparando trabalhadores para continuidade natural das tarefas), é fanático ou está querendo seguidores;
  2. Se interrompe a tarefa, ainda que por enfermidade ou problemas pessoais, é chamado de desertor ou acusado de abandono por ingratidão e inconsciência espírita;
  3. Se acompanha com atenção o andamento das diversas frentes de trabalho, é nomeado de controlador ou que, na linguagem vulgar, “não larga o osso de jeito nenhum”;
  4. Se usa da criatividade para motivar e envolver as pessoas, é classificado como revolucionário e desejoso de deturpar a pureza doutrinária;
  5. Se usa seus talentos pessoais é também porque quer aparecer;
  6. Se organiza as atividades e sugere sequencia para isso é porque tem interesses;
  7. Se é notado mais próximo de alguém, com mais frequência, em necessidade é porque há interesses inconfessáveis.
  8. Se se destaca pela atuação, é alvo de inveja, ciúme e até boicote.
  9. Se demonstra assiduidade nas tarefas, está abandonando a família;
  10. Se promove eventos para geração de receitas, é porque está enriquecendo com elas;
  11. Se leva adiante providências, pela omissão de outros encarregados, é porque “passa por cima dos outros”;
  12. Se toma decisões, é porque não é democrático…
  13. Se fortalece a instituição ou causa a que se dedica, é porque quer domínio sobre tudo e todos…

Claro que a lista não termina aí, outros se acrescem, entre fatos desagradáveis de bastidores, intrigas absolutamente dispensáveis, falatórios sem utilidade, e por aí vai, em situações bem próprias da condição humana.

São angústias que muita gente nem imagina, nem sabe, e que muitas vezes podemos causar sem perceber, nós mesmos que talvez estejamos próximos e atormentando líderes natos que trabalham pelo bem geral. Nossos comportamentos distraídos ou levianos atormentam ativos trabalhadores do bem, retardam ações que podem beneficiar muita gente.

Estejamos atentos no que dizemos, como dizemos, no que fazemos e como fazemos. Podemos ser levianos sem perceber e perturbar quem trabalha. Podemos muitas vezes estar gerando angústias, intencionais ou sem perceber, que nos custarão mais tarde lágrimas de remorso, quando nos dermos conta da responsabilidade que, com tais atitudes, assumimos.

Procuremos nunca nos vermos como concorrente, não o somos. Somos criaturas tocadas pelo mesmo ideal e devemos nos respeitar, seja em qual condição nos encontremos, fazendo-nos ativos colaboradores, sem perturbar os trabalhos em andamento. Se achamos que podemos fazer melhor, assumamos a responsabilidade que nos compete, sem olhar com despeito quem trabalha.

Ainda que haja os que desejam aparecer, que querem se projetar e dominar, ou que, entre tantas outras situações, destoam nos campos do personalismo, da vaidade ou do egoísmo e de pretensões descabidas, estamos todos em aprendizado, cada um amadurecendo a seu tempo.

É incabível que nos deixemos dominar por sentimentos vis, considerando a grandeza da Doutrina Espírita, quando o dever igualmente nos chama ao trabalho constante do bem.

Exibições: 272

Comentar

Você precisa ser um membro de RAE para adicionar comentários!

Entrar em RAE

APLICATIVO RAETV

Nosso aplicativo para download gratuito no Google Play

COLABORE COM A RAE

PRÓXIMOS EVENTOS AO VIVO

Artigos Espíritas

A convivência familiar na pandemia.

A convivência familiar na pandemia.

 

A impermanência das situações existenciais necessita estar em  nossas reflexões .

Por quê?

Simples, porque as mudanças são uma realidade tão palpável quanto a morte.

De um momento para o outro, por exemplo, podemos ter as nossas rotinas capturadas pelos mais variados motivos.

E o ano de 2020 escancarou…

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ? - Nelson Xavier

HÁ AMOR NO QUE VOCÊ FAZ?

“Quanto mais eu escrevo, mais as palavras aparecem. Quanto mais eu vivo, mais a vida me esquece.

Quanto mais eu choro, mais as lágrimas descem. Quanto mais eu amo,…

Reflexões sobre as Leis Naturais.

Reflexões sobre as Leis Naturais.

 

Quando se inicia o estudo da Lei Divina ou Natural, que consta em O Livro dos Espíritos, percebe-se que Kardec, na elaboração das perguntas aos Espíritos, objetiva eliminar as contradições…

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro... (Artigo de Jane Maiolo)

E quando o desequilíbrio da saúde mental destrói o futuro...

 por Jane Maiolo

Por que estamos nós…

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

Por que nos sentimos mal em determinados ambientes?

 

Wellington Balbo – Salvador BA

 

Você já esteve em ambientes em que se sentiu mal, constrangido, pouco à…

Últimas atividades

Posts no blog por PATRIZIA GARDONA

Então, chega para lá

Certa feita há muitos anos, conversávamos com uma das grandes figuras femininas do movimento espírita da cidade de São…Ver mais...
4 horas atrás
Hilton Cesar respondeu à discussão Mediunidade - dom ou castigo? de Bárbara Martins de Castro
"Médiuns somente os são, os que possuem a faculdade de sentir a influência do mundo espiritual, de forma nítida e ostensiva. O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações…"
17 horas atrás
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Quando o bom não é tímido pode ser reprovado, mas constrói o passado para ser lembrado com profundo respeito. Parabéns Brasílio Marcondes Machado. A tese de Machado foi apresentada no dia 29 de agosto de…"
ontem
Luciano Franco Ramos entrou no grupo de Amigo Espírita
Miniatura

Joanna de Ângelis e Divaldo Franco

Grandes Ensinamentos que iluminam e esclarecem.Grupo destinado aos ensinamentos do médium Divaldo Franco e da Benfeitora Joanna de Angelis. Ver mais...
ontem
MARIO FONTES respondeu à discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
"Excelente descrição João Nodari"
domingo
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Médiuns. 171. de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"“Sandálias Douradas”.  Credibilidade é fundamental. Alguns médiuns ganham credibilidade, mas são infectados pelo orgulho e/ou vaidade. Fator complicador - obsessão. A entidade passa a exercer…"
sábado
Antonio Carlos G. Sarmento e Edileuza R. Rodrigues agora são amigos
sábado
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
" Sincera solidariedade agrega, solidariedade forçada segrega. O humanista de boutique precisa do preconceito. É o oxigênio vital dele, diz jornalista em Hipocrisia in…"
sexta-feira
augusta curtiu a postagem no blog Amor antigo - Alma afim. de Nilton Cardoso
3 Ago
augusta curtiram o perfil de Nadia Rosangela
3 Ago
ANDREA REGINA DE SA curtiram a discussão FACULDADE DE FILOSOFIA ESPÍRITA de MARIO FONTES
3 Ago
LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA comentou a postagem no blog Os “bons” são tímidos (LE q. 932) até na Universidade de LUIZ CARLOS DUARTE FORMIGA
"Ao tentar processar o Porta dos Fundos, por retratar Jesus como um gay, igreja teve um prejuízo de R$ 82…"
1 Ago

Regras de uso e de publicação

 

 

© 2020   Criado por Amigo Espírita.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço